Criei este Blog para minha Mãe Cigana Rainha do Oriente, sendo uma forma de homenageá-la, bem como postar assuntos atuais e de caráter edificante, lindas mensagens, poesias de luz, também aqui brindemos á amizade verdadeira e elevemos o principal em nós ou seja a essência Divina, Deus e a Espiritualidade em geral.

sábado, 17 de setembro de 2016

MENTALIDADE UNA – O MUNDO DO CÉU-Um Curso em Milagres






INTRODUÇÃO

Uma forma talvez útil de apresentar o material em Um Curso em Milagres é dividi-lo em três partes, já que o Curso realmente representa três sistemas de pensamento diferentes: Mentalidade Una, que representa o mundo do Céu; mentalidade errada, que representa o sistema de pensamento do ego; e mentalidade certa, que representa o sistema de pensamento do Espírito Santo.

Notas;Quando falamos em Deus, é o nome que damos á Fonte, Plenum Cósmico,Criador;-quando falamos Jesus, falamos em Consciência Crística,Filho

Grifos em negrito;Mônica F De Jardin

****************************************************************************************************************

Também é útil no início que se note que Um Curso em Milagres é escrito em dois níveis;

1-O primeiro nível representa a diferença entre a Mente Una e a mente dividida, enquanto o segundo nível contrasta a mentalidade errada com a mentalidade certa. No primeiro nível, por exemplo, o mundo e o corpo são considerados como ilusões feitas pelo ego. Assim simbolizam a separação de Deus.

2-O segundo nível tem relação com esse mundo onde nós acreditamos estar e nesse nível o mundo e o corpo são vistos como neutros e podem servir a um dos dois propósitos. Para a mente errada do ego, são instrumentos usados para reforçar a separação. Para a mente certa, são as ferramentas de ensino do Espírito Santo, através das quais aprendemos as Suas lições de perdão.

Portanto, nesse segundo nível, as ilusões se referem às percepções equivocadas do ego; por exemplo: ver ataque ao invés de um pedido de amor, pecado ao invés de erro. Com isso em mente, vamos então dar início a nossa discussão dos três sistemas de pensamento do Curso, que dividiremos em 3 postagens antes de dar prosseguimento ao estudo do Curso.

Nota;-Nós começaremos com o primeiro, que é na realidade o único, e é descrito no começo do texto como a Mentalidade-Una do Cristo ou do Plenum Cósmico/ Deus. Esse é um sistema de pensamento que não tem nada a ver com esse mundo. Falarei dele brevemente agora e depois nós o deixaremos de lado porque, com efeito, não é nesse aspecto que o Curso investe o seu trabalho. É o seu suporte e fundamento, mas não é realmente onde o trabalho tem que ser feito.

A MENTALIDADE UNA

A Mentalidade-Una é o mundo do Céu, o que Um Curso em Milagres descreve como conhecimento. Uma das coisas difíceis, quando se chega ao Curso pela primeira vez, é que ele usa as palavras de um modo diferente daquele que é usado na linguagem comum. Se você impuser a sua própria compreensão a uma palavra no Curso, você terá muita dificuldade. Palavras tais como ‘pecado’, ‘mundo’, ‘realidade’, ‘Deus’, ‘Jesus’, ‘conhecimento’ etc., são usadas de modo um pouco diferente daquele usado normalmente. Se você fizer justiça ao Curso e quiser entender o que ele está dizendo, quer concorde com ele ou não, terá que compreender também o significado das palavras e como ele as emprega em seu próprio contexto. Uma dessas palavras é ‘conhecimento’. O Curso não usa a palavra “conhecimento” como nós a usamos normalmente. O conhecimento se refere apenas ao Plenum Cósmico/ Deus e o mundo do conhecimento não tem nada a ver com esse mundo. O conhecimento não é uma crença ou um sistema de pensamento. E uma experiência, e uma experiência que transcende todas as coisas desse mundo. Assim, o mundo do Céu ou o mundo do conhecimento ou o mundo espiritual do Plenum Cósmico/ Deus são a mesma coisa.

