Criei este Blog para minha Mãe Cigana Rainha do Oriente, sendo uma forma de homenageá-la, bem como postar assuntos atuais e de caráter edificante, lindas mensagens, poesias de luz, também aqui brindemos á amizade verdadeira e elevemos o principal em nós ou seja a essência Divina, Deus e a Espiritualidade em geral.

sábado, 4 de junho de 2016

AS MAIS ANTIGAS CIDADES NA TERRA FORAM CONSTRUÍDAS PELOS ANUNNAKIS - NEFILIN:




Cidades construídas há mais de 200 mil anos foram descobertas no sul da África

Estas construções sempre estiveram lá. As pessoas já as haviam notado antes, mas nunca as valorizaram. Pois ninguém podia se lembrar delas, ou por quem e do por que foram feitas? Até há pouco tempo, ninguém sequer sabia quantas eram. Agora, elas estão por toda parte – aos milhares, não, centenas de milhares delas! E a história que contam é a história mais importante da humanidade. Mas é uma história que voce pode não estar preparado para ouvir.

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

As mais antigas Metrópoles na Terra foram construídas pelos Anunnakis-Nefilins !!!

Fontes: http://www.exohuman.com/ e http://humansarefree.com/

A seguinte descoberta é de grande importância em nossa busca para encontrar a história humana VERDADEIRA. O autor do artigo, Dan Eden, fez um trabalho muito bom apresentando esse aspecto da verdade sobre nosso passado, por isso vou principalmente mantê-lo como está.

Claro, eu vou fazer alguns acréscimos e ligar os pontos. Esta história vai levá-los em uma longa viagem, abrangendo os últimos 450 mil anos, interconectando intrigantes eventos e todos juntos contando a nossa história. Por favor, relaxe e divirta-se! Michael Tellinger desenrola a história:


Acima: sacerdotes e a Árvore da Vida e sobre ela o símbolo do círculo alado do planetaNibiru, ambos usados na Suméria antiga.


Por Dan Eden para viewzone.com e Alexander Light para HumansAreFree.com

As mais antigas Metrópoles na Terra foram construídas por uma raça de extraterrestres chamada de Anunnaki!

Algo surpreendente foi descoberto em uma área da África do Sul, a cerca de 150 milhas da costa, a oeste do porto de Maputo, a capital e maior cidade deMoçambique. São os restos de uma grande metrópole, que mede, em estimativas conservadoras, cerca de 1.500 quilômetros quadrados. É parte de uma comunidade ainda maior, que é de cerca de 10.000 quilômetros quadrados e parece ter sido construída, você está pronto para ouvir que foi entre 160.000 a 200.000 a.C.!?!?

A região é um pouco remota e os “círculos” têm sido freqüentemente encontrados por agricultores locais que assumiram que foram feitos por alguns povos indígenas no passado. Mas, estranhamente, nunca ninguém se preocupou em perguntar sobre quem poderia tê-los feito, ou quantos anos eles tem.



Isso mudou quando o pesquisador e escritor, Michael Tellinger, se juntou comJohan Heine, um bombeiro e um piloto local de aviões que tinha estado a olhar para estas ruínas durante muitos anos sobrevoando a região. Heine tinha a vantagem única de ver do ar o número e a extensão destas estranhas fundações de pedra e sabia que seu significado não estava sendo apreciado devidamente.

“Quando Johan primeiro me apresentou às antigas ruínas de pedra da África do sul, eu não tinha ideia das descobertas incríveis que faria no ano ou dois que se seguiram. As fotografias, artefatos e evidências que se acumularam, sem dúvida, demonstram uma civilização perdida e nunca antes vista que antecede todas as outros civilizações registradas (“oficialmente”), não por apenas algumas centenas de anos, ou alguns milhares de anos … mas por muitos (dezenas) milhares de anos.

Essas descobertas são tão surpreendentes que não serão facilmente digeridas pela fraternidade histórica e arqueológica da corrente de eruditos e acadêmicos, como já foi experimentado. Isso vai exigir uma mudança completa de paradigma na forma como vemos (e contamos) a história humana. “ – Palavras de Michel Tellinger



Onde foram encontradas as ruínas?

A área é significativamente importante com um fato por si só muito impressionante – a mineração de OURO!

“As milhares minas de ouro antigas descobertas nesta região, ao longo dos últimos 500 anos, apontam para uma civilização desaparecida que viveu e explorou ouro nesta parte do mundo durante milhares de anos”, diz Tellinger. “E se este é de fato o berço da humanidade, podemos estar olhando para as atividades da mais antiga civilização na Terra.”

Para que isso faça sentido teremos que nos voltar para a Cronologia Anunnaki dos acontecimentos:


Cronologia Anunnaki


450.000 a.C.: Depois de longas guerras, a atmosfera de Nibiru começou a se deteriorar e se tornou hostil à vida. Anu destrona Alalu e seu filho Enki vem até a Terra com uma espaçonave. Ele estava à procura de OURO, que poderia ser usado para reparar o ambiente danificado de Nibiru.

(Nossa ciência chegou às mesmas conclusões sobre o ouro sem conhecer as histórias sumérias. pois de acordo com os nossos cientistas podemos usar nanopartículas de ouro para reparar a camada danificada de ozônio da Terra ).

445.000 a.C. – Os extraterrestres Anunnaki pousaram na Terra e estabeleceram sua base na Mesopotâmia, em Eridu, querendo extrair ouro do Golfo Pérsico. Eles eram liderados por Enki , um dos filhos de Anu.



416.000 a.C. – A produção de ouro declina muito no Golfo Pérsico, o que provocou a vinda de Anu para a Terra. Junto com ele veio seu outro filho, Enlil. Anu decidiu que se devia prospectar ouro na África e promoveu Enlil como encarregado da missão Terra. Enki foi enviado para o sul da África, o ABZU!

400.000 a.C. – No sul da Mesopotâmia foram construídas sete cidades pelos Anunnaki. As mais importantes foram: “Sipar“, o espaçoporto, “Nippur“, o centro de controle da Missão e“Shuruppak“, como o Centro de Metalurgia de minério de ouro que era transportado desde o sul da África por espaçonaves. Depois do metal ser refinado ele era enviado para estações em órbita da Terra. De lá, o ouro era carregado em espaçonaves de transporte, que estavam constantemente vindo de Nibiru para levar o ouro extraído. Os Igigi eram responsáveis com a entrega do produto acabado em Nibiru.

300.000 a.C. – Os trabalhadores Anunnaki se revoltaram contra seus mestres, porque o trabalho de extração de minério de ouro nas minas era muito difícil. ( Nota: por favor leia ” A nossa verdadeira história . “Os Anunnaki realmente usaram outra raça reptiliana como escravos nas minas de ouro – de um planeta chamado Inua, perto de Orion ).

Enki e Ninhursag desenvolveram geneticamente um ser que se transformaria em outros trabalhadores nas minas. Eles coletaram amostras de DNA a partir de um primata terrestre em desenvolvimento e depois de manipulações genéticas o primeiro Homo Sapiens foi criado. Eles foram colocados para trabalhar nas minas e substituíram os Anunnakis. Ao mesmo tempo, Enlil levava esses trabalhadores primitivos para o Edin, na Mesopotâmia. O Homo Sapiens poderia procriar para que eles começassem a proliferar e gerar mais trabalhadores.


Palavras de Michel Tellinger sobre a pegada de “deus” fossilizada: “Eu gostaria de compartilhar com vocês o que poderia ser uma das melhores peças de evidência de que havia gigantes na Terra há muito, muito tempo atrás. Os geólogos têm se maravilhado com esta cópia de pé gigante em granito bruto, com cerca de 4 metros de comprimento. Este é um lugar profundamente sagrado, místico e espiritual entre os guardiões do conhecimento africano e por isso deve permanecer intocado. Essa marca de pé é carinhosamente conhecida como a pegada de Deus. Tem cerca de 1,20 metros de comprimento, a pessoa que a teria deixado para trás deve ter sido de cerca de 24 pés ou 7, 5 m de altura. Este local na África se apresenta a nós com um dilema real e um profundo mistério que precisa ser resolvido”.

Para ver o número e o tamanho das ruínas ancestrais construídas pelos Anunnaki, ainda muito antes do dilúvio de Noé, sugiro que você use o google-earth e comece a sua procura utilizando as seguintes coordenadas:

Carolina: 25.55.53.28 Sul / 30.16.13.13 Leste

Badplaas: 25.47.33.45 S / 30.40.38.76 L

Waterval: 25.38.07.82 S / 30.21.18.79 L

Machadodorp: 25.39.22.42 S / 30.17.03.25 L

Em seguida, faça uma pesquisa voando baixo dentro da área formada por este retângulo. É simplesmente incrível! Lembre-se, estamos falando de mais de 200.000 anos atrás!

As ruínas individuais [ver fotos abaixo] que restaram consistem principalmente em círculos de pedra. A maioria foi enterrada na areia e só são observadas por satélite ou avião. Algumas foram expostas quando pelas mudanças climáticas provocou ventos movimentando a areia, revelando as paredes e as fundações há muito enterradas.

“Eu me vejo como um indivíduo com a mente bastante aberta, mas vou admitir que me tomou bem mais do que um ano para a ficha cair, e para mim vir a perceber que estamos realmente lidando com as mais antigas estruturas já construídas pelo homem (extraterrestre) na Terra.



A principal razão para isso é que nós fomos ensinados de que nada de importância tenha vindo do sul da África. Que as poderosas civilizações todas elas surgiram na Suméria e no Egito e em outros lugares (Vale do Rio Indus, hoje no Paquistão). Somos informados de que até a liquidação do povo banto do norte da África, que deveria ter começado em algum momento do século 12, esta parte do mundo foi preenchida por caçadores e os chamados bosquímanos, que não fizeram nenhuma grande contribuição em tecnologia ou para o surgimento da civilização”. -Michel Tellinger

Uma história rica e diversificada

Quando os primeiros exploradores europeus encontraram estas ruínas, eles assumiram que elas foram feitas por tribos nômades, como os povos nativos da nação banto, na medida em que eles se mudavam para o sul e se estabeleceram naquela terra desde o século 13. Não houve registro histórico anterior de qualquer velha civilização capaz de construir uma comunidade tão densamente povoada. Pouco esforço foi feito para investigar o local, pois o escopo das ruínas nunca foi totalmente conhecido.

Ao longo dos últimos 20 anos, pessoas como Cyril Hromnik, Richard Wade, Heine Johan e um punhado de outros descobriram que estas estruturas de pedra não são o que parecem ser. Na verdade, essas ruínas são acreditadas para serem os restos de antigos templos e observatórios astronômicos de civilizações antigas perdidas que remontam há milhares de anos.

Estas ruínas circulares estão espalhadas por uma área enorme. Elas só podem ser verdadeiramente apreciadas pelo ar ou através de imagens de satélites modernos. Muitas delas estão quase totalmente erodidas ou foram encobertas pelo movimento do solo pela agricultura e pelo clima ao longo de dezenas de milhares de anos. Algumas áreas sobreviveram o suficiente para revelar seu grande tamanho, ainda restando algumas paredes ciclópicas com quase 5 metros de altura e mais de um metro de largura em alguns lugares.



Olhando para toda a região da “metrópole“, torna-se evidente que ela era uma comunidade bem planejada, desenvolvida por uma civilização altamente evoluída. O número de minas de ouro antigas sugere a razão da existência para a comunidade neste local. Encontramos algumas estradas se estendendo cem milhas – que ligavam a comunidade e a agricultura em terraços, muito semelhantes às encontradas nos assentamentos dos Incas, no Peru.

Mas uma pergunta implora por uma resposta, como isso poderia ter sido feito por seres humanos 200.000 anos atrás?

Isto é o que você vai ver no google-earth na imagem acima nas coordenadas: 25:37’40.90 Sul / 30:17’57.41 Leste [seta A]. Estamos vendo a cena a partir de uma altitude de 357 metros.

Este não é uma “localização especial”, apenas escolhemos ao acaso, dentro da área descrita anteriormente. Ela mostra artefatos que estão em toda parte e nós encorajamos você a procurar a área com esta grande ferramenta tecnológica da Internet.

As estruturas circulares de pedra são evidentes a partir deste ponto de vista, mesmo que elas não possam ser visíveis a partir do nível do solo. Observe que há muitos caminhos muito longos [seta B e D] que conectam grupos de estruturas circulares. Se você diminuir o zoom e seguir estas “estradas” terá que viajar por muitos quilômetros.



