Criei este Blog para minha Mãe Cigana Rainha do Oriente, sendo uma forma de homenageá-la, bem como postar assuntos atuais e de caráter edificante, lindas mensagens, poesias de luz, também aqui brindemos á amizade verdadeira e elevemos o principal em nós ou seja a essência Divina, Deus e a Espiritualidade em geral.

terça-feira, 30 de julho de 2013

ATENÇÃO: 98 MILHÕES DE AMERICANOS FORAM CONTAMINADOS COM VÍRUS CAUSADOR DO CÂNCER ATRAVÉS DA VACINA CONTRA POLIOMIELITE!!!



Será o plano de redução populacional em ação?
E este número de pessoas são apenas nos Estados Unidos... E no mundo?




sexta-feira, 26 de julho de 2013

O CDC rapidamente removeu uma página de seu site, que agora está em cache aqui , admitindo-se que mais de 98 milhões de americanos receberam uma ou mais doses da vacina contra a poliomielite dentro de um período de 8 anos,quando a proporção da vacina estava contaminada com um câncer causando polyomavirus chamado SV40. Estimou-se que 10-30000000 americanos poderiam ter recebido uma dose contaminada SV40 da vacina.
V40 é uma abreviatura de Vírus Símio 40 vacuolar ou vírus símio 40 , um poliomavírus , que é encontrada em ambos os macacos e seres humanos. Como outros poliomavírus, SV40 é um vírus de DNA que tem sido encontrado para provocar tumores e cancro.

Acredita-se que o SV40 para suprimir as propriedades de transcrição dos genes supressores de tumor em seres humanos através da SV40 grande antigénio T e T pequeno de SV40-antigénio . genes mutados podem contribuir para a proliferação celular descontrolada, que conduz ao cancro. Michele Carbone, Professor de Patologia Adjunto na Universidade de Loyola, em Chicago, foi recentementefragmentos isolados do vírus SV-40 em cânceres ósseos humanos e de uma forma letal de câncer de pulmão chamado mesotelioma. Ele encontrou SV-40 em 33% dos cânceres ósseos osteossarcoma estudados, 40% de outros cânceres ósseos, e em 60% dos cânceres de pulmão mesotelioma, escreve Geraldo Fuentes.
Dr. Michele Carbone reconheceu abertamente HIV / AIDS foi espalhado pela vacina contra a hepatite B produzido pela Merck & Co. durante o início dos anos 1970. Foi a primeira vez desde que as transmissões iniciais ocorreu em 1972-1974, que um dos principais especialistas no campo da produção de vacinas e testes admitiu abertamente a responsabilidade Merck & Co. para a AIDS .
A matéria-de-fato divulgação ocorreu durante as discussões de vacinas contra a poliomielite contaminados com vírus SV40 que causou câncer em quase todas as espécies infectadas por injeção.

Muitas autoridades já admitem muito, possivelmente a maioria, dos casos de câncer do mundo veio do Salk e vacinas Sabin, e hepatite B, produzida em macacos e chimpanzés.
Diz-se que o mesotelioma é um resultado da exposição ao amianto, mas a pesquisa revelou que 50% dos mesoteliomas actuais serem tratados não ocorre devido ao amianto, mas sim o vírus SV-40 contido na vacinação contra a poliomielite. Além disso, de acordo com pesquisadores do Instituto de Histologia e Embriologia Geral da Universidade de Ferrara, SV-40 transformou-se em uma variedade de outros tumores. Até o final de 1996, dezenas de cientistas relataram a descoberta de SV40 em uma variedade de cânceres ósseos e uma ampla gama de cânceres cerebrais, que havia subido 30 por cento ao longo dos últimos 20 anos.
O vírus SV-40 está agora a ser detectada em tumores removidos de pessoas não inoculados com a vacina contaminada, levando à conclusão de que alguns indivíduos infectados pela vacina pode ser espalhando SV40.
Logo após a sua descoberta, SV40 foi identificado na forma oral da vacina contra a poliomielite produzido entre 1955 e 1961 produzido pela American Home Products (dba Lederle).
Tanto o oral, o vírus vivo e vírus inativo injetável foram afetados. Constatou-se mais tarde que a técnica utilizada para inactivar o vírus da poliomielite na vacina injectável, por meio de formaldeído, não matou fiável SV40.
Apenas dois anos atrás, o governo dos EUA finalmente adicionado formaldeído a uma lista de agentes cancerígenos conhecidos e e admitiu que o estireno químico pode causar câncer. No entanto, a substância ainda se encontra em quase toda a vacina. acordo com o Australian National Research Council, menos de 20%, talvez mais do que 10% da população em geral pode ser susceptível de formaldeído e podem reagir de forma aguda, a qualquer nível de exposição. Mais perigoso do que a maioria dos produtos químicos em 5 de 12 sistemas de classificação, em pelo menos oito listas reguladoras federais, é classificado como um dos compostos mais perigosos pior (10%) para os ecossistemas ea saúde humana (Fundo de Defesa do Meio Ambiente). No organismo, o formaldeído pode causar proteínas para se ligar irreversivelmente ao DNA. Os animais de laboratório expostos a doses de formaldeído inalado durante suas vidas se desenvolveram mais cancros do nariz e garganta do que as de costume.

