Criei este Blog para minha Mãe Cigana Rainha do Oriente, sendo uma forma de homenageá-la, bem como postar assuntos atuais e de caráter edificante, lindas mensagens, poesias de luz, também aqui brindemos á amizade verdadeira e elevemos o principal em nós ou seja a essência Divina, Deus e a Espiritualidade em geral.

sábado, 20 de junho de 2015

FASE QUÂNTICA: TEMPO,REALIDADES PARALELAS E O CÉREBRO



A Teoria dos “Muitos Mundos”

O eminente físico e co-fundador da teoria das cordas, Michio Kaku, disse:
“Se você tem um rádio em sua sala… Você tem todas as frequências em sua sala: BBC, Radio de Moscou, ABC, mas quando o rádio está sintonizado em uma frequência, você está descoerente (desconectado) de todas as outras frequências. Você só está coerente da fase, onda, amplitude, alinhamento, na forma exata ou em proporções de números inteiros com uma frequência. Agora acreditamos que o Universo está vibrando e que também existem vibrações de outros Universos nesta sala. Existe o Universo dos dinossauros em que eles não foram extintos há 65 milhões de anos, há uma função de onda de alienígenas no espaço olhando para os destroços de uma Terra que já foi destruída, tudo em sua sala, exceto que estamos descoerentes delas. Não estamos mais em sintonia com elas isto é, nós não vibramos com elas… Provavelmente existem outros Universos paralelos em sua sala e acredite ou não isso é chamado de física moderna… Se acostume com isto. Esta é a interpretação moderna da física quântica, em que muitos mundos representam a realidade”. [1]


Há não muito tempo atrás, qualquer um que publicasse tais informações teria sido descartado por muitos como “Nova Era-y”, “esquisito”, e assim por diante, mas atualmente não é viável a utilização de tais racionalizações convenientes com físicos da credibilidade de Kaku que falam como um poder clarividente ou místico. Na verdade, informações idênticas foram apresentadas por teosofistas há mais de um século atrás na descrição do plano astral, que interpenetra o plano físico sem os habitantes de qualquer reino estar ciente um do outro, “cujos sentidos são normalmente capaz de responder às ondulações do seu mundo único”. [2]

Intuitivos têm utilizado os termos vibração e frequência para descrever o que veem e sentem, mas só agora é que está se tornando bastante evidente o termo que eles criaram, na verdade, isto aconteceu antes mesmo do advento da física quântica. Este é o dialeto da física moderna, não da velha física que descrevia como “morto”, um mundo sem sentido, a inércia da matéria “sólida”, apenas com espaço vazio no meio, que apresentava a consciência meramente como um epifenômeno. O cibernético David Foster escreveu uma carta a Colin Wilson descrevendo que o Universo é uma estrutura de ondas e vibrações, o conteúdo interno é o “significado”, do homem ser um micro-sistema da mesma natureza vibratória essencial dentro do sistema de onda universal significativa. Ele passou a acrescentar que a mente é um aparelho de rádio que pode “sintonizar” milhares de diferentes vibrações no éter. [3]

Tal “sintonização” produz o que nós chamamos miopemente de Percepção Extra Sensorial (PES). Pense nisso desta maneira: duas pessoas com a mesma fase quântica tem uma diferença de fase zero são, portanto, completamente reais uma para a outra. Para ser capaz de apertar as mãos ou interagir solidamente temos de ter a mesma fase quântica, o mesmo “fator de fase, dependente do tempo”, o que significa que compartilhamos o mesmo momento no tempo. Se as nossas fases quânticas são alteradas uma em relação à outra, a interação será menos tangível, [4] Um de nós pode perceber o outro como sendo um “fantasma”. A interação pode parecer ser “paranormal”, essa é a ideia.

