Criei este Blog para minha Mãe Cigana Rainha do Oriente, sendo uma forma de homenageá-la, bem como postar assuntos atuais e de caráter edificante, lindas mensagens, poesias de luz, também aqui brindemos á amizade verdadeira e elevemos o principal em nós ou seja a essência Divina, Deus e a Espiritualidade em geral.

domingo, 30 de junho de 2013

VIAGEM QUE FIZEMOS AOS MUNDOS PARALELOS:


“Quem, de três milênios,
Não é capaz de se dar conta
Vive na ignorância, na sombra,
A mercê dos dias, do tempo.”

Johann Wolfgang von Goethe


Meu amigo, (a):
Vamos conversar um pouquinho?
Gostaria, primeiramente, de saber de você, o que se passa dentro de sua consciência, quando lê, quiçá pela primeira vez, o pensamento do Goethe, acima.
Poderia eu especular um pouco?
Será que por acaso ele lhe traz um ponto de interrogação à sua cabeça?
Será que lhe desperta alguma sensação de querer avançar um pouco mais em reflexão?
Ou será que ainda esse pensamento não lhe diz absolutamente nada?
Será que você o acha bonito, interessante, raso ou profundo, intelectualmente instigante*, motivador ou não, ou será apenas mais um daqueles belos conceitos elaborados por algum pensador célebre, que, uma vez arquivados na nossa também bela cachola, pode, eventualmente ser assim citado em “oportunidades sociais” para ilustrar alguma razão idiossincrática* nossa, fazendo-nos destacar por nossa capacidade de mergulhar um tanto mais no incrível mundo da cultura, do Conhecimento, na fantástica viagem que nossa mente portentosa*, bem o sabemos, tem a inata capacitação para nos conduzir a uma viagem retrospectiva no nosso tempo, dentro de nossos espaços conscienciais?

Olha...
Se esse pensamento goetheniano, assim como muitos outros axiomas* consensualmente aceitos e famosos, de aspecto aparentemente inquestionável, servir para produzir em você um abençoado ponto de interrogação, para conduzi-lo à alguma introspecção, induzindo-lhe vasculhar dentro de si mesmo e assim iniciar algumas perguntas e ensaiar respostas... aí então eu
Só tenho aqui que lhe dar os meus mais sinceros PARABÉNS!
PARABÉNS, porque você é alguém, muito especial, que simplesmente SABE PENSAR.
PARABÉNS, porque, mais importante do que saber apenas pensar é saber pensar POR SI MESMO.
PARABÉNS, porque você não se deixa facilmente influenciar ou contaminar-se por superficiais interpretações alheias, ou de segunda mão!
PARABÉNS, porque você não tem preguiça mental e no fundo, gosta de utilizar muito bem a sua privilegiada cachola!
PARABÉNS porque você é um LIVRE-PENSADOR, que não se deixa acorrentar por dogmas*, sem os examinar acuradamente*, por imposições de terceiros, até mesmo pelo que pretendo discorrer logo adiante.
PARABÉNS, meu jovem, meu velho, meu irmão (ã), porque, ao olhar para dentro de si mesmo, você começa a girar a chave da ignição do autoconhecimento, você está, não somente ou apenas “engolindo” o conhecimento mastigado, muito salivado mesmo por tantos que se arvoram direitos de lhe passar a Verdade, porque na realidade estão lhe passando parte fragmentada de suas próprias verdades individuais, do ponto de vista que suas óticas e lentes-de-ver-o-mundo assim o permitem! Isto não é positivo, nem negativo. Trata-se da visão do meu próximo, trata-se de um degrau que está na escada do conhecimento, ou, quando ainda melhor, do autoconhecimento.
PARABÉNS, caro amigo, porque você permitiu-se investigar, averiguar, ir um pouco mais fundo no oceano arquetípico* das idéias puras. E, mais do que isto, ao se permitir trabalhar com interrogações de sua própria consciência, você se tornou um cálice sagrado. Você se tornou um alquimista de si mesmo. Você se tornou um Santo Graal*. Você, gradativamente vai transformando os pesados chumbos de emoções não resolvidas, não questionadas ou não esclarecidas, em valioso ouro de um mental translúcido*, reluzente... e assim, praticando a verdadeira alquimia, que é a autotransmutação, você efetivamente cresce, cresce... e seu melhoramento moral, espiritual, filosófico, verdadeiramente científico-religioso, ou religiosamente-científico lhe ampliará sua holisticidade* e visão eclética, não-sectária, podendo lhe trazer a dádiva da consciência planetária, toda-fraterna e eco-oni-abarcante*.
Que o deixará, creia-me, imensamente feliz. Irá lhe conferindo, gradativamente, graus de iluminação e iniciações que um dia lhe dará o conhecimento e a vivência plena desta palavrinha tantas e tantas vezes interpretada: A REALIDADE. E o mais importante: Lhe dará, por sua própria e livre iniciativa, o verdadeiro conhecimento de si mesmo, quando por fim poderá responder, não só intelectualmente, senão que vivencialmente às mais básicas questões que todos nós, mais cedo ou mais tarde teremos que alcançar, quais sejam:

O que, ou quem somos nós? O que estamos exatamente fazendo AQUI? Para onde vou e para onde vamos... De onde viemos? Ou qual é o verdadeiro sentido da vida, de vidas? Qual o significado da nossa existência? O que posso saber sobre DEUS? Ou ainda: O que posso conhecer? E... COMO mergulhar mais fundo no oceano aparentemente insondável* das infindas possibilidades da Vida?

Essas e muitas outras perguntas, que, acredite, ao serem formuladas com sincera convicção de sua BUSCA, já trazem em si embutidas os graus de que você hoje necessita das respectivas respostas.

Meu amigo (a), agora lhe proponho uma pequena aventura.
Que tal acompanhar-me numa singela viagem?
Uma viagem onde tranqüilamente podemos ultrapassar muitas porteiras...
Uma viagem natural, sem uso de qualquer muleta...
Que, espero, possa-nos, reciprocamente, nos enriquecer ou derrubar antigos mitos coletivos, inconscientes e inconsistentes* tabus que acorrentam nossos tão bem arraigados* e guardados pensamentos ou pseudoconvicções* que têm por objetivo nos manter cegos, surdos ou mudos, ignorantes até, para a maravilhosa Viagem da Vida...
E, quiçá possa também ir quebrando alguns de nossos pré-conceitos que a própria cultura e civilização, bem como os nossos precários* registros históricos, tal como o que sempre nos impuseram e nos fizeram crer toldaram em nós a visão clara de um fantástico mundo e um incrível e luminoso destino que, por direito kármico e cósmico todos o temos reservado pela Vida, esse inato e natural DIREITO. O que, sabemos, nos inundará o Espírito de Felicidade mais perene* do que uma gota d’água, uma rocha, uma nuvem que passa, a relva, ou o azul do próprio céu...

Esse papo está muito complicado?
Será que estou conseguindo lhe passar Algo que gostaria de lhe dar?
Se estiver simples ou complexo, côncavo* ou convexo*, veja... não tem TANTA importância assim... O que acho legal é poder, COM VOCÊ, compartilhar algumas coisas. Aquele escritor inglês, o Oscar Wilde já dizia, também: “A vida é importante demais para ser levada a sério.” – Percebe? E isto, de forma alguma retira a seriedade serena da vida? Não é? Mas, se de tudo está muito complicado, não se preocupe,
Faremos “complicar” ainda mais um pouco...
Porque EU SEI que se você está me acompanhando até aqui, você, com certeza é alguém mesmo especial, sensível e diferenciado da média dos indivíduos que se contenta com muito pouco...Lembra do Mestre Jesus, quando disse: “Se podes ter uma broa inteira, por que se contentar com meia-broa?”

E, falando no Mestre do Amor e Sabedoria, acho de vital importância a sua declaração de algum tempo atrás: “Tudo o que faço, vós podereis fazer e mais ainda o fareis!”
Vamos ver. Isto, vindo do Mestre Jesus, nos transmite uma grande alegria, no sentido de que, se Alguém, com o elevadíssimo porte do Mestre dos Mestres, Cristo em Jesus, nos AFIRMA de que podemos, verdadeiramente, alcançar muito, mas muito mais do que sequer imaginamos, então a coisa deve ser muito boa, veraz* e muito séria. E não nos passa que TODOS temos o potencial, a capacidade e as condições para fazer o que Ele fez?

Será que o padre está totalmente errado? Ou totalmente certo?
Será que os DOGMAS religiosos podem nos levar a algum porto-seguro dentro de nós mesmos, e que a Fé não pode ser lealmente confrontada com a Razão?
E aqui vou extrapolar um pouquinho mais:
Será que efetivamente precisamos mesmo de alguma religião?
O que é religião*?
Acho que podemos ser profundamente religiosos, crísticos, búdicos, gautamas, sem a necessidade de ter ou irracionalmente e ferrenhamente* defender seja lá qual for o segmento religioso, portanto sectário*, separatista. Porque a torre de Babel está aí no mundo, formada para tantos, inclinada como a Torre de Pisa. Querendo cair. Porque também já sabemos que um dia, “haverá um só Rebanho e um só Pastor.”

Você gosta daquela linda música de John Lennon, “IMAGINE”?
Será ela uma mera UTOPIA?
Mas essa palavrinha, utopia, também pode significar algo que tem a possibilidade, a factualidade*, de vir a se concretizar!

E aqui começa a nossa viagem...
Reportando-nos ao pensamento inicial do Sr. Goethe.
E para viajarmos, nosso veículo será nosso Mental-Espiritual.
Seu combustível será a nossa VONTADE de conhecer.
Nossa rota será o imponderável*-possível.
E nosso destino...
Que tal O INFINITO?
Que tal o im>possível?
Que se lhe parece, então, irmos ao ABSURDO de nós mesmos?
Como alguém já disse, não é um belíssimo absurdo estarmos exatamente presentes no AQUI? Neste fantástico instante do AGORA?

Você sacou bem o que o Raul quis dizer com a expressão “maluco-beleza?”
- Também gostei.

Nossa ligeira viagem, agora decola de uma vez.


Viajar...
Deus meu!
Já não ESTAMOS viajando ha éons*, há milênios sem-fim, no espaço-tempo?
Se usarmos um precário programa de computador,
Sem esforço e sem dor...
Podemos ter uma idéia aproximada de quantos quilômetros já viajamos pelo espaço na órbita de nosso humilde, porém sincero
Planetinha que gentil e generosamente nos serve hoje de casa-escola,
Só no espaço de tempo que levamos para ler esta linha!

Nosso planetinha azul,
Que gira em torno do sol,
Como seus irmãos...
Nosso sisteminha solar também viaja,
Percorrendo várias estações,
Passando por todas as constelações do zodíaco astronômico e astrológico
Que segue viajando em espiral ascendente*,
Que segue, como todos os sistemas solares de nossa galáxia, viajando
Pelo espaço estelar...
E as galáxias, os quintilhões delas,
Para dizer ainda muito pouco,
Também estão viajando no incomensurável* e transitoriamente* impensável
Espaço cósmico e macrocósmico rumo ao Infinito
Apenas...
Do Universo Físico!
Os prótons e nêutrons também viajam, orbitando o átomo.
Que orbitam células, que viajam para os limites dos órgãos...
E assim vamos trocando todas as nossas células corporais a cada sete anos...
E assim, estamos sempre, renovando-nos.
E vamos prosseguindo nossa viagem pela vida,
Passando por ciclos e estações distintas e bem delineadas* pela Sabedoria Superior.