Fatos listados no site do CDC sobre SV40

-SV40 é um vírus encontrado em algumas espécies de macaco. -SV40 foi descoberto em 1960. Logo depois, o vírus foi encontrado em polio vacina. -Vírus SV40 foi encontrada em certos tipos de cancro nos seres humanos.

Fatos adicionais

-Na década de 1950, células de rim de macaco rhesus, que contêm SV40, se o animal está infectado, foram utilizados na preparação de polio vacinas. -Não foram contaminados todas as doses de IPV. Estimou-se que as pessoas realmente 10-30000000 recebeu uma vacina que contém o SV40. -Algumas evidências sugerem que o recebimento de SV40 contaminado poliomielite vacina pode aumentar o risco de câncer.

Uma maior perspectiva da pulverização aérea e SV40

A Defensoria Ciências do Programa de Contramedidas de patógenos, em 23 de setembro de 1998 financiado pela Universidade de investigador principal do Michigan, Dr. James Baker, Jr. Dr. Baker, diretor do Instituto Michigan de Nanotecnologia para Medicina e Ciências Biológicas em várias bolsas da DARPA. Dr. Baker desenvolvido e focado na prevenção de patógenos entrem no corpo humano, que é um dos principais objetivos no desenvolvimento de medidas de combate à guerra biológica. Este projecto de investigação procura desenvolver um material compósito, que servirá como uma barreira para evitar agente patogénico e um agente terapêutico após a exposição a ser aplicada de forma tópica na pele e membranas mucosas. O compósito é modelado a partir do sistema imune na medida em que envolve formas redundantes, não específicos e específicos de defesa do patógeno e inactivação. Este material compósito é agora utilizada em muitas vacinas nasais e de controlo do vector através da utilização de hidro-gel, geles e materiais do actuador nanosilicon em vacinas.
Através da pesquisa do Dr. Baker, da Universidade de Michigan, ele desenvolveu polímeros dendríticas e sua aplicação à ciência médica e biológica. Ele co-desenvolveu um novo sistema de vetores de transferência de genes utilizando polímeros sintéticos. Estes estudos produziram resultados surpreendentes e têm o potencial para modificar a base da terapia de transferência de genes. Dendrímeros são nanométricas polímeros solúveis em água que podem conjugar-se a péptidos ou arbohydrates para actuar como moléculas de engodo para inibir a ligação de toxinas e os vírus às células. Eles podem também actuar como complexo e estabilizar o material genético, por períodos prolongados de tempo, tal como em um "tempo de libertação ou transferência de genes atrasados". Através de terreno do Dr. Baker quebrar pesquisa muitos fabricantes de produtos farmacêuticos e biológicos de pesticidas pode usar esses princípios em vacinas de DNA aplicações específicas que incorporam o vírus do macaco Simian SV40.

WEST NILE VÍRUS SPRAYING

Em 2006, Michael Greenwood escreveu um artigo para a Escola Yale de Saúde Pública, intitulado "A pulverização aérea efetivamente reduz a incidência de vírus do Nilo Ocidental (WNV) em seres humanos." O artigo afirma que a incidência de casos humanos do vírus do Nilo Ocidental pode ser significativamente reduzido através pulverização aérea em larga escala que tem como alvo os mosquitos adultos, de acordo com pesquisa realizada pela Escola Yale de Saúde Pública e do Departamento de Saúde Pública da Califórnia.
Sob o mandato de pulverização aérea para vetores específicos que representam uma ameaça para a saúde humana, vacinas aéreos conhecidos como Enhancements vacina de DNA e vacina recombinante contra o WNV pode ser testada ou usada para "proteger" as pessoas de exposições infecção vetoriais.

Melhoramentos de vacinas de DNA especificamente utilizar vírus de Epstein-Barr, vírus do capsídeo com múltiplos activadores de complemento humano de classe II para neutralizar anticorpos. As vacinas recombinantes contra WNV uso de beta-globulina de coelho ou o poli (A) do sinal do vírus SV40.

Nos estudos iniciais de vacinas de DNA, verificou-se que os estudos de resultado negativo iria para a categoria de futuros projetos de pesquisa de desenvolvimento em terapia gênica. Durante os estudos de poli (A) do SV40 de sinalização para as vacinas contra WNV, observou-se que o WNV irá permanecer latente nos indivíduos que foram expostos a varicela, assim, após a exposição a vacinas aéreo WNV o potencial para a libertação de vírus da varíola de galinha seria causar um risco maior de ter telhas início do adulto.

CALIFORNIA pulverização aérea para WNV e SV40

Em fevereiro de 2009 até a presente data, a pulverização aérea para o WNV ocorreu nas principais cidades do Estado da Califórnia. Durante a pulverização de Anaheim, CA um caucasiano do sexo feminino (50 anos) foi exposto a forte pulverização, enquanto faz seu exercício diário de caminhar vários quilômetros. Atividade helicóptero pesado ocorreu por vários dias nesta área. Após a pulverização, ela experimentou desmaio, náuseas, dores musculares leves e aumento da dor lombar. Ela foi avaliada por mecanismos toxicológicos que foram associados com a exposição a pesticidas, devido à pulverização aérea, utilizando testes de monitoramento biológico avançado. Os resultados do teste que incluiu a proteína utilizando o teste de banda de proteina de resposta acoplada (PCR) foram positivos para o KD-45. KD-45 é a banda de proteína para SV-40 Simian vírus do macaco verde. Foram realizados testes adicionais para o vírus Epstein-Barr e vírus capsídeo Cytomeglia que são usados na bio-engenharia para sistemas de entrega de genes por meio de proteínas do envelope virai e da tecnologia de proteínas de envelope de adenovírus. O indivíduo foi positivo para ambos; indicando uma exposição altamente provável que um sistema de entrega de vacinação com ADN através da inalação nasal.
A questão do século é como muitos outros vírus e toxinas estão dentro de vacinas dias atuais que só vamos descobrir daqui a algumas décadas?
Dave Mihalovic é um médico naturopata, que é especializada em pesquisa de vacinas, prevenção do câncer e uma abordagem natural para o tratamento.


Fonte: http://www.naturalnews.com/041345_CDC_polio_vaccine_SV40.html#ixzz2... e http://worldtruth.tv/cdc-admits-98-million-americans-received-polio...



Leia mais: http://www.libertar.in/2013/07/atencao-98-milhoes-de-americanos-for...




* * * * * * * * *
Erradicação da poliomielite
por Drauzio Varella

A vacina Sabin contra a poliomielite foi um marco na história da humanidade.
Existem duas vacinas contra a poliomielite: a vacina Salk, que emprega vírus mortos administrados por via injetável, e a Sabin, preparada com vírus vivos atenuados, passíveis de administração oral.
Introduzida em 1962, a vacina Sabin mostrou-se mais eficaz nas campanhas de vacinação em massa pela comodidade da via oral e pelo fato de o vírus atenuado nela contido ser excretado nas fezes, podendo conferir imunidade aos não-vacinados que entrem em contato com ele nas regiões de saneamento precário.
Um programa regional de erradicação da poliomielite foi iniciado nas Américas em 1985, com base na criação dos dias nacionais de vacinação para crianças com menos de cinco anos e na supervisão médica de todos os casos de paralisia aguda em menores de 15 anos, com a finalidade de detectar novos surtos.
Como consequência, o último diagnóstico de pólio no Brasil foi feito em 1990, e o último caso endêmico ocorreu no Peru, em 1991. Oficialmente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a poliomielite erradicada das Américas em 1994 e da Europa em 1999.
Esses resultados motivaram a OMS a lançar, em 1988, um programa de erradicação global, com o objetivo de pôr um fim à doença até o ano 2000.
A pretensão era razoável: se em 1977 havíamos varrido a varíola da face da Terra, por que não conseguiríamos o mesmo com uma doença para a qual existe vacina e que é transmitida de homem para homem sem a intermediação de hospedeiros intermediários, que tantas vezes funcionam como reservatórios naturais impossíveis de eliminar?
O tempo se encarregou de deixar claro que a varíola foi mais fácil de eliminar. Primeiro, porque seus portadores são facilmente identificáveis a partir das lesões que surgem na pele, enquanto a maioria das infecções pelo vírus da pólio são inaparentes: apenas um em cada cem a 200 infectados desenvolve a forma paralítica da doença, mas todos eliminam o vírus nas fezes. Segundo, porque enquanto uma única dose da vacina contra a varíola confere imunidade em 95% a 98% das vacinações, a da paralisia infantil exige três, quatro e, às vezes, seis doses de reforço para a imunização.
Além disso, em 1977, quando ocorreu o último caso de varíola, a população mundial era de 4 bilhões, contra os 6,2 bilhões atuais, aumento ocorrido quase exclusivamente em países que dispõem de poucos recursos para investir em saúde.
Quando o programa da OMS de erradicação da pólio foi iniciado em 1988, havia 350 mil casos de paralisia infantil no mundo.
Em 2005, esse número havia diminuído para 2.000, queda impressionante, mas aquém do objetivo inicial.
Problemas sociais e políticos explicam por que os US$ 4 bilhões investidos não foram suficientes para acabar com a doença em regiões conflagradas, como Somália, Congo, Angola e a fronteira entre Afeganistão e Paquistão. O caso da Nigéria é didático. Em 2003, grupos que se opõem à vacinação de crianças (que por incrível que pareça ainda existem) lançaram boatos de que a vacina estaria contaminada pelo vírus da Aids ou misturada com hormônios destinados a esterilizar meninas muçulmanas, e conseguiram suspender a vacinação em vários Estados no norte do país. Resultado: um ano mais tarde, o número de casos havia chegado a 800, o dobro do ano anterior, e o vírus invadiu países vizinhos como Iêmen e Somália.
Ao lado dessas dificuldades, há evidências de que o vírus da pólio possa se espalhar por vários anos sem ser detectado.
Em 2005, pesquisadores demonstraram a presença silenciosa do vírus durante cinco anos no Sudão, enquanto a OMS considerava o país como área livre da doença. A poliomielite ainda persistirá por muitos anos?
Isao Arita, pesquisador que participou com distinção das campanhas contra a varíola, considera mais realista admitirmos que a estratégia de erradicação deve ser substituída pela de “controle efetivo”. Segundo ele, a prioridade é manter as medidas de emergência atuais para limitar a disseminação do vírus na África, Oriente Próximo, Índia e Indonésia.
Ficaremos livres de vacinar nossos filhos contra a poliomielite, como aconteceu com a vacinação anti-variólica? Tão cedo, não. Mesmo depois de surgir o último caso, será difícil garantir que o vírus tenha de fato desaparecido. Um retorno dele num mundo de crianças não-imunizadas provocaria uma tragédia.


Extraído de: http://drauziovarella.com.br/drauzio/erradicacao-da-poliomielite/