No modelo de Bearden, “a única diferença entre duas entidades nos vários mundos é uma questão de rotação ortogonal”, rotação em ângulo reto com a estrutura de referência/realidade originária. Uma ortorotação de distância, o primeiro “hiperespaço” neste esquema é o campo eletromagnético. Outra rotação de 90 graus de distância é o hiperespaço ocupado pelas ondas de Broglie. Em seguida, mais uma rotação de distância é um mundo puramente mental/virtual no qual objetos 3D seriam pontos para nós aqui, se visto do nosso referencial. De acordo com Bearden qualquer hiperespaço, além disso, está sempre apenas três voltas de rotação de distância do nosso quadro. Fenômenos físicos nestes quadros são fenômenos mentais com relação ao nosso, mas eles ainda são muito reais, [5] Isso efetivamente torna o conteúdo de todos os mundos paralelos aspectos do nosso inconsciente coletivo, parte da nossa própria psique.

Curiosamente Rick Strassman, psiquiatra e pesquisador em dimetiltriptamina (DMT), na sequência da sua investigação sobre os efeitos da DMT na consciência humana e as experiências anômalas que produziu em cobaias, especulou que Universos paralelos podem ser familiares para nós, mesmo os organismos e tecnologias aí desenvolvidas ao longo de linhas drasticamente diferentes. Ele acredita que as formas de répteis, seres semelhantes a insetos e irreconhecíveis imbuídos de inteligência não deve ser inesperado, nem de formas altamente avançadas de tecnologia. Todos os quais foram relatados por suas cobaias DMT. [6]

Mantendo tudo isto em sua mente, podemos constatar nestes fatos bizarros que há casos documentados em que as pessoas têm inexplicavelmente encontrado, testemunhado ou até mesmo participado de uma cena em uma realidade “paralela”, às vezes o que elas percebem como no “passado”.

Por exemplo, em 10 de agosto de 1901, duas professoras da Oxford, Anne Moberly a diretora do Colégio de St. Hugh, e Eleanor Jourdain a vice-diretora, ficaram vagando perdidas no jardim do Petit Trianon em Versalhes quando foram ambas tomadas por sentimentos repentinos de melancolia, depressão e desconforto, embora elas não dissessem nada disto uma a outra no momento. De repente o cenário parecia de alguma forma anormal, sem vida, irreal. Dois homens em “longos casacos cinza-verdes com pequenos chapéus de três pontas” apareceram e deram informações as mulheres sobre o Petit Trianon. Elas caminharam passando por uma casa de campo isolada, onde uma mulher e uma menina de 12 ou 13 anos de idade, estavam de pé na porta, ambas vestindo lenços brancos presos sob seus corpetes. Jourdain escreveria mais tarde que “ambas pareciam fazer uma pausa por um instante, como em um filme”.

As duas continuaram em seu caminho e logo alcançaram um quiosque que tinha no meio um gabinete. Um homem de aparência sinistra estava sentado do lado de fora do quiosque com o rosto desfigurado pela varíola, vestindo uma capa preta ao redor de seus ombros e um chapéu desabado, vestimenta estranha para o período e as condições meteorológicas. Ele se virou para olhar na sua direção parecendo olhar através delas, não respondendo à sua presença. Foi o suficiente para fazê-las se sentirem extremamente desconfortáveis, as duas professoras caminharam em silêncio até chegarem a uma pequena casa de campo com um terraço. Uma senhora estava sentada com visão total do gramado de costas para a casa, embora curiosamente, apenas uma das duas viu apesar de ambas estarem intensamente à procura de alguém para pedir informações. A mulher estava estranhamente vestida para o período com um vestido de verão, um longo corpete e uma saia bem cheia mas curta, segurava uma grande folha de papel ou papelão na mão e parecia estar trabalhando em um desenho. Ela tinha um fichú verde pálido ou lenço envolto ao redor de seus ombros e um grande chapéu branco cobrindo o cabelo louro. Como Moberly e Jourdain continuaram, um homem jovem, de novo estranhamente vestido, correu até elas e rapidamente ofereceu-lhes indicações para o Petit Trianon, que elas finalmente localizaram e entraram, encontrando-se no meio de uma festa de casamento em que os participantes estavam vestidos com os trajes de 1901, o seu tempo.

