Criei este Blog para minha Mãe Cigana Rainha do Oriente, sendo uma forma de homenageá-la, bem como postar assuntos atuais e de caráter edificante, lindas mensagens, poesias de luz, também aqui brindemos á amizade verdadeira e elevemos o principal em nós ou seja a essência Divina, Deus e a Espiritualidade em geral.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

2.017 - O ANO DO FIM DOS EUA?



Quando o globalismo chegar ao fim… 2017, o ano da dissolução dos Estados Unidos da América.
“A liberdade de uma democracia não é segura se o povo tolera o crescimento de poder privado ao ponto de tornar-se mais forte que o próprio Estado democrático. Isto, em essência, é fascismo – o apossamento do governo por uma pessoa, por um grupo, ou qualquer poder privado de controle” Franklin Delano Roosevelt
Tradução, edição e imagens: Thoth3126@gmail.com
Fonte: http://www.globalresearch.ca/
Por Paul Craig Roberts - Global Research
Foi em 2017 - Os clãs governavam a América:

Os primeiros clãs organizaram-se em torno das forças da polícia local.
A guerra ao crime dos conservadores durante o fim do século XX e a guerra ao terror de Bush/Obama durante a primeira década do século XXI deram como resultado a polícia tornar-se militarizada e inimputável.



Quando a sociedade se decompõe, as polícias tornam-se os senhores da guerra.
A polícia do estado separou-se e os seus oficiais foram incluídos nas forças locais das suas comunidades.

As tribos recém formadas expandiram-se para incorporar parentes e amigos da polícia.
O dólar como divisa de reserva mundial entrou em colapso em 2012 quando o agravamento da depressão econômica deixou claro para os credores de Washington que o déficit do orçamento federal era demasiado grande para ser financiado, a não ser pela impressão de dinheiro.

Com a morte do dólar, os preços das importações dispararam.
Como os americanos eram incapazes de aceder a bens fabricados no estrangeiro, as corporações transnacionais que estavam a produzir lá fora para mercados nos EUA entraram em bancarrota, corroendo mais uma vez a base de receitas do governo.
O governo foi forçado a imprimir dinheiro a fim de pagar as suas contas, provocando a ascensão rápida dos preços internos.
Confrontada com a hiper-inflação, Washington adotou o recurso de acabar com a Segurança Social (sistema de aposentadorias) e o Medicare (assistência médica) e a seguir confiscou os remanescentes das pensões privadas. Isto proporcionou um ano de alívio, mas sem mais recursos para confiscar, a criação de dinheiro e a hiper-inflação recomeçaram.
A distribuição organizada de alimentos rompeu-se quando o governo combateu a hiper-inflação com preços fixados e a ordem de que todas as compras e vendas tinham de ser na divisa de papel dos EUA.
Relutantes em comerciar bens valiosos por papel depreciado e sem valor nenhum, os bens desapareceram das lojas.



A desvalorização do dólar desde 1913. Washington respondeu tal como Lenin o havia feito durante o período do “comunismo de guerra” da história soviética.

O governo enviou tropas para confiscar mercadorias para distribuição em espécie à população. Isto foi um expediente temporário até que os estoques existentes fossem esgotados, pois a produção futura foi desencorajada. Grande parte dos estoques confiscados tornou-se propriedade das tropas que apreenderam os bens.
As mercadorias reapareceram em mercados sob a proteção de senhores da guerra locais.
As transações eram efetuadas em escambo (barter) e em ouro, prata e moedas de cobre.
Outros clãs organizaram-se em torno de famílias e indivíduos que possuíam estoques de alimentos, barras de ouro, armas e munições.
Formaram-se alianças incômodas para equilibrar as diferenças nas forças dos clãs.
As traições rapidamente fizeram da lealdade um traço necessário para a sobrevivência.



A produção em grande escala de alimentos e outros bens veio abaixo e entraram em colapso quando milícias locais tributaram a distribuição dos bens transportados através dos seus territórios locais. Washington apropriou-se da produção interna de petróleo e das refinarias, mas grande parte da gasolina do governo era paga em espécie para poder passar em segurança através dos territórios dos clãs.

A maior parte das tropas nas bases militares de Washington no estrangeiro foram abandonadas. Quando os seus estoques de recursos ficaram esgotados, os soldados abandonados foram forçados a alianças com aqueles com quem tinham estado a combater.

Washington descobria que era cada vez mais difícil manter-se a si própria.
Como perdia o controle sobre o país, Washington era menos capaz de assegurar qualquer abastecimento vindo do estrangeiro como tributo daqueles a quem ameaçava com ataque nuclear. Gradualmente outras potências nucleares perceberam que o único alvo a ser atacado na América era Washington.
Os mais astutos anteviram acontecimentos fatais e afastaram-se para longe da antiga cidade capital dos EUA.

Quando Roma começou o seu império, a sua divisa consistia em ouro e prata cunhadas.
Roma era bem organizada com instituições eficientes e a capacidade para abastecer tropas nos campos de batalha de modo a que as campanhas militares para anexar territórios e suas riquezas pudessem continuar indefinidamente, um monopólio naquele mundo do tempo de Roma.



O Império Romano perdurou por séculos.
O Americano entrou em colapso da noite para o dia.

Quando o orgulho arrogante remeteu a América para a busca da formação de um império além-mares, a aventura coincidiu com a deslocamento da manufatura, da indústria e dos empregos de serviços profissionais da América para o exterior, principalmente a China, em busca de mão de obra barata e da correspondente erosão da base fiscal do governo, com o advento de déficits orçamentais e comerciais maciços, com a erosão do valor da divisa de papel fiduciário e com a dependência da América de credores estrangeiros e de governantes fantoches.

A corrupção de ‘Roma’ tornou-se a força dos seus inimigos e o Império Ocidental foi invadido.
O colapso da América verificou-se quando o governo cessou de representar o povo e tornou-se o instrumento de uma oligarquia privada (Illuminatis, Bilderbergs, Skull and Bones, New World Order, Sionistas Askhenazis, Nazistas, CFR-Council Foreign Relations, CIA, N.S.A, FEMA, Rothschild, Reptilianos, etc…). As decisões eram tomadas em busca de lucros a curto prazo para poucos e com despesas de passivos não administráveis para muitos.

Esmagado pelos passivos, o governo entrou em colapso. O globalismo havia chegado ao fim. A vida foi reformada numa base local e o caos se instalou…

Paul Craig Roberts foi Editor do Wall Street Journal e Secretário Assistente do Tesouro dos EUA do governo Ronald Reagan. O seu último livro pode ser encomendado através deste link: “How the Economy Was Lost“. PaulCraigRoberts@yahoo.com


O original encontra-se em: http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=20443



Os americanos estão no seu momento mais vulnerável;
Eles são vulneráveis porque são preguiçosos mentalmente;
Eles são preguiçosos mentalmente porque são ingênuos;
Eles são ingênuos, porque eles são ignorantes;
Eles são ignorantes porque são desinformados deliberadamente;
Eles são desinformados deliberadamente porque acreditam em seu governo e mídia nacional !!!
Assim como todos os demais povos do planeta Terra…

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.
www.troth3126.com.br
http://lindaciganadooriente.blogspot.com.br