Criei este Blog para minha Mãe Cigana Rainha do Oriente, sendo uma forma de homenageá-la, bem como postar assuntos atuais e de caráter edificante, lindas mensagens, poesias de luz, também aqui brindemos á amizade verdadeira e elevemos o principal em nós ou seja a essência Divina, Deus e a Espiritualidade em geral.

sábado, 24 de setembro de 2016

A VIDA INTERIOR:




“Estamos sonhando em um mundo simbólico, apenas ligeiramente acordados para o que é real”.~Arthur Deikman, M.D.

“Ele não está ocupado nascendo, está ocupado morrendo”.~Bob Dylan


Algo não está certo… Você sente isso… Você pode experimentar este sentimento irritante por um longo tempo. Então você provavelmente apenas tenta ignorá-lo e espera que ele vá embora, mais cedo ou mais tarde, o irritante persistente finalmente traz a ideia à sua mente, de que existe algo muito estranho sobre a maneira como o mundo é. Talvez você sinta como se estivesse no cinema assistindo a um filme e ainda assim você sente que tem algo errado com o filme que você está vendo. As imagens estão todas lá, mas há uma sensação de que algo está fora de sequência, ou os quadros estão passando fora do tempo “normal”. No entanto, depois de um tempo você se acostuma com o estilo do filme, seus sentidos se ajustam ao ritmo e você perde a sensação de estranheza ficando atraído pelo espetáculo e segue junto no passeio…

…O filme tenta lhe mostrar que o mundo não tem um grande significado, que a vida humana é uma anomalia acidental, mas conforme você anda pela rua, se envolve com os amigos, se apaixona, segue seus sonhos, você experimenta sentido e significado… Espere, aquela falha no filme voltou novamente, algo sobre a “aleatoriedade” e “falta de sentido” que não faz sentido… Sua experiência pessoal lhe mostrou algo diferente… E depois ainda existe aquela sensação incômoda novamente… Em algum lugar, ela estava lá.

Vida é vida e a maioria das pessoas passa por estas provações de alegria, aventura, desafio, amor e todo o resto. Ela é a mesma para todos nós, no entanto, nem sempre ocorre no mesmo campo de jogo. Existe uma perspectiva diferente que pode ter uma posição relativamente diferente no mundo. Podemos ver o mundo em que vivemos apenas como um fenômeno exterior, ou podemos optar por vê-lo também como uma expressão de nossa vida interior.

Considero o Cosmos não apenas como uma expressão de equações matemáticas, mas como um jogo de forças líricas que como um ser vivo, está cheio de amor, admiração e curiosidade alegre pela aventura. Muitas vezes me pergunto como seria viver com a visão de que a vida humana é o resultado de forças aleatórias, acidentais, como um acontecimento sem sentido, obrigada a viver os seus anos na parte de trás de uma rocha morta arremessado por um Universo sem vida. Lembro-me do “Mito de Sísifo “, uma figura da mitologia grega que foi condenado a repetir por toda a eternidade a mesma tarefa sem sentido de empurrar uma pedra montanha acima, só para vê-la rolar para baixo novamente e, em seguida, empurrá-la novamente, infinitamente. Para mim, este ponto de vista exterior sem vida da vida é um verdadeiro absurdo [i]. E ainda assim as exigências físicas de uma vida normal nos obrigam a concentrar o nosso olhar continuamente no exterior, onde nossa consciência desperta tem que lidar diariamente com todos os impactos e barulho vindo do exterior, é um trabalho muito físico que pode, e muitas vezes faz, ocupar toda a consciência e percepção consciente de uma pessoa. No entanto, algumas pessoas olham para fora deste mundo, direcionam o olhar para o seu interior. Refiro-me a isto como a vida interior, pelo qual uma pessoa sente profundamente, sabe intuitivamente que existe outra perspectiva sobre a vida, que é muito mais rica, penetrante e sutil e ainda que deve ser buscada com todo o seu esforço.

Existem muitas pessoas, na verdade elas podem ser a maioria, que nunca buscaram ou sentiram um impulso para a vida interior. Elas nunca pararam para perguntar não apenas um “por que estou aqui ?” Mas também “como eu vim parar aqui?” Esta é uma questão fundamental que parece incomodar algumas pessoas. Não é injusto dizer que algumas pessoas só conhecem a si mesmas pelo nome que elas usam por toda a vida. Se pressionadas, teriam dificuldades para realmente se distinguir dos outros que carregam atitudes e opiniões condicionadas semelhantes. E, no entanto esta percepção está muitas vezes escondida delas.

Talvez o choque de tal reconhecimento pudesse perturbar muito o nosso equilíbrio mental e emocional. Por isto a maioria das pessoas continua a se identificar e se individualizar através do nome que ostenta ou o trabalho que ela escolheu exercer. Isto é evidente no momento em que alguém é perguntado quem ele é, ele responde com o seu nome ou a sua ocupação. É uma questão muito inquietante para algumas pessoas se elas puderem responder a esta pergunta somente com a sua função de trabalho ou o seu nome. Também é verdade que na maioria das vezes esta pergunta socialmente aceita só é solicitada e dirigida a uma pessoa em um nível superficial e banal. E assim, a pessoa realmente permanece um mistério ao longo da vida. Esta é uma condição comum para a maioria de nós. …Lá vem aquele filme novamente e ele está dizendo que a sua experiência consciente é apenas uma consequência do funcionamento químico do cérebro, eu faço isto, eu faço aquilo, eu vejo isto, eu sinto aquilo, eu acho que isto… Mas o “eu” é apenas um estado de consciência que vem como um subproduto de um complexo de neurônios… Mas espere um minuto, eu não acabei de observar os meus próprios pensamentos e sentimentos… O que está de novo partindo do “eu” ? É este, o meu verdadeiro eu ? Ou este observador dos meus pensamentos é apenas mais um subproduto neuronal observando o funcionamento de um outro subproduto aleatório ?… Ah, aqui está o filme de novo, vou seguir o seu roteiro, esqueci a falha novamente…