E que dizer de nossas cotidianas viagens
Todas os dias e noites,
Dormindo ou acordados,
Nos nossos sonhos?

Para onde vamos, então?
E será que esta nossa vida em vigília*,
Nossa própria existência,
Não pode ser um sonho, um sono também?
Afinal, QUANDO realmente, acordaremos?
O que significa ser um homem/mulher totalmente DESPERTO?

E as viagens que fazemos para os MUNDOS PARALELOS?
E quando visitamos o interior da Terra ou dos Mares?
E quando passeamos pelo Espaço?
E quando mergulhamos nos mais longínquos dos Tempos?
E quando damos uma voltinha lá no futuro?
E quando encontramos pelo caminho, incontáveis seres,
Nossos irmãos cósmicos, espaciais, extragaláticos, interplanetários,
Paradimensionais*?
Quando viajamos com as fadas, os gnomos, os devas* e os anjos?
Quando estamos dentro de um veloz avião,
Estamos sempre dentro de nós mesmos.
Estamos empreendendo múltiplas e simultâneas* viagens,
E, se podemos enxergar a metafísica* numa migalha de pão,
Do café-da-manhã,
Ou num chiqueiro de porcos,
Enxergaremos também, um novo Céu.
E poderemos também, vislumbrar e navegar, voar por horizontes,
“Nunca dantes navegados...”

Viajar...
Uma viagem do quarto para a cozinha.
Uma viagem sentimental.
Uma viagem estrutural e fenomênica dentro da própria Natureza.
Uma viagem empresarial.
Uma viagem acadêmica.
Uma viagem paterno-maternal.
Uma viagem filial.
Uma viagem infantil, outra adolescente, outra adulta, outra na maturidade maior...
Uma viagem amorosa.
Uma viagem, cultural.
Uma viagem filosófica,
Uma viagem espiritual.
Uma viagem virtuosa.
Uma viagem virtual.
Uma viagem mesmo ilusória.
Uma viagem transnacional.
Uma viagem transcontinental.
Uma viagem transdimensional.
Uma viagem, sensacional!
Uma viagem na maionese.
Uma viagem, real.
Uma viagem mega-metafísica.
Uma Viagem dentro de uma pluralidade de viagens menores...

GENTE!!!

Como não reconhecer,
A viagem,
O movimento constante de tudo.
A Imobilidade Suprema,
Onde tudo evolui, movendo-se em rítmica dança
Movendo-se na música,
No Pensamento,
Na cor,
No som,
Nos ritmos celestiais e também
Nos ritmos hominais*,
Animais, vegetais, minerais,
Terreais.


A eternidade pode ser sentida
Na sonoridade,
Das cordas de um violão?

Como é gostoso viajar no teu sorriso,
Dentro do brilho de teu olhar!
Viajar no perfume da flor,
E viajar sem sair do lugar!

Viajar sentindo o AMOR.
Viajar em todos os ritmos,
Viajar por todas as tribos humanas...

Embalados pela sístole* e pela diástole*,
Da Vida em nosso coração,
No coração de nossa Alma,
Viajando pelo coração do Universo,
Viajando no verso
Da harmonia,
Que está,
Como eu,
Como você,
Aqui, bem aqui,
Mas, veja: também em TODO lugar!
Porque, até dentro do caos* sobrexiste uma ordem, implícita*...
Auto-reguladora, uma base de sustentação
De uma dada condição, necessária para o funcionamento de um todo orgânico,
Um todo cósmico!


