Criei este Blog para minha Mãe Cigana Rainha do Oriente, sendo uma forma de homenageá-la, bem como postar assuntos atuais e de caráter edificante, lindas mensagens, poesias de luz, também aqui brindemos á amizade verdadeira e elevemos o principal em nós ou seja a essência Divina, Deus e a Espiritualidade em geral.

domingo, 24 de março de 2013

ÉTICA NAS ORAÇÕES:


Ética nas Orações

Imagine que um parente seu fica doente, o que você faria?

1.Dar apoio e ficaria próximo

2.Orar e desejar que tenha saúde e vitalidade.

3.Usaria como pretexto para converter as pessoas a sua volta, chateando os outros num momento delicado e difícil.

Já vi evangélicos orando várias vezes ao dia para que Jesus toque eles (outras pessoas) e vejam o quão ruim a vida deles estão, que quebrante eles, que eles percebam o erro que estão vivendo por não serem verdadeiramente cristãos, que Deus crie meios e formas para se converterem e verem a sua verdade, que perceberam a sua glória e o desperdício que era a sua vida até então, que deixem suas crenças atuais porque são malignas, que a vida da pessoa está ruim porque na crença dela só se manifestam demônios, que percebam o erro que é estar no "mundo", termo genérico pejorativo para não cristãos, mas qual é peso dessas palavras? O que significam individualmente e juntas num pedido? Quais as implicações sutis/espirituais dessas palavras?

Pedir a Deus que crie o máximo de meios e oportunidades para uma pessoa se converter, sem pensar nas consequências diretas e implicações reais do que acontece espiritualmente a partir dali é muito errado e inconsequente. Não é porque apenas é em nome de Deus que está tudo certo, há vários poréns, e se pessoa não quiser essa religião? Você está usurpando o livre arbítrio alheio dela, não só isso mas você pode estar prejudicando a vida de um terceiro, você pode estar torcendo eventos sutis que impliquem em debilitar e desvitalizar a pessoa de alguma forma para que ela se sensibilize mais a sua crença, na prática, você pode estar vendendo a cura de uma doença que você mesmo causou.

Usar deliberadamente uma situação triste, delicada e difícil como palanque religioso, não é ético nem a nível humano como espiritual, em magia e para-psiquismo é abordado muito isso, de descrever o que você quer num intento, com muitas vírgulas e poréns, de como você quer que seu desejo ou intenção se realize, para não haver equívocos quanto a como as sincronicidades vão atuar e manifestar aquilo, e elas não acabarem te prejudicando ou prejudicando pessoas a sua volta no processo, como por exemplo, há uma citação clássica de a pessoa utilizar mentalizações ou rituais para ficar rico rapidamente e simplesmente alguém da família morre e a pessoa herdar parte dessa herança. Seguindo esse princípio, não se tenta converter alguém a todo e qualquer custo, no processo você pode acabar desvitalizando a pessoa dessa forma.

Como você se portaria em saber que foi criador de uma doença terminal para um parente próximo? As sincronicidades (ou o espírito santo se manifestando como queira chamar) agem como você pediu, sem julgar e pelo jeito mais fácil e rápido para elas, e ai? Se o indivíduo não se converter? E se ele não for curado? E se ele morrer? Toda vez que alguém próximo a mim não-evangélico vira alvo de orações pra se converter é impressionante o aumento de "coincidências" reafirmando como a vida da pessoa é e está ruim por supostamente não ser cristão, são as famosas profecias autoconcretizáveis dos neopentecostais “de os ímpios nunca estarem bem”. Não é por menos que muitos novos convertidos mostram um padrão nos seus relatos, de logo antes de se converterem terem passado por maus bocados, de repente a mesma crença que "supostamente" o libertou, foi a que criou aquelas dificuldades pra começo de conversa, dessa forma, de quebra ainda conseguem reafirmar estereótipos infundados e preconceituosos que as outras crenças, religiões e filosofias são ruins porque estavam na pior antes de chegarem ali na igreja.

Astralmente/espiritualmente essas orações de conversão a todo custo fazem o que com o alvo? É um braço de ferro espiritual, um braço de ferro de força de vontade, você está tentando impor a sua vontade sobre a de um terceiro por meios espirituais, eventualmente ele se cansa desse braço de ferro. A pessoa está numa briga levando porrada e nem sabe, e aos poucos começa a ser favorável a causa da crença em questão e a pensar como você queria. Dizer que a pessoa se converteu de bom grado, conscientemente e de forma lúcida é uma piada, já que a pessoa nem mais se reconhece direito, principalmente porque seus pensamentos nem são mais somente seus. Nesse processo alguns ficam debilitados em uma área da vida, afinal por que você mudaria de opinião se está tudo bem? (e lá na frente vão dizer que é uma maldição familiar que precisa ser quebrada ou qualquer coisa do tipo, ou o demônio da discórdia ou demônio do roubo na vida da pessoa, criam o problema e dizem que é um demônio que precisa ser tirado da pessoa ali na igreja) fora isso você vai acumulando esforços para alterar os eventos ou sincronicidades em volta da pessoa para que facilitem o intento, no caso a conversão, para que a pessoa se sensibilize mais a sua proposta, se a pessoa estava bem antes de você começar a orar para que ela se converta e não está mais, não tenha dúvidas, você é o coautor da situação em que esse indivíduo se encontra.

Tentar quebrar a vontade de alguém é pura e simples magia negra até onde sei, não importa em nome de quem você esteja "supostamente" falando, cadê o famigerado livre arbítrio?

Uma oração de conversão a todo custo dessas não difere em nada de um trabalho de amarração amoroso. A pessoa do mesmo modo egoico acha que está certa, que esta fazendo o melhor, que está no seu merecimento, e se utiliza de meios espirituais para mudar a cabeça de um terceiro, com a diferença que na amarração a pessoa está gerando um fascínio de uma pessoa para ela mesma e no caso de conversão, um fascínio por uma crença. Se você quer apresentar uma crença a uma pessoa haja de forma honesta, direta e ética e fale pessoalmente com a pessoa e dê essa oportunidade a ela de decidir conscientemente o que quer, ao invés de agir pelas costas sorrateiramente e tentar quebrar a vontade dos outros usando de desculpinhas espirituais.

Dizer: não obrigo ninguém a ser da minha religião, não discuto com os outros para que a aceitem ou se convertam, mas faz mais de 10 orações ao dia amaldiçoando a crença atual do indivíduo e seu estilo de vida (aqueles montes de afirmações negativas várias vezes ao dia na vida da pessoa, você acha que é o que?) e pedindo a Deus que fulaninho se converta e viva nos moldes em que você quer é um contrassenso. Você não briga a nível social mas ataca pelas costas a nível espiritual até subjugar uma outra consciência? Isso é colocar o ego nas suas orações e dizer que é em nome de Deus, tentando fazer terceiros aceitarem sua visão de mundo e viver como você quer a todo e qualquer custo. Deus não tem nada a ver com isso.

Ps. Nada contra quem é cristão e vive bem com essa crença, o texto é apenas pra galera que não aceita que existam outras formas de espiritualidade e ficam perseguindo e assediando não cristãos por aí até se converterem ou fazendo lavagem cerebral por meