Criei este Blog para minha Mãe Cigana Rainha do Oriente, sendo uma forma de homenageá-la, bem como postar assuntos atuais e de caráter edificante, lindas mensagens, poesias de luz, também aqui brindemos á amizade verdadeira e elevemos o principal em nós ou seja a essência Divina, Deus e a Espiritualidade em geral.

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

NASA REVELA COMO O SOL INVERTE SEUS POLOS A CADA 11 ANOS:

Ampliar

Imagens do mês (setembro/2013)23 fotos

21 / 23
Pesquisadores da Nasa descobriram que a inversão de polos do Sol, que marca um novo ciclo de atividade a cada 11 anos, ocorre devido a uma dupla camada de circulação, com fluxos ocorrendo um por cima do outro, e não um simples fluxo como os cientistas pensavam Stanford
Uma divisão de pesquisas da Nasa (Agência Espacial Norte-Americana) estudou como o núcleo do Sol se movimenta, para entender melhor a inversão de seus polos, e fez uma descoberta que contraria o que se pensava sobre o tema.
Dentro do Sol existe uma complexa corrente magnética chamada dínamo, responsável por movimentar o material contido no interior do astro, fazendo-o trocar de posição a cada 11 anos. Essa troca de polos indica que o ciclo de atividade do Sol está chegando ao seu ápice.
Portanto, para os cientistas, conhecer esse comportamento permite prever com mais precisão a intensidade dos próximos ciclos solares.
Ao estudar a movimentação do dínamo, a equipe liderada por Junwei Zhao constatou que em vez de um fluxo simples do dínamo - que primeiro iria em direção aos pólos e, em seguida, de volta para o equador -, o material no interior do Sol se move por uma dupla camada de circulação, com fluxos ocorrendo um por cima do outro.
Ampliar

Sondas espaciais registram atividade do Sol34 fotos

34 / 34
ago.2013 - Uma equipe internacional liderada por astrônomos da USP (Universidade de São Paulo) identificou o mais velho gêmeo solar conhecido até hoje: a estrela HIP 102152. Situada na constelação do Capricórnio, a 250 anos-luz de distância da Terra, o astro tem 8,2 bilhões de anos de idade, quase o dobro do nosso Sol, estimado em 4,6 bilhões de anos. Acima, concepção ilustra a evolução de uma estrela parecida com o Sol, desde o seu nascimento, uma protoestrela presa no disco de poeira (à esquerda) até, após se aquecer gradualmente, se expandir e virar uma gigante vermelha (à direita). O estudo anunciado nesta quarta-feira (28) será publicado no periódico "Astrophysical Journal Letters" Leia mais ESO/M. Kornmesser
Sistema de dupla face
Assim, o movimento de fluxo em direção aos polos ocorre em uma camada mais próxima da superfície solar, com o material interno do Sol escoando de volta para sua região do equador por meio de uma camada. No fundo dela existe uma segunda corrente de material movendo-se na direção dos polos, criando um sistema de dupla face em que os fluxos se movimentam um sobre o outro.
"A ciência sempre descreveu o comportamento do dínamo de forma mais simples. Agora, descobrimos que não é bem isso que acontece", explica Zhao, em comunicado. "Os padrões de fluxo que encontramos diferem totalmente desse conceito."
Com essa descoberta, o grupo elaborou e distribuiu a outros cientistas um mapa em que é traçada essa movimentação mais sofisticada do dínamo. Agora, o próximo passo é comparar a movimentação observada no Sol com os modelos estabelecidos pelo estudo para entender como esse conhecimento pode melhorar o que os astrônomos e os físicos sabem em relação à ação solar magnética. 
Ampliar

Veja mais imagens do espaço232 fotos

231 / 232
Setembro - Equipe japonesa identificou uma superterra com atmosfera rica em água, algo que não existe no nosso Sistema Solar. Os astrônomos e os cientistas planetários chefiados por Norio Narita, do Observatório Astronômico Nacional do Japão, usaram o telescópio Subaru para observar o trânsito da superterra GJ 1214 b (em preto) - quando ela passa em frente a sua estrela, a Gliese 1214 (em azul), a 40 anos-luz da Terra - e entender mais de suas propriedades. Como não ocorreu um espalhamento da luz que seria esperado se sua atmosfera fosse rica em hidrogênio, o grupo concluiu que o exoplaneta tem grande presença de água Leia mais NAOJ