Como Filhos de DEUS e da LUZ ETERNA,
Também somos deuses e portanto, imortais!
Herdeiros,
Dos oni-atributos*
Do PAI/MÃE
Do FILHO
Do ESPÍRITO-SANTO
De DEUS
Em nós!
E portanto...
Estamos todo o tempo,
Viajando na Consciência
Da Suprema Inteligência,
Que nos criou
À Sua Sagrada Imagem!
Na viagem
Que está nos conduzindo,
Para o infinito exterior a nós mesmos...
Para o infinito interior de nós mesmos...
Que É uma Coisa Só
E que portanto,
Viajamos,
Estagiando pelas infindáveis Moradas da Casa Paterna,
Aprendendo sempre...

InfinitaMENTE.
InvariavelMENTE.
SensivelMENTE...

Não é pois o nosso incrível veículo, nosso MENTAL, m a r a v i l h o s o ?

Viajando por todos os séculos dos séculos
Dentro da Grande Autorização
Do AMÉM
Que para todos nós,
Está destinado desde todos os princípios,
Até o escoar de todos os tempos...

Viajar no conhecimento da história da humanidade, (Viva o Sr. Goethe!)
Na evolução do pensamento humano, (Viva o Sr. Sócrates!)
Não só de três milênios atrás...
Saber do oriente e do ocidente,
É saber do AGORA.
E assim poder estagiar em mais uma viagem para o futuro,
Porque, destarte* todos os limites humanos
E dos universos sem-fins,

Não há limites que não possam ser sabiamente ultrapassados,
Não há nada que o Homem não possa realizar,
Não há pecado em conhecer (Viva o Sr. Platão!)
E efetivamente, saber
Que todos os mistérios
Foram criados
Para que os possamos apreender*, compreender – e transcender*.
E que todas as fronteiras do Conhecimento,
Devem ser diligentemente superadas, transcendidas.
E que o Homem deve buscar sua própria Liberdade,
Passando por todas as portas,
Empregando todas as chaves,
Destrancando-se do
Que eventualmente se lhe possa acorrentar.



Viajando nas asas
Do Amor e da Sabedoria, (Viva o Mestre Jesus!)
Que nosso Único Deus,
Nos vai provendo,
Para viajando e vendo,
E praticando a Fraternidade,
Alcançarmos sabedoria.
Como Salomão.
E por muitas, muitas vezes,
Como o peixe salmão,
Lutando contra corredeiras,
Subindo o rio,
Contra tudo ou contra todos,
Mas com uma Meta indomável*
Mas como guerreiros impecáveis. (Viva o Sr. Carlos Castaneda!)

Sendo todo-integrais, (Viva a filosofia ZEN!)
Sendo todo-coerentes,
Com nosso superior ideal,
Ultrapassamos mesmo todas as barreiras,
Que as grandes besteiras,
Que a falsa moral,
Que a invasiva
E televisiva
Mídia
Citando um único exemplo,
Paralisa homens incautos,
Assim como aqueles que ainda se comprazem com o mal.

Nas nossas viagens...
Muitas, muitas vezes desembarcamos por um generoso útero,
E viajamos bem rápido para além do fúnebre caixão
Para mais uma estação, um Estágio.
Para mais uma comunhão.
Para mais um degrau.
Para que em nós destronemos com o perene Bem,
Todas as trevas.
Sim, porque, também temos que passar por becos escuros,
Porque com nossa nave
Espacial, Mental e Espiritual,
Já cometemos todos os erros,
Que se transmutaram em novos acertos
Que serviram de pontes,
Para atravessarmos pântanos fétidos,
E alcançarmos o roseiral.

E, em nossa viagem, meninos,
Quando pudermos matar todas as mortes,
Renascer para além de todos os nascimentos,
Ver com indiferença igual,
Triunfos e derrotas,
Redirecionaremos nossa nave,
Para superiores Rotas.

E será quando conscientemente,
Viajaremos
Para além dos limites
Do espaço-tempo,
Quando conquistarmos a Humildade,
Viajaremos na Verdadeira Luz,
Como o Mestre do Amor,
O Senhor Jesus,
E Seus Irmãos, nossos Irmãos Maiores.

E sendo perfeitos como Ele,
Poderemos também servir como Avatares, como Messias
Auxiliando nossos irmãos menores,
No respeito total e supremo,
Por cada folha de planta,
Por cada ser humano,
Por cada animal,
Por cada mineral,
No respeito incondicional e sublime,
Por todas as formas de vida....

E aí...
Poderemos compreender:
Que só o AMOR constrói, mantém, produz e reproduz!
Cria o positivo, destrói o negativo.
Faz nascer em todos nós, o NOVO, a Alegria!
Que só existe VIDA, em tudo.
Que a Terra É um Ser vivo,
Como o Sol,
Como os átomos,
Como as galáxias!

BIO-COSMOS!
Como os rios,
Como as estrelas, Grandes Seres em corpos estelares,
Cumprindo superiores propósitos.
E que em tudo existe Consciência,
E que toda nossa eternidade,
Bem como toda a manifestação da Natureza infinda,
Reside numa Única Idéia,
A Idéia Suprema, Primordial*
Que é a Idéia de DEUS.


E que um dia saberemos,
Porque as abelhas produzem mel,
De onde vieram,
O que significa, “instinto”
Porque a borboleta tem asas coloridas,
Porque um cão é fiel
Porque nossas lágrimas nos ensinam,
O que é e como utilizar a INTUIÇAO!...
Porque tudo passa
Porque só a eternidade em nós permanece,
Como Almas Imortais,
Porque eu te amo
Porque a meu Deus, clamo.
E porque tudo em Mim é Gratidão,
E que não me importo só com o pão,
Precisamos também do espiritual alimento
Para seguir um Estrada
Ou Uma Viagem
Que não tem fim.

Como uma partícula, um pedaço
Resido no Imarcescível* Regaço e na Suprema Mente e Coração
De Deus...
E assim como uma diminuta parte,
Sei que contenho o todo
Em holográfica* visão
Que agora,
Permeia nosso abençoado alimento,
Permeando cada pensamento,
Dando-nos o entendimento
De um memento*
Que as portas do coração
Não mais diferencia,
Cada Ser, cada irmão.
Porque DEUS É em tudo
Em Ele mora dentro de Mim,
Ele está em Ti e
Em todas as coisas.
Sua Imanência* e Transcendência*
Se olharmos para além das aparências sensíveis,
está
Numa gota de chuva,
Ou na intenção
De um temporal.

Os átomos dos mastodontes,
O leite que amamenta,
Todas as raças
Em verdade, em verdade, Te digo,
Sou Eu.
Eu sou você.
E todos nós somos UM SÓ.
E TUDO É UMA COISA SÓ.
E nada está absolutamente,
Desconectado,
De nada.

Viajando sempre, UM DIA chegaremos
No nosso Destino Final.
E nesse momento,
Não mais necessitaremos viajar.
Nossa viagem será Outra!
Sabe por que?
Porque aí...
Já nos encontraremos
Como aliás, já estamos sem o saber,
Já estaremos
Em todo tempo e lugar.

Porque viajamos por todos os destinos,
E finalMENTE lançaremos nossa âncora,
No Porto mais que seguro,
Que reside em nosso Âmago,
Que é DEUS
Que está em DEUS
Que vive agora e para sempre
Em DEUS.


Aqui aporemos um FIM em nossa viagem desse imortal instante,
Consoante* sempre ao Princípio,
Que não existe começo nem fim.


FIM: Fase Inicial de Mudanças.


Meu amigo!
Agora, que tal estacionarmos nossa Nave,
Por alguns momentos
E corrermos a fazer a nossa lição de casa?

Obrigado, irmã (ão).
Muito grato pela companhia.
Se você veio até aqui,
Mais uma vez,
Desejando-te uma VIDA FELIZ,
Aceite meus mais sinceros
E renovados,
PARABÉNS!


Ivanildo Falcão da Gama – Caldas Novas (GO), segunda-feira, 17 de novembro de 2003