Quando Um Curso em Milagres fala do mundo do espírito, isso não tem nada a ver com o mundo material. O espírito é a nossa verdadeira realidade, o nosso verdadeiro lar, e mais uma vez não tem nada a ver com a nossa experiência com a realidade aqui. O conceito central no Céu, ou o mundo do conhecimento, é a Trindade.;se o tema do Curso, seu pensamento em geral é de natureza universal—que todos somos Um—porque ele veio em um formato especificamente cristão? A resposta para isso faz sentido à luz de um dos princípios fundamentais do Curso: você tem que desfazer o erro onde ele se encontra. Não há dúvida de que a influência dominante no mundo ocidental é o cristianismo. Não existiu ainda um sistema de pensamento mais poderoso no mundo, quer você se identifique como um cristão ou não.

Não há ninguém nesse mundo, certamente não no mundo ocidental, que não tenha sido profundamente afetado pelo cristianismo. Quer nos identifiquemos com o cristianismo ou não, vivemos num mundo cristão. O nosso calendário é baseado no nascimento e na morte de Jesus. No entanto, a cristandade não tem sido muito cristã, o que não precisa sequer ser mencionado ao considerarmos a história das igrejas. Como o cristianismo teve impacto tão forte no mundo, e ainda tem—e não tem sido um impacto muito cristão—era essencial que os erros do cristianismo fossem desfeitos em primeiro lugar, antes que qualquer outra coisa pudesse ser feita para mudar radicalmente o sistema de pensamento do mundo. É por isso, acredito eu, que Um Curso em Milagres veio nessa forma especificamente cristã.Assim sendo, qualquer um que leia o Curso, tendo tido uma base cristã, reconhecerá de início que o cristianismo ao qual o Curso se refere não tem nada a ver com o cristianismo que lhe foi ensinado.

O Curso, portanto, veio na forma que veio para corrigir os erros introduzidos pelo cristianismo. Ao longo de todo o Curso, especialmente nos primeiros capítulos do texto, há numerosas referências a Bíblia (mais de) e muitas foram re-interpretadas. Os capítulos e tem, no início, parágrafos muito fortes sobre a crucificação nos quais a Conciência Crística/ Jesus coloca claramente o que estava errado na forma das pessoas compreenderem a sua crucificação. (T-I: T-I). Ele explica porque isso aconteceu e como todo um sistema de pensamento se desenvolveu a partir desse erro. A discussão de Jesus não é tradicionalmente cristã, apesar dos seus princípios serem cristãos no sentido que ele lhes deu originalmente. É por isso que Um Curso em Milagres é cristão em sua forma e também é por isso que, muitas vezes ao longo do texto, Jesus nos diz que ele precisa do nosso perdão. Isso se aplica quer você seja cristão, judeu, ou ateu.. A razão disso é a mesma razão pela qual as pessoas acham que o Curso é um inimigo. Ele ameaça o próprio fundamento do sistema egótico. Assim, mais uma vez, antes de podermos nos mover além do que tem sido o cristianismo, primeiro temos que perdoá-lo. Mais uma vez, isso está totalmente dentro dos princípios do Curso.

O fato do Curso usar terminologia cristã tem sido uma pedra no caminho de praticamente todas as pessoas que o lêem. É óbviamente uma pedra para aqueles educados como judeus, pois aos judeus é ensinado que ‘Jesus’ é uma palavra negativa bem cedo em suas vidas. É uma pedra no caminho da maioria dos cristãos porque o Curso expressa uma forma de cristianismo diferente do cristianismo que eles conhecem. Para um ateu, óbviamente há problemas também. Mais uma vez, não há praticamente ninguém que não venha a experimentar alguma dificuldade com Um Curso em Milagres devido a sua forma. Portanto, o fato de ser cristão é deliberado; O fato de Jesus não esconder ser ele o autor também não é nenhum acidente. O propósito é realmente ajudar o mundo a perdoá-lo e a perdoar a si mesmo por suas interpretações equivocadas.