Existe também o caso em que muitas pessoas se rebelam contra sua natureza essencial, sabem elas disto ou não. As pessoas podem dizer mil coisas, ou apenas uma coisa e, no entanto, em cada momento falado elas se afastam do essencial. Mais uma vez, o que é conhecer a si mesmo ? Para crescer, para se desenvolver, para alcançar o entendimento e a autoconsciência, o que essas coisas significam para a pessoa todos os dias ? Na melhor das hipóteses, a sociedade tornou-os conceitos abstratos, ou formas de pensamento positivo. Dentro de nossas culturas específicas estamos tão acostumados a viver em um nível primário, básico, à nível de sobrevivência, que passamos muito pouco tempo prestando atenção no nosso interior. Na verdade, a noção de um mundo interior, muitas vezes continua a ser um luxo para poucos. O resto de nós prefere continuar gerenciando e lidando com a vida normal.

E assim vivemos com muitas perguntas não reconhecidas, deixando de notá-las ou ignorando o nosso interior. Será que já nos perguntamos por eventos que acabaram desta maneira ? Ou será que as forças de divisão, polaridade e ignorância que impulsionam o nosso mundo são tão convincentes que não buscamos nenhuma outra razão (ou desculpa ?) para as esquisitices do nosso mundo e sua realidade incongruente ? Talvez nós não encontramos nenhuma necessidade imperiosa de querer ver as coisas de uma maneira diferente. Na verdade, algumas pessoas procuram ativamente esquecer e não param para questionar.

A compulsão para esquecer é susceptível de ser racionalizada, chamando-a por outro nome. Através da busca de diversões prazerosas e distrações através do entretenimento, desafios, ou atividades que causam dependência, as pessoas estão realmente procurando esquecer. A mitologia grega conta que antes da alma humana encarnar neste mundo ela bebe no rio do esquecimento, um dos cinco rios do submundo, para que ela não se lembre de suas origens divinas. Da mesma forma, existe uma lenda judaica que fala de como somos golpeados na boca por um anjo antes do nascimento de modo que não podemos falar das origens divinas do nosso pré nascimento. Nós viemos de origens inspiradas e sagradas, mas quando chegamos a esta realidade terrena ficamos emudecidos e necessitados. Ou melhor, talvez seja apenas a chave que nos falte, o guia fundamental para desbloquear as nossas memórias e direcionar o olhar para o nosso interior e o desejo de alma. A verdade pode ser que ao invés de esquecer quem somos, de fato estamos aqui para lembrar quem somos.

Às vezes é uma tragédia ou uma catástrofe que aciona a pessoa para recordar e procurar respostas. Em uma escala maior, talvez seja necessário a humanidade chegar a um ponto de crise em seu materialismo, consumismo e sistemas sociais, para que surja dentro das pessoas a necessidade de buscar algo mais. A vida interior é reconhecer que a natureza essencial do ser humano é buscar algo mais, algo além. Esta necessidade de comunhão com algo maior foi tentada ser preenchida pelos religiosos e / ou tradições espirituais. No entanto, a necessidade do ser humano de uma vida significativa, de desenvolvimento, ainda não foi atendida por nossa sociedade através da religiões, especialmente nas culturas altamente industrializadas. Nós desenvolvemos nossa fé, nossa razão, nossas atividades mentais, nós instalamos indústrias e criamos tecnologias inovadoras, mas ainda não conseguimos trabalhar nós mesmos. Nós não conseguimos elevar nossa alma.

Cultivar os valores da alma, bem como cuidar da alma não são especificamente atividades introvertidas ou monásticas, elas não requerem introspecção firmes ou uma retirada dramática do mundo. O poeta romântico Keats disse: “Ligue para o mundo, por favor, se você vai buscar o benefício de cultivar os valores da alma”. É minha opinião que “os valores da alma” precisam ser reimaginados e reintegrados na nossa sociedade. Não precisamos voltar para o animismo ou uma alquimia para encontrar os valores da alma. Podemos encontrá-lo aqui, no cotidiano, AGORA. A expressão genuína de uma verdade não toma nenhuma forma fixa. Autodesenvolvimento, ou auto aperfeiçoamento, se preferir, não é uma ideologia ou uma ciência fixa. É um direito humano básico. A vida interior deve ser reconhecida como uma necessidade inerente ao ser humano e deve ser socialmente aceitável e incentivada a parte de olharmos diretamente em sua direção. Afinal, se o Sol exterior sobe, mas o sol interior não, então nada foi adquirido.
“O UM é o arquiteto do interior. Que trabalha na arquitetura de interiores”.~Anon


[I] Não é de se admirar então que o filósofo francês Albert Camus escreveu um ensaio intitulado “O Mito de Sísifo” (1942), onde descreve a busca inútil do homem para encontrar sentido em um mundo ininteligível.

©Kingsley L. Dennis

Origem: kingsleydennis

Tradução e Divulgação: A Luz é Invencível