Em viagens subsequentes para os jardins Petit Trianon as mulheres descobriram para sua perplexidade, que o caminho que elas tinha andado em sua visita anterior estava bloqueado por uma parede de pedra velha e estava assim há muito tempo. No geral, a distribuição e dimensões dos terrenos e edifícios estava completamente e inexplicavelmente diferentes. O quiosque onde o homem desfigurado sentou-se, por exemplo, não estava mais lá.

Em casa na Inglaterra pesquisando nos registros históricos, as mulheres concluíram que talvez tivessem sido transportadas para a época da prisão da rainha Maria Antonieta no dia (10 de agosto de 1792) em que a demissão do Tuileries e o massacre dos guardas suíços tinha ocorrido, o que representou a forma agitada das pessoas no jardim e a sensação geral de tristeza opressiva, a mulher sentada no jardim não era outar senão a própria rainha. Moberly depois se deparou com uma foto de Maria Antonieta desenhada pelo artista Wertmüller e foi capaz de identificá-la como a mesma mulher desenhando que tinha visto perto do Petit Trianon, até mesmo as roupas eram as mesmas. O homem de aparência “má”, cheio de marcas que estava próximo ao quiosque, pelos registros identificaram ser o traidor da Rainha, conde de Vaudreuil. [7]

As descrições de Moberly e Jourdain da distribuição dos jardins e as dependências ficaram perdidas no tempo, desconhecidas pelos historiadores de Versalhes, mas foram posteriormente verificadas por meticulosa pesquisa e análise dos registros obscuros da corte de Louis XVI, incluindo os salários pagos aos jardineiros e carpinteiros para projetos específicos. [8]

Os teóricos da teoria das cordas e cibernéticos se alegram. Provavelmente o elemento mais convincente deste relatório em particular é que as pessoas da cena/período se aproximaram das duas mulheres e se dirigiram a elas especificamente, demonstrando que elas não eram apenas espectadoras invisíveis, mas tudo era muito real e perceptível. Assim, as mulheres tinham sido essencialmente transportadas de volta no tempo, elas não estavam apenas assistindo uma cena como observadoras externas, elas estavam lá no “passado”. Em um artigo de 1957 sobre como o foco de nossa consciência cria a nossa realidade, Hugh Everett descreveu “simplesmente alguns momentos no tempo tornam possível saltar de uma realidade para outra, criando uma ponte quântica entre duas possibilidades já existentes”. Foi perguntado se ele tinha a intenção de incluir tais possibilidades como esta deformação de tempo. Everett chamou essas janelas de oportunidades de “pontos de escolha”. [9] Ele estava evidentemente, muito consciente da natureza pluralista da “realidade”.

Eventos como o de Moberly e Jourdain são familiares, mesmo para os espectadores remotos dos projetos secretos e escuros do governo. Como vimos e veremos mais adiante, na física quântica passado, presente e futuro não são claramente distinguíveis um do outro e a investigação está em curso sobre os efeitos que o futuro tem no presente (sim, você leu corretamente). Em suma, passado, presente e futuro, todos eles existem no AGORA. Nas palavras do físico e expoente da teoria das cordas Brian Greene, “Se você teve um grande momento no bater da meia-noite na véspera do ano novo de 1999, você ainda está tendo”. (Voltaremos a este comentário novamente em breve.)