O fato de que podemos ver essas estruturas é principalmente por causa da erosão natural provocada pelo clima, a passagem do tempo e o vento que soprou a sujeira e os detritos que encobria tudo nos últimos milhares de anos. Uma vez exposto ao vento, as rochas são desengorduradas, limpas e podem parecer enganosamente novas.

Se você olhar atentamente para o que à primeira vista parece ser terra vazia [seta C], você vai notar muitos círculos fracos, indicando mesmo que há mais moradias que se escondem abaixo da superfície. Na realidade, toda a área está cheia com essas estruturas e estradas de ligação.

Como a idade do local foi datada

Uma vez que as ruínas foram examinadas, os pesquisadores estavam ansiosos para colocar a civilização perdida em uma perspectiva histórica. As pedras estavam cobertas com uma pátina que parecia muito antiga, mas não havia itens suficientes para análise de datação pelo carbono-14. Foi então que a descoberta da possibilidade de datação revelou a idade do local, e provocou um arrepio na espinha dos arqueólogos e historiadores!

Descoberta surpreendente: Um calendário de pedra maciça alinhado com o cinturão da Constelação de Órion

Encontrar os restos com milhares de anos de uma grande comunidade, para cerca de 200 mil pessoas que viveriam e trabalhariam juntas, foi uma grande descoberta em si mesmo. Mas a datação da época em que o local foi construído era um problema. A pátina pesada nas paredes de rocha sugerem que as estruturas eram extremamente antigas, mas a ciência de datação com pátina está apenas ainda sendo desenvolvida e é controversa. A datação por carbono 14 de coisas como madeira queimada introduz a possibilidade de que os espécimes podem ser provenientes de recentes incêndios naturais que são comuns na área.



A descoberta veio de maneira inesperada. Como Tellinger descreve:

“Johan Heine descobriu o Calendário de Adão, em 2003, quase por acidente. Ele estava em voo para encontrar um de seus pilotos que caiu com o seu avião à beira de um precipício. Próximo ao local do acidente Johan notou um arranjo muito estranho de grandes pedras saindo da terra. Enquanto resgatava o piloto ferido distante cerca de 20 metros para o lado do penhasco, Johan caminhou até os monólitos e imediatamente percebeu que eles estavam alinhados exatamente com os pontos cardeais da Terra – norte, sul, leste e oeste. Havia pelo menos três monólitos alinhadas em direção ao nascer do sol, mas no lado oeste dos monólitos alinhados havia um buraco misterioso no chão, algo estava faltando.

Depois de semanas e meses de medição, cálculos e observações, Johan concluiu que todo o conjunto estava perfeitamente alinhado com a ascensão e queda do sol. Ele determinou os solstícios e os equinócios. Mas o misterioso buraco no chão continuou a ser um grande quebra-cabeça. Um dia, enquanto contempla a busca pela razão para o buraco existir, o cavaleiro especialista em trilha de cavalos do local, Christo, chegou andando ao local. Ele explicou rapidamente a Johan que havia uma pedra de formato estranho que tinha sido removida daquele lugar já há algum tempo. Aparentemente, ela estava em algum lugar perto da entrada da reserva natural.

Após uma extensa pesquisa, Johan encontrou a pedra antropomórfica* (de forma humanoide). Ela estava intacta e orgulhosamente com uma placa presa a ela. A pedra humanoide havia sido utilizada pela fundação Andorinha Azul para comemorar a abertura da reserva Andorinha Azul em 1994. A ironia é que ela foi removida do mais importante sítio arqueológico encontrado até hoje e misteriosamente voltou pelas razões ligeiramente diferentes da reserva”.

{* Para mim, a pedra antropomórfica indica claramente um ser não-humano mamífero. Sabemos de muitas culturas (incluindo a cultura africana que se desenvolveu a partir desses lugares) que os seres humanos não foram autorizados a retratar os (deuses) reptilianos em sua verdadeira forma. Então esta é a descrição perfeita de um ser réptil ao lado / olhando para o cinturão de Orion. Ele claramente é um ser não-humano mamífero pertencente às estrelas.}



A localização exata do calendário está listado no www.makomati.org. Os primeiros cálculos da idade do calendário foram feitas com base no cinturão de Orion, uma constelação conhecida por suas três estrelas brilhantes que formam o “cinturão” do caçador mítico dos céus noturnos.

A Terra oscila em seu eixo (movimento de precessão dos equinócios) e por isso as estrelas e constelações mudam de ângulo de inclinação no céu à noite em uma base cíclica. Esta rotação, chamada de precessão, completa um ciclo total (uma era completa) a cada 25.920 anos. Ao determinar quando as três estrelas do cinturão de ÓRION foram posicionadas no plano horizontal contra o horizonte terrestre, podemos estimar o tempo em que as três pedras no calendário estavam em alinhamento com estas estrelas visíveis no cinturão de Órion.

O primeiro cálculo aproximado foi de pelo menos 25.000 anos atrás. Mas medidas novas e mais precisas mantiveram o aumento da idade. O cálculo seguinte foi apresentado por um arqueoastrônomo, um mestre que deseja permanecer anônimo por medo do ridículo pela fraternidade acadêmica (os mesmos eruditos de sempre prisioneiros do paradigma atual).

Seu cálculo também foi baseado na inclinação de Órion e sugeriu uma idade de pelo menos 75.000 anos. O cálculo mais recente e mais acurado, feito em junho de 2009, sugere uma idade de pelo menos 160 mil anos, com base na inclinação das estrelas do cinturão de Órion no horizonte, mas também sobre a erosão pelo tempo das pedras de dolerito encontradas no local.

Algumas peças das pedras marcadas tinham sido quebradas e estavam espalhadas no chão, expostos à erosão natural. Quando as peças foram colocadas de volta em seu conjunto cerca de 3 cm de pedra já havia sido desgastado. Estes cálculos de erosão permitiu avaliar a idade do local por meio do cálculo da taxa de erosão do dolerito.


Acima, no canto esquerdo podemos ver a pedra antropomórfica representando o ser réptil próximo ao cinturão de Orion. (Note também como ele é alto).

Se você prestou atenção a todos os meus artigos anteriores você vai notar uma tendência. Não importa qual a antiga cultura que estudamos, tudo sempre retorna a este trio recorrente em todas as culturas antigas:
Os Anunnaki, seres reptilianos ou outros deuses reptilianos / serpentes / dragões;
A constelação e o Cinturão de Órion;
O Aglomerado Estelar das Plêiades.

Este trio forma uma cadeia mais complexa de entrelaçamento: Nibiru – Anunnaki – O antigo Egito – (agora) a África – adoração aos Illuminati – religiões – Vaticano – Jerusalém – Orion – Plêiades – adoração aos rituais – templos e pirâmides.

As verdades na África do Sul são preservados pelos Shamans Zulus (o mais famoso deles e um verdadeiro ancião é Credo Mutwa, que completa 92 anos em 21 de julho que conta uma história incrível que pode ser lida AQUI) e são passadas de geração em geração.

Uma destas maravilhosas pessoas conta a história dos primeiros deuses africanos. Eles eram extraterrestres reptilianos que vieram para a África para mineração de ouro. Porque eles precisavam de trabalhadores, eles geneticamente criaram os primeiros seres humanos como seus escravos.Tinham também cruzado com as mulheres humanas para criar uma raça superior de líderes. Esses líderes (reis com metade do sangue alienígena) eram a ponte entre os ETs reptilianos e os povos africanos.

Credo Mutwa também tinha um colar muito velho contando a história de seus primeiros dias na Terra. No colar há um ser reptiliano que intercruza com uma mulher, um disco voador (genericamente conhecido como UFO), a Estrela de David (a possível explicação de Wayne Herschel é que a estrela de David significa, Assim na Terra como no Céu. E refere-se à chegada dos reptilianos na Terra.), o cinturão de Órion e muitas outras figuras.

Você pode ver Credo Mutwa abaixo, com uma representação de répteis (como ele os vê) e o colar herdado de seus ancestrais:



Após as entrevistas concedidas para David Icke, Credo Mutwa foi assaltado, torturado e teve roubado o colar. Por trás dos criminosos estava um homem branco que Credo Mutwa nunca vira antes.

Este venerável ancião, shaman dos Zulus e uma pessoa maravilhosa também conta a história já conhecida (de todas as outras civilizações), de que o povo africano não tinha o direito de representar os reptilianos em sua forma de réptil. Aqueles que quebravam esta regra eram mortos pelos reptilianos.

Mais uma vez, todas as civilizações têm quase sempre a mesma história ancestral. Como poderiam, com milhares de quilômetros de distância entre si, diferentes civilizações sem contato, terem as mesmas histórias da nossa criação e os mesmos “deuses” reptilianos?

Sobre reptilianos saiba mais em:
http://thoth3126.com.br/reptilianos-do-sistema-estelar-de-draco/
http://thoth3126.com.br/reptilianos-do-interior-da-terra-os-arquivos-lacerta-parte-i/
http://thoth3126.com.br/category/reptilianos/

Antigas minas de OURO-Há quanto tempo?

Há evidências de que a mineração de ouro teve lugar, no sul da África, durante a Idade da Pedra? Estudos arqueológicos indicam que de fato foi assim. Percebendo que os locais de antigas minas abandonadas podem indicar onde o ouro poderia ser encontrado, a empresa de mineração líder da África do Sul, a Anglo-American Corporation, na década de 1970 contratou arqueólogos para procurar por essas minas antigas.

Os relatórios publicados detalham a descoberta em Suazilândia e outros locais na África do Sul de extensas áreas de mineração com poços a profundidades de 50 pés (15 metros). Objetos de pedra e carvão encontrados dão datas estabelecidas de 35.000, 46.000 e 60.000 anos a.C. para estes locais. Os arqueólogos e antropólogos que se juntaram para datar os achados acreditam que a tecnologia de mineração foi usada no sul da África “, durante grande parte do período anterior a 100.000 a.C.“



Em Setembro de 1988, uma equipe de físicos internacionais chegou à África do Sul para verificar a idade de habitats humanos em Suazilândia e Zululândia. As técnicas mais modernas indicaram uma idade de 80.000 a 115.000 anos. Em relação às mais antigas minas de ouro de Monotapa no sul do Zimbabwe, lendas zulus afirmam que nesses locais trabalhava “carne (escravos humanos) produzida artificialmente e escravos sanguíneos criados pelos primeiros povos.” Esses escravos, as lendas Zulus contam, “entraram em batalha com o homem macaco “quando” a grande estrela da guerra apareceu no céu (Nibiru?) “.

(Ver Indaba My Children, escrito pelo Shaman Vusamazulu Credo Mutwa). [Genesis Revisited]

Eu acho muito interessante as seguintes afirmações do artigo de Dan Éden: “Parece que os seres humanos têm sempre valorizado o ouro. Ele é mencionado na Bíblia, descrevendo os rios do Jardim do Éden:

Gênesis 02:11 – O nome do primeiro [rio] é Pishon, que flui ao redor de toda a terra de Haviláh, onde há ouro”

E mais:

“Por que as pessoas antigas trabalhavam tão duro para encontrar ouro? Você não pode comê-lo. É um metal muito macio e suave para usar para fabricação de ferramentas e armas. Não é realmente útil para nada, exceto ornamentos e sua beleza física esta em pé de igualdade com outros metais, como o cobre ou a prata. Exatamente por que o ouro era tão importante para o homo sapiens inicial? “

Eu sempre quis escrever um artigo para explicar por que os seres humanos sempre apreciaram tanto o ouro, mas o artigo teria sido muito grande e teria envolvido aulas de história demasiado alucinantes. Mas agora, neste contexto, a resposta é bastante simples e atinge o centro do olho do furacão:

“O ouro sempre foi importante para nós, humanos, porque os “deuses” consideravam ser muito valioso esse metal! Se eles sacrificaram tanto para extraí-lo, então ele tem que ser precioso! “

Este foi o conceito base que deu ao ouro tanto valor em nossas mentes primitivas, algumas centenas de milhares de anos atrás. Os Anunnaki precisavam de ouro para curar a atmosfera de seu planeta natal, queríamos ouro por considerá-lo valioso para os “deuses”.

Eu ainda ouço com bastante freqüência hoje a expressão: “! ouro, o metal dos deuses”, mas esta foi, provavelmente, uma coisa muito comum para se dizer na passagem das eras. Podemos especular que, após os Anunnaki se mudaram para as suas cidades subterrâneas e ou voltarem para Nibiru, os humanos começaram a usar o ouro como moeda suprema. Mas olhando para a nossa história moderna, o ouro ainda tem um papel muito importante nos planos da elite global.