Um comentário final: Jesus não e machista. A primeira Pessoa da Trindade, óbviamente, é o Plenum Cósmico/ Deus. Deus é a Fonte de tudo o que é. O Curso freqüentemente refere-se a Ele como o Pai, que mais uma vez é claramente parte da tradição judaico cristã. Ele também é chamado de Criador, e tudo vem d’Ele. A natureza de Deus, em essência, é puro espírito e, porque Deus é imutável, sem forma, eterno, e espiritual, nada que não compartilhe esses atributos pode ser real. É por isso que o Curso diz que o mundo não é real e não foi criado por Deus. O mundo é mutável; não é eterno, e a sua forma é material. Portanto, não pode ser de Deus.

A segunda Pessoa da Trindade é Cristo. O que aconteceu na criação é que Deus naturalmente estendeu a Si mesmo. O estado natural do espírito é estender-se e fluir. A extensão de Deus é criação e a criação é conhecida como o Filho de Deus ou Cristo. O que é difícil para a nossa compreensão nisso é que as únicas palavras ou conceitos que podemos usar são aqueles do nosso próprio mundo, um mundo feito de percepção, que é limitado por tempo e espaço. Esse é o universo material que nós fizemos para substituir o Céu. No Céu, todavia, não há tempo ou espaço. Quando pensamos em Deus estendendo a Si mesmo, a única imagem que podemos ter é baseada em espaço e tempo, que não seria correta. Como o Curso nos diz nessas ocasiões, não vale a pena nem tentar compreender algo que não pode ser compreendido.

O livro de exercícios usa a expressão “devaneios sem sentido” (L-pI.:), e isso realmente é assim. Como Um Curso em Milagres declara, só podemos apreender a verdade através de uma experiência de revelação, e não poderíamos colocar isso em palavras; as palavras são apenas símbolos de símbolos — são, portanto, duplamente afastadas da realidade (M-:-O). O Filho de Deus ou Cristo também estende a Si mesmo. A extensão de Deus é Seu Filho, e Ele é chamado Cristo. Cristo é um só: existe apenas um Deus e apenas um Filho. Em outras palavras, o Filho de Deus também estende o Seu espírito de modo similar a Deus estendendo Seu espírito. Isso nos leva a um dos termos mais ambíguos no Curso: “criações”. Quando o Curso se refere às criações, ele está se referindo as extensões do espírito de Cristo. Assim como Deus criou Cristo, Cristo também cria. E as extensões de Cristo no Céu são conhecidas como criações. Quando encontramos essa palavra é suficiente compreendermos que ela apenas significa o processo natural de extensão do espírito. Um Curso em Milagres torna muito claro, e esse é um ponto muito importante, que apesar de nós, enquanto Cristo, criarmos como Deus, nós não criamos Deus. Nós não somos Deus. Somos extensões de Deus, somos Filhos de Deus, mas não a Fonte. Existe apenas uma Fonte e essa é Deus. Acreditar que somos Deus, que somos a Fonte do Ser, é fazer exatamente o que o ego quer, e isso é acreditar que somos autônomos e podemos criar Deus assim como Deus nos criou.

Naquele mesmo instante em que acreditamos ter separado a nós mesmos de Deus, estabelecemos todo um novo sistema de pensamento e Deus enviou a Sua Correção para desfazer esse erro. Ele é a terceira Pessoa da Trindade. É a primeira vez que Jesus fala especificamente do Espírito Santo e explica o papel do Espírito Santo: Ele é a Resposta para a separação.. Um Curso em Milagres descreve o Espírito Santo como o Elo de Comunicação entre Deus e Seu Filho separado (T-I.:l). Já que acreditamos que estamos separados de Deus—Deus está lá e nós estamos aqui—o Espírito Santo é a Resposta e desfaz a separação pois atua como um elo entre o lugar onde pensamos estar e onde estamos verdadeiramente, que é de volta com Deus. O fato de existir um elo nos diz que não estamos separados. Assim, no momento que acreditamos existir uma separação, naquele mesmo instante Deus a desfez. E assim o desfazer da separação é o Espírito Santo. Esse é o sistema de pensamento conhecido como Mentalidade Una, e é a base de sustentação para tudo que vamos abordar. Não é algo que possa ser compreendido, tem que ser aceito. Quando estivermos de volta no Céu, nós compreenderemos e não teremos mais perguntas.

