Criei este Blog para minha Mãe Cigana Rainha do Oriente, sendo uma forma de homenageá-la, bem como postar assuntos atuais e de caráter edificante, lindas mensagens, poesias de luz, também aqui brindemos á amizade verdadeira e elevemos o principal em nós ou seja a essência Divina, Deus e a Espiritualidade em geral.

domingo, 7 de junho de 2015

COMO A QUEDA DE ATLÂNTIDA MUDOU NOSSA REALIDADE-PARTE FINAL




Falar da Atlântida nesta série de posts, é como descrever a Criação Divina através da limitada linguagem humana. Sua cultura era muito avançada, sendo que em muitos pontos ultrapassava os povos atuais com facilidade. As nações, na realidade, são apenas berços para a reencarnação de grupos espirituais e na Atlântida reencarnavam, há séculos, somente espíritos com graduação semelhante ao estágio que a humanidade atual irá atingir a partir do segundo século do terceiro milênio.O grande fator de diferenciação do povo atlante em relação à humanidade atual era a sua visão liberta de paradigmas. Os atlantes enxergavam o plano invisível e não eram escravos do materialismo como os povos atuais, motivo pelo qual os habitantes da ilha de Posseidon desenvolveram de forma admirável as faculdades paranormais, o que permitia-lhes uma ligação direta com outras realidades dimensionais como, por exemplo, com a do mundo dos espíritos — a Pátria Maior. Essa visão abrangente permitiu ao povo atlante desenvolver uma tecnologia energética que ficou conhecida pelo nome de “Vrill”. Essa energia era desencadeada através dos elementos invisíveis da natureza e permitia um grande avanço nos meios de produção, proporcionando ao povo conforto e um elevado padrão de vida.
COMO FUNCIONAVA A ENERGIA VRILL ATLANTE


Uma de suas formas mais comuns de manifestação era através da “in­versão do eixo gravi­tacional” de elemen­tos materiais. A partir de uma indução energética era possível erguer pesados blocos de rocha como se fossem monólitos de algodão, tecnologia que permitia a construção de grandes edifícios sem a utilização de máquinas pesadas. Era necessário apenas conduzir as pedras colossais aos locais apropriados depois de serem lapidadas através de avançada tecnologia.Os primeiros egípcios, que ainda dominavam parcialmente o “Vrill”, construíram as pirâmides e a esfinge de Gizé utilizando-se dessa tecnologia. Somente o “Vrill”poderia erguer monólitos com duas toneladas de peso sem a utilização de roldanas e guindastes.Outros povos descendentes dos atlantes, como os habitantes da ilha de Páscoa e os Sumérios, também utilizaram-se dessa energia para erguer suas fantásticas construções e seus monumentos.O povo egípcio, os maias, os astecas e outros povos da Antiguidade receberam a influência direta dos atlantes após a submersão da “Gran­de Ilha”. Diversas embarcações abandonaram a Atlântida antes do Grande Juízo Final, levando a bordo habitantes que foram viver em outras terras e caldearam sua cultura à dos povos primitivos do resto do globo( VER POSTS ANTERIORES DA SÉRIE).

Esse fato proporcionou um grande impulso para o desenvolvimento tecnológico, que até hoje impressiona os historiadores. Os egípcios são um grande exemplo. Até a quinta dinastia, eles possuíam um avanço considerável. Ao contrário da ordem natural da evolução dos povos, eles nasceram “gran­des” para depois entrarem em franca decadência. Inclusive os primeiros egípcios eram monoteístas e com o passar dos séculos declinaram à crença em vários deuses. Notamos aí o perfil dos capelinos que promoveram a crença pagã entres os gregos, os egípcios e, posteriormente, os romanos. Outro exemplo da presença atlante no resto do mundo é a construção de pirâmides por quase todos os povos antigos do planeta. No Egito, tivemos as mais impressionantes demonstrações dessa cultura. A Atlântida era um continente repleto desses “catalisadores energéticos”que eram construídos com as mais belas pedras, desde o granito até o basalto negro. Na capital, Posseidon, existia a “Grande Pirâmide” que possuía um tamanho quatro vezes maior que a pirâmide de Kéops, no Egito, e era composta de blocos de cristal branco, que posteriormente foram fusionados, tornando-se uma única peça. Essa grande pirâmide, hoje submersa nas profundezas do oceano, está localizada exatamente na região conhecida como “Triângulo das Bermudas”(quinta parte da série), gerando uma espécie de energia magneto- espiritual que desencadeia os fenômenos já conhecidos e a rotineira alteração da leitura dos instrumentos de navegação. Os atlantes dominavam também a tecnologia da informação através de cristais de quartzo manipulados pela energia “Vrill”.


EXPLICANDO A ENERGIA VRILL

A quantidade disponível de energia Vrill contida em um miligrama de cristal é incomensurável, por isto não se pode conceber a razão pela qual a ciência atual não tenha tentado o estabelecimento dessa fonte energética.Na realidade, a humanidade não necessita de tamanho volume de energia quanto a que um ínfimo fragmento de cristal pode conter e liberar. Por maior que seja um trabalho ao nível da terra, a energia Vrill liberada diretamente é excessiva. Sómente em se tratando de mobilizar sistemas estelares, modificar o posicionamento de sistemas planetários e coisas desse porte, é que seria preciso tamanho manancial de energia, mas isto ainda não cabe ao homem fazê-lo. Sendo assim, o Vrill deve ser mantido longe do uso da humanidade ainda em sua maioria egocêntrica e irresponsável. De certa forma poderíamos dizer que isto faz parte das ciências dos “deuses”. Por maior que seja o dispêndio de energia, por maior que seja o consumo de energia no planeta, agora e no próximo milênio, de forma alguma é preciso fazer uso da liberação do Vrill represado em determinados cristais.

Por maior que seja a necessidade de energia que a terra venha precisar no próximo milênio evidentemente os cristais serão a base, porém, não por desagregação ao nível de Vrill e sim, por captação.Há outros meios de permutar a energia a partir de níveis que são chamados de hiper-físicos. Há outros planos, além deste plano físico existente dentro de lacunas de faixas de vibração.São de tais mundos que é possível transferir energia e também de mundos de outras dimensões. Até no fenômeno parapsicológico denominado de “Poltergeist” a energia é trazida por sintonia mental de um outro plano para o ambiente físico.

Na realidade, existe um incomensurável manancial de energia no universo. Os antigos chamam de energia cósmica, mas na essência trata-se da energia Vrill que a tudo permeia. É possível capturá-la e canalizá-la de forma perene e suave e isto pode ser feito a partir de dispositivo à base de cristais.A energia Vrill inunda tudo quanto há e os cristais dão a possibilidade de canalização, de mobilização desta energia para um ponto a outro tal como, por analogia, podemos dizer ser semelhante ao que acontece com relação à energia Chi que, por alguns processos especiais como a acupuntura, pode ser intensificada, diminuída, desviada ou mesmo acumulada.

Não tentemos liberar o Vrill contido na matéria, especialmente nos cristais, pois a desproporção é tremenda; uma mínima quantidade de matéria encerra uma carga de Vrill de tão ampla magnitude que nenhuma força, nenhuma tecnologia existente ,é capaz de controlá-la. Querer liberar o Vrill existente numa fração de matéria é como querer tirar a carga de um imenso e inconcebível acumulador de energia de uma só vez, quando na realidade pode-se retirá-la progressivamente de conformidade com as necessidades usuais na Terra. Mas, em se tratando do Vrill não é absolutamente preciso, o homem graças aos cristais pode canalizar o quanto necessitar de energia, de forma suave á partir não sómente do Vrill livre ,mas também de outras naturezas existente no meio ambiente e dos mundos hiper-físicos que nos permeiam.

O Vrill é um nível de energia, por assim dizer, reservado às grandes transformações siderais, cósmicas, e não restrito á um simples planeta. Querer usar o Vrill na Terra é como querer, por exemplo, aquecer uma xícara de água através da explosão de uma bomba de hidrogênio. Ele destina-se, pois, aos imensos processos construtivos e transformadores dos incomensuráveis sistemas siderais que requerem um volume inconcebível de energia. Os atlantes sabiam como usar os cristais afim de canalizarem o quanto de energia precisavam para suas atividades habituais. Tinham uma fonte perene e inesgotável de energia; de forma alguma eles careciam de mais energia para o consumo comum. Por isto é que alguns estudiosos dizem que, ao tentarem a liberação do Vrill contido na matéria, eles sentiam-se ameaçados de que tal ameaça poderia destruir toda uma civilização.

Existiram dois planetas que foram destruídos por essa energia, tratando-se do planeta Erg e Morg que haviam existido entre Marte e Júpiter, e cujos fragmentos formaram um anel de asteroides, que ainda hoje gravitam em orbita entre Júpiter e Marte, sem contar um volume ainda maior de destroços que se abateram sobre os demais corpos constitutivos do Sistema Solar formando milhões de crateras.A destruição do mencionado planeta teria sido uma ocorrência bem anterior à destruição da Atlântida, sendo fruto de uma guerra entre essas duas raças.Na verdade, sabemos que nem tudo o que diz respeito à história da humanidade por milhões de anos não tem sido revelada. Podemos dizer que há registro de tudo o que até hoje aconteceu, mas que sómente uma mínima parte tem sido dado ao homem saber, uma outra parte um tanto maior tem sido levada ao conhecimento dos despertos e seres espirituais encarnados propositalmente. Mas, mesmo os referidos conhecimentos são como um iceberg em que sómente uma parte mínima torna-se visível.


A IMPORTÂNCIA DOS CRISTAIS NA MANIFESTAÇÃO DA ENERGIA VRIL

Na realidade os cristais têm imensa importância nas transferências de energia, o raio laser é um exemplo disso. No passado existiu uma tecnologia que permitia ao homem captar energia dos mundos hiper-físicos através dos cristais, ou melhor, de dispositivos à base de cristais. A energia usada na construção das pirâmides e de todos as obras megalíticas, foram usadas energias de cristais. Era liberação por sintonia, por captação controlada e não por meio de uma explosão com liberação do acumulo de Vrill. A energia veiculada não representava desagregação da matéria para liberação de Vrill e sim como sintonizadores, como antenas captadores. Os obeliscos, e as pirâmides tinham essa finalidade, mas não são sómente eles, existiam outros dispositivos com a mesma finalidade. Mas, somente os iniciados nas Escolas Iniciáticas tinham acesso a isso , em consequência do que já havia ocorrido tantas vezes. O poder dado e colocado em mãos impróprias pode se tornar algo devastador.

Como sintonizador de energia cósmica, os cristais atuavam de uma forma similar à esta como eles são usados atualmente nos sistemas de comunicação. Os cristais atuam nos receptores como instrumentos de sintonia de ondas e nisto se baseia o rádio, a televisão, o radar, etc. Mas a ciência atual ainda não redescobriu(?) meios de utilizar além do simples nível de sintonia de energia no nível do mundo físico. Na verdade, eles podem estabelecer a sintonia entre físico e os mundos hiper-físicos . Isto era uma das funções das pirâmides, trazer energia de uma outra “dimensão” para esta. Na verdade, sómente há algumas décadas foi que o homem redescobriu o poder inerente às formas geométricas, especialmente à piramidal, e isto foi usados pelos descendentes dos atlantes, mediante o uso de obeliscos e pirâmides;A captação de energia por sintonia através de cristais com formas geométricas, não envolve grandes perigos. Mesmo que o uso inadequado de pirâmides e de obeliscos possa levar à algum tipo de perigo, mesmo assim, jamais ele será de forma tão catastrófica quanto a liberação da energia Vrill contida num cristal.


A ENERGIA VRIL ,NAZISMO E O SOL NEGRO
Vrill é a suposta energia ou magia à qual a Sociedade Thule ocultista ansiava alcançar.O nome é o mesmo da energia cristalina dos atlantes, mas o sentido empregado e a origem da energia, é outra. O mais notório membro desta seita terá sido Adolf Hitler.A energia Vrill era eminentemente telúrica, oferecendo capacidades aos seus seguidores; a capacidade de curar ou ferir pessoas, levantar objetos e por fim a elevação dos próprios para outra dimensão de nível superior.Esta energia Vrill era alcançada através da meditação, orgias sexuais, e até sacrifício de crianças. Consideravam-se Seres superiores capazes de feitos inimagináveis e tudo acontecia em subterrâneos.

Quando os Nazistas se aperceberam deste suposto poder, apoderaram-se do conceito da seita e exuberaram com as suas práticas. Eckhart tinha um poder hipnótico conhecido por alma negra, Cofundador do partido Nazista facilmente chamou a si Adolf Hitler. Todas as altas patentes do partido nazista eram membros da Sociedade Vrill. A Ariosofia servir-se-ia da energia Vrill a qual os faria voar até o infinito e tornarem-se deuses, o que facilitaria ou garantiria o sucesso em alcançar o poder absoluto e metafísico para governar o mundo. Chegaram a medir os crânios dos Tibetanos, convencidos que eles eram os ancestrais dos Arianos.Hitler era fascinado pelo oculto e investiu parte dos seus recursos em investigar lendas e artefatos místicos. Entre eles estava o domínio da energia Vrill. Dizem que Hitler conseguiu encontrar a entrada para Shambhalla, no Tibet e que aprendeu como dominar a energia. Devido a isso, teria escapado praticamente ileso de 42 tentativas de assassinato, inclusive do atentado de 20 de julho de 1944, onde uma bomba explodiu à menos de 2 metros da sua posição. Hitler saiu ileso do atentado. Apesar disso, segundo a História oficial, Hitler se suicidou em 1945, embora nenhuma prova concreta foi apresentada.


BLAVATSKY E A ENERGIA VRILL



Informações sobre a energia Vrill começaram a se popularizar nos anos de 1870, devido aos estudos ocultistas que eram a febre na época, principalmente, na Rússia. Tanto que neste período surgiu a Teosofia, pelas mãos de Helena Blavatsky, que realizou pesquisas sobre esta poderosa energia atlante que, posteriormente, manteve-se relativamente viva entre os monges tibetanos. Chamamos de relativamente viva, porque estes monges não realizavam um centésimo do que os sacerdotes do Vrill da Atlântida realizavam. Por este motivo, Adolf Hitler enviou emissários ao Tibete, durante a segunda guerra mundial, para tentar obter informações sobre como dominar o poderoso Vrill e assim ganhar a guerra.Claro que algo tão fantástico e misterioso como o Vrill se tornaria, nos séculos futuros, fruto da imaginação e cobiça da humanidade, assim como ocorreu com a “pedra filosofal”, que existe mas os homens comuns não conseguem percebê-la. O Vrill também está acessível a todos os homens, hoje mesmo, entretanto, poucos conseguem controlá-lo em todo o seu potencial.

ESPIRITISMO E A ENERGIA VRIL

A energia Vrill nada mais é que do que o “fluído cósmico universal” definido por Allan Kardec no livro dos Espíritos, ou seja, a matéria em seu estado mais elementar; nada mais que energia livre e que pode ser amplamente manipulada, tanto por espíritos desencarnados, como por encarnados. A diferença está no grau de manipulação dessa energia que era realizado pelos sacerdotes do Vrill da extinta Atlântida. O que os sábios indianos chamam de “Prana” ou os chineses de “Chi” ou “Ki” também é uma boa definição para o Vrill, apesar de ser uma definição limitada e incompleta.

CONCLUSÃO
Como vimos acima e em posts anteriores da série,sabemos já que o VRILL é uma fonte de energia que foi amplamente utilizada na Atlântida e que irá ,no futuro,substituir as atuais fontes de energia, primitivas e poluentes, que impactam diretamente no aquecimento global.No livro Os Exilados de Capela,afirma-se que os atlantes precisaram salvaguardar a energia vril dos capelinos , que tinham o interesse de utilizar seu potencial para Magia Negra. O objetivo da energia Vrill é fazer progredir os meios de produção de forma a permitir à humanidade desenvolver seus aspectos sociais, morais e tecnológicos pelo bem-estar. Pela inversão do eixo gravitacional dos materiais seria possível desprender do solo e transportar grandes blocos de rochas por levitação. É nessa tese que se embasam muitos cientistas e egiptólogos,para explicar a construção das grandes pirâmides e outros monumentos que ainda hoje desafiam a engenharia. Segundo as afirmações anteriores, os nazistas estavam em busca dela, mas, talvez felizmente, pelos possíveis propósitos, não lograram êxito. Se essa energia voltará a ser conhecida pelos habitantes desse planeta e se será utilizada para fins pacíficos, para um novo ciclo de progresso, sómente o tempo dirá.

****************************************************************************************************************
“A soberba do homem o abaterá, mas o humilde de espírito obterá honra.”

*********************************************************************************************************************



Bibliografia para consulta
1-O Código de Atlântida
Charles Brokaw
2-Herdeiros de Atlântida-Vol 1 e 2
Eduardo Spohr
3-Crônicas de Atlântida
Antonio Luíz M.C.Costa
4-Atlântida
Roseliss Von Sass
5-Ecos da Atlântida
Loty Ger
6-O Enigma da Atlântida
Alexandre Braghine
7-Em busca da Atlântida
Andy Mcdermott
8-A Doutrina Secreta
Helena Blavatsky
9-O Sol Negro
M.C.Pereda
10-O Mistério de Atlântida
Charles Berlitz
11-Atlântida-No reino da Luz-Vol 1
Roger Bottini Paranhos
12-Os Exilados de Capela
Edgard Armond
13-Vrill-The Power of the coming race
Edward Bulwer

Caso você deseje pode baixar um arquivo com toda a série em formato PDF na nossa Biblioteca Virtual.

Divulgação: A Luz é Invencível