Primeiro de tudo, os banqueiros mudaram a regra que afirma que a moeda de um país deve ser apoiada por ouro colocado na tesouraria. Após esse movimento, o nosso dinheiro tornou-se pedaços de papel sem valor REAL, sem nenhum lastro (ou dígitos na tela do computador) e os banqueiros tinham acesso claro para as reservas de ouro, sem que ninguém seja capaz de mantê-los sob vigilância.

Mas a coroa do maior assalto de ouro na história vai para o World Trade Center (no pseudo atentado terrorista em New York), cerca de US$ 300 bilhões de dólares em barras de ouro (lingotes) foram roubados em 11/09/2001 durante o falso ataque terrorista:

Para esse fato (roubo), podemos adicionar todos os tesouros em ouro que foram roubados após a Primeira e segunda Guerra Mundial. Mas onde está esse ouro? Podemos especular que os reptilianos ainda enviam o ouro da Terra para o seu planeta de origem?

Se for este o caso, então, elas têm o esquema final para fazê-lo. Nós o extraimos, porque isso é importante para nós como riqueza, para se usar como uma jóia, mas não consumi-lo de forma alguma. As mesmas quantidades extraídas de ouro são encontradas no mundo, mas se espalharmos entre as pessoas em todo o planeta, que os usam como jóias. Tudo que eles precisam fazer é retirá-lo de nós.

Após a Primeira Guerra Mundial, os civis alemães foram convidados pelo nazismo a provar o seu patriotismo doando para o estado todo o ouro que ainda tinham, para que a economia fosse ajudada a se recuperar. E eles fizeram isso! Depois, na Segunda Guerra Mundial, Hitler confiscou todo o ouro que os judeus possuíam e todas as reservas de ouro de todos os países invadidos, amealhando um TESOURO INCOMENSURÁVEL. Esses despojos de guerra foram divididos entre os EUA (que faturou um trem com dezenas de vagões carregados com lingotes de ouro), Reino Unido e a Rússia.



Após o auto-infligido e pseudo ataque terrorista de onze de setembro, com a posterior invasão do Iraque para derrubar o “terrorista” Saddam Hussein, o exército dos EUA confiscaram todo o ouro de Saddam. O mesmo aconteceu com o ouro de Kadafi na Líbia e mais recentemente com toda a reserva de ouro da UCRÂNIA.

Então, no final, todo o ouro do planeta, eventualmente, esta acumulado em um só lugar. Mas onde é mesmo que ele esta escondido?

Em Junho de 2011: a Reserva Federal dos EUA admitiu: “Não temos nenhum ouro!” Publicado em Julho 2014.

Fonte: humansarefree.com | Também: Michael Tellinger | Anunnaki-O Livro Perdido de Enki

“DESPERTA, TU QUE DORMES, e levanta-te dentre os MORTOS (Inconscientes), e Cristo te esclarecerá. Portanto, vede prudentemente como andais, não como NÉSCIOS, mas como SÁBIOS” Efésios 5:14,15

Mais informações sobre arqueologia em:
http://thoth3126.com.br/geometria-sagrada-a-flor-da-vida-e-a-linguagem-da-luz/
http://thoth3126.com.br/antartica-com-o-degelo-aparecem-piramides/
http://thoth3126.com.br/as-piramides-de-gize-egito-e-de-teotihuacan-mexico/
http://thoth3126.com.br/a-conexao-terramaldekmarte-em-gize-cydonia-e-teotihuacanmirador/
http://thoth3126.com.br/piramides-na-europa-na-bosnia-herzegovina/
http://thoth3126.com.br/piramides-no-egito-a-sua-historia-dos-subterraneos-perdida-e-secreta/
http://thoth3126.com.br/piramides-no-egito-a-historia-perdida-e-secreta-dos-subterraneos-em-gize-final/
http://thoth3126.com.br/piramide-na-china-uma-base-alienigena/
http://thoth3126.com.br/cidades-annunaki-encontradas-na-africa/
http://thoth3126.com.br/maldek-e-nibiru-mais-dois-planetas-de-nosso-sistema-solar/

A verdadeira história dos construtores das Pirâmides:
http://thoth3126.com.br/category/maldek/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e a citação das fontes.

www.thoth3126.com.br