****************************************************************************************************************

A SEPARAÇÃO E A EXPIAÇÃO -I. As origens da separação

1. Estender-se é um aspecto fundamental de Deus, que Ele deu a Seu Filho. Na criação, Deus estendeu-Se às Suas criações e as imbuiu da mesma Vontade amorosa de criar. Tu não só foste plenamente criado, como foste criado perfeito. Não há nenhum vazio em ti. Devido à tua semelhança com o teu Criador, és criativo. Nenhuma criança de Deus pode perder essa capacidade porque é inerente ao que ela é, mas pode usá-la de maneira imprópria através da projeção. O uso impróprio da extensão, ou projeção, ocorre quando acreditas que existe em ti algum vazio ou alguma falta e que podes preenchê-lo com as tuas próprias idéias em vez da verdade. Esse processo envolve os seguintes passos: Primeiro, acreditas que o que Deus criou pode ser mudado pela tua própria mente. Segundo, acreditas que o que é perfeito pode ser tornado imperfeito ou falho. Terceiro, acreditas que podes distorcer as criações de Deus, inclusive a ti mesmo. Quarto, acreditas que podes criar a ti mesmo e que a direção da tua própria criação depende de ti.

2. Essas distorções interligadas representam um retrato do que de fato ocorreu na separação, ou seja, o “desvio para o medo”. Nada disso existia antes da separação nem, de fato, existe agora. Tudo o que Deus criou é como Ele. A extensão, como foi empreendida por Deus, é similar à radiância interior que as crianças do Pai herdam Dele. Sua fonte real é interna. Isso é tão verdadeiro em relação ao Filho quanto em relação ao Pai. Nesse sentido, a criação inclui tanto a criação do Filho por Deus quanto as criações do Filho quando a sua mente está curada. Isso requer que Deus tenha dotado o Filho com livre arbítrio, porque toda a criação amorosa é dada livremente em uma linha contínua, na qual todos os aspectos são da mesma ordem.

3. O Jardim do Éden, ou a condição anterior à separação, era um estado da mente no qual nada era necessário. Quando Adão deu ouvidos às “mentiras da serpente”, tudo o que ouviu não era verdade. Não tens que continuar a acreditar no que não é verdadeiro, a não ser que escolhas fazê-lo. Tudo aquilo pode literalmente desaparecer num abrir e fechar de olhos porque é apenas uma percepção equivocada. O que é visto em sonhos parece ser muito real. O mundo ainda não experimentou nenhum despertar ou renascer em escala absoluta. Tal renascimento é impossível enquanto continuares a projetar ou criar equivocadamente. Contudo, a capacidade de estender assim como Deus estendeu a ti o Seu Espírito permanece ainda dentro de ti. Na realidade, essa é a tua única escolha porque o teu livre arbítrio te foi dado para a tua alegria em criar o que é perfeito.

4. Todo medo, em última instância, é passível de ser reduzido à básica percepção equivocada de que tens a capacidade de usurpar o poder de Deus. Óbviamente, não podes, nem tens sido capaz de fazer isso. Aqui está a base real para escapares do medo. O escape é efetuado pela tua aceitação da Expiação(=desfazer), que faz com que sejas capaz de reconhecer que os teus erros realmente nunca ocorreram. Se uma luz súbitamente se acende enquanto alguém está sonhando um sonho amedrontador, ele pode inicialmente interpretar a própria luz como parte do seu sonho e ter medo. Todavia, quando acorda, a luz é percebida corretamente como a liberação do sonho, ao qual já não mais se confere realidade. Essa liberação não depende de ilusões. O conhecimento que ilumina não só te põe em liberdade, mas te mostra também claramente que tu és livre.