Do ponto de vista de “muitos mundos”, não há nada particularmente incomum sobre este evento. O ocultista pode sugerir que as mulheres tinham essencialmente pisado em um registro Akáshico do passado. Assim, foram estas duas mulheres do século 20 realmente para 1792 ? Do ponto de vista da interpretação de muitos mundos, em pelo menos uma versão, elas foram (e ainda estão) talvez em algum lugar, na “realidade paralela” existe um registro em algum tempo deste esfarrapado velho diário das duas que partiram, da alma que “estava estranhamente vestida”, das mulheres que pareciam estar fora do lugar no jardim do Petit Trianon naquele dia, assim como todos se movimentando apressadamente. Não existe um “período de tempo separado”, mas simplesmente uma realidade hiperdimensional maior que envolve todos os tempos. Se pudéssemos entrar em um hiper-quadro veríamos todos os instantes ao longo da história congelados no tempo, poderíamos escolher um diferente para entrar e ter uma experiência.

Artigo Relacionado: Viajantes do Tempo Existem

Novikov aplicou o “princípio de ação mínima” para a viagem no tempo e no que Strieber se refere como uma “façanha brilhante de matemática” mostrou que os únicos movimentos através do tempo que satisfazem este princípio devem ser aqueles em que o paradoxo do avô não pode se aplicar: “a viagem no tempo nunca vai causar uma situação em que um desses paradoxos pode ocorrer. “[10] Se fôssemos acessar um fluxo de partículas se movendo mais rápido do que a luz, poderíamos teoricamente viajar no tempo. Como a teoria da relatividade de Einstein mostrou quanto mais rápido algo se move, mais lento o seu tempo subjetivo passa, se fosse quebrar o limiar de velocidade da luz, seria então possível viajar para trás no tempo (o tempo seria “reverso”). Ao autor Whitley Strieber foi perguntado em 1997, se a mente de alguma forma poderia permitir viajar no tempo. [11] Strieber teve suas próprias experiências semelhantes a Versalhes, então ele já sabia a resposta. É uma investigação apoiada pelo governo “sim”. Validou esta noção, como veremos.

O prêmio Nobel Frank Wilczek disse: “nós somos assombrados pela consciência de que um número infinito de cópias ligeiramente variantes de nós mesmos estão vivendo suas vidas paralelas e que a cada momento mais duplicatas vem à existência assumindo nossos muitos futuros alternativos”. [12] Max Tegmark do MIT expressou uma visão praticamente idêntica. [13]

Kaku mencionou em sua descrição da realidade algo chamado de descoerência, uma teoria afirmando que apesar de todos estes Universos paralelos infinitos serem possibilidades, função de onda do nosso Universo, estamos descoerentes deles, já não vibramos em uníssono/em fase com eles. E, por conseguinte, não interagimos com eles. O resultado é que, embora possamos coexistir simultaneamente com uma função de onda de habitantes de outros Universos, não estamos mais “em sintonia” com eles. [14] O prêmio Nobel Steve Weinberg também usou a analogia da estação de rádio na sala para descrever nossa situação. [15] Esta é uma analogia muito apropriada para a realidade em que nos encontramos. A interpretação de descoerência da mecânica quântica leva para vários Universos/muitos mundos e evita a postulação de um colapso da função de onda. Por enquanto notamos que esses mundos paralelos postulados pela interpretação de muitos mundos da mecânica quântica, ou “Universos” descoerentes realmente podem, em raras circunstâncias, transbordar para este mundo, por assim dizer.

©Brendan D. Murphy

Origem: wakeup-world

Referências:

[1] www.youtube.com/watch?v=rVWWQKU_-G0
[2] Leadbeater, A Textbook of Theosophy.
[3] See Wilson, The Occult, 700–1.
[4] Montalk, Astral Physics and Timespace. See also .
[5] Bearden, Excalibur, 194–5.
[6] Strassman, DMT, 318.
[7] Moberly & Jourdain, An Adventure.
[8] See Waite, The Mystic Sciences, Ch. 1.
[9] Braden, Fractal Time, 188.
[10] Strieber, The Secret School, 47.
[11] Strieber, The Secret School, 48.
[12] Kaku, Physics of the Impossible, 244.
[13] Jones, 121.
[14] Kaku, Physics of the Impossible, 244.
[15] Kaku, Physics of the Impossible, 244–5.

Tradução e Divulgação: A Luz é Invencível