5. Quaisquer que sejam as mentiras em que possas acreditar, não concernem ao milagre, que pode curar qualquer uma com a mesma facilidade. Ele não faz distinções entre percepções equivocadas. A única coisa que concerne a ele é distinguir a verdade de um lado e do outro o erro. Alguns milagres podem aparentar maior magnitude que outros. Mas lembra-te do primeiro princípio deste curso: não há nenhuma ordem de dificuldades em milagres. Na realidade, tu és perfeitamente intocável por todas as expressões de falta de amor. Essas podem vir de ti e de outros, de ti para os outros e dos outros para ti. A paz é um atributo em ti. Não podes achá-la do lado de fora. A enfermidade é alguma forma de busca externa. A saúde é paz interior. Ela te permite permanecer imperturbado pela falta de amor externo e ser capaz, através da tua aceitação dos milagres, de corrigir as condições resultantes da falta de amor nos outros.

A Expiação como defesa

1. Tu podes fazer qualquer coisa que eu pedir. Eu te pedi para apresentar milagres e esclareci que os milagres são naturais, corretivos, curativos e universais. Não há nada que não possam fazer, mas não podem ser apresentados no espírito da dúvida ou do medo. Quando tens medo de qualquer coisa, estás admitindo que ela tem o poder de ferir-te. Lembra-te de que onde está o teu coração, aí está também o teu tesouro. Tu crês no que valorizas. Se estás com medo, inevitavelmente estás valorizando de forma errada. A tua compreensão dotará então todos os pensamentos com igual poder e inevitavelmente destruirás a paz; por isso que eu digo que a “paz de Deus que excede o entendimento”. Essa paz é totalmente incapaz de ser abalada por erros de qualquer espécie. Nega que qualquer coisa que não venha de Deus tenha a capacidade de afetar-te. Esse é o uso apropriado da negação. Não é usada para esconder nada, mas para corrigir o erro. Ela traz todos os erros à luz, e como o erro e a escuridão são a mesma coisa, corrige o erro automaticamente.

2. A verdadeira negação é um instrumento de proteção poderoso. Podes e deves negar qualquer crença em que o erro possa ferir-te. Esse tipo de negação não é um encobrimento, mas uma correção. A certeza da tua mente depende dele. A negação do erro é uma forte defesa da verdade, mas a negação da verdade resulta em criação equivocada, que são as projeções do ego. A serviço da mente certa, a negação do erro liberta a mente e restabelece a liberdade da vontade. Quando a vontade é realmente livre, não pode criar equivocadamente porque só reconhece a verdade.

3. Tu podes defender a verdade assim como o erro. Os meios são mais fáceis de serem compreendidos depois que o valor da meta está firmemente estabelecido. A questão é saber para que isso serve. Todo mundo defende seu tesouro e fará isso automaticamente. As questões reais são: qual é o teu tesouro e quanto tu o valorizas? Uma vez que tiveres aprendido a considerar essas questões e trazê-las a todas as tuas ações, terás pouca dificuldade em esclarecer os meios. Os meios estão disponíveis a qualquer momento em que os pedires. Contudo, podes economizar tempo se não protelares esse passo de forma indevida. O enfoque correto vai encurtá-lo incomensuravelmente.

4. A Expiação é a única defesa que não pode ser usada destrutivamente porque não é um instrumento feito por ti. O princípio da Expiação estava em efeito muito antes de começar a Expiação. O princípio era amor e a Expiação um ato de amor. Atos não eram necessários antes da separação porque a crença em espaço e tempo não existia. Foi só depois da separação que a Expiação e as condições necessárias para que ela fosse cumprida foram planejadas. Então se fez necessária uma defesa tão esplêndida que não pudesse ser usada equivocadamente, embora pudesse ser recusada. A recusa, contudo, não podia transformá-la em uma arma de ataque, que é a característica inerente às outras defesas. A Expiação torna-se, assim, a única defesa que não é uma espada de dois gumes. Só pode curar.

5. A Expiação foi construída dentro da crença no espaço-tempo de forma a estabelecer um limite para a necessidade da própria crença e, em última instância, para tornar o aprendizado completo. A Expiação é a lição final. O aprendizado em si, assim como as salas de aula em que ocorre, é temporário. A capacidade de aprender não tem nenhum valor quando a mudança já não é necessária. O que são eternamente criativos não têm nada a aprender. Tu podes aprender a melhorar as tuas percepções e podes vir a ser um aprendiz cada vez melhor. Isso te levará à um acordo cada vez maior com a Filiação, mas a Filiação em si mesma é uma Criação perfeita e a perfeição não é uma questão de grau. O aprendizado só é significativo enquanto existe uma crença em diferenças.

6. A evolução é um processo no qual aparentemente passas de um estágio ao seguinte. Corriges os teus passos equivocados anteriores caminhando para a frente. Esse processo é, de fato, incompreensível em termos temporais, porque retornas na medida em que avanças. A Expiação é o instrumento através do qual podes te libertar do passado na medida em que avanças. Ela desfaz os teus erros passados, assim fazendo com que seja desnecessário que tenhas que ficar revendo os teus passos sem avançar para o teu retorno. Nesse sentido, a Expiação economiza tempo, mas como o milagre ao qual serve, não o abole. Enquanto houver necessidade da Expiação há necessidade de tempo. Mas, a Expiação como plano já completo, tem uma relação singular com o tempo. Até que a Expiação esteja completa, suas várias fases vão prosseguir no tempo, mas toda a Expiação situa-se no fim dos tempos. Naquele ponto foi construída a ponte do retorno.

7. A Expiação é um compromisso total. Ainda podes pensar que isso está associado à perda, um equívoco que todos os Filhos de Deus separados fazem de uma forma ou de outra. É difícil acreditar que uma defesa que não pode atacar seja a melhor defesa. É isso o que quer dizer “os mansos herdarão a terra”. Eles literalmente a conquistarão devido à sua força. Uma defesa que funciona em duas direções é intrinsecamente fraca, precisamente porque tem dois gumes e pode voltar-se contra ti de forma muito inesperada. Essa possibilidade não pode ser controlada a não ser pelos milagres. O milagre volta a defesa da Expiação para a tua real proteção, e na medida em que vens a ser cada vez mais seguro,assumes o teu talento natural de proteger os outros, conhecendo a ti mesmo como um irmão e um Filho.

*********************************************************************************************************************

Lição 003 – “Eu não compreendo coisa alguma do que vejo neste quarto [nesta rua, desta janela, neste lugar].”


1. Aplica essa idéia do mesmo modo que as anteriores, sem fazer qualquer tipo de distinção. O que quer que vejas vem a ser um sujeito apropriado para aplicar a idéia. Certifica-te de não questionar a adequação do que quer que seja para a aplicação da idéia. Estes não são exercícios de julgamento. Qualquer coisa é adequada, desde que a vejas. Algumas das coisas que vês podem ter um significado emocionalmente carregado para ti. Tenta colocar esses sentimentos de lado e meramente usa-as, assim como usarias outra coisa qualquer.


2. O sentido dos exercícios é o de ajudar-te para que limpes a tua mente de todas as associações passadas para veres as coisas exatamente como aparecem para ti agora, e para que reconheças quão pouco realmente compreendes a respeito delas. Portanto, é essencial que mantenhas uma mente perfeitamente aberta e desembaraçada de julgamento ao selecionar as coisas às quais a ideia para o dia deve ser aplicada. Para esse propósito, uma coisa é como qualquer outra, igualmente adequada e, portanto, igualmente útil.

****************************************************************************************************************

SITE OFICIAL DE UM CURSO EM MILAGRES

http://www.umcursoemmilagres.com.br/ucem_lhasa.html

UM_CURSO_EM_MILAGRES_COMPLETO.pdf

Nota:Biblioteca VirtualCONSULTE NOSSO CANAL DE VÍDEOS

Divulgação: A Luz é Invencível
A “Luz é Invencível” tem por norma não publicar links que não estejam ligados ao texto postado.Pedimos a compreensão de todos, e para qualquer dúvida, temos nossa caixa de sugestões onde todos podem livremente fazer suas colocações que serão arquivadas para consultas posteriores.
Nós agradecemos a compreensão de voces.

********************************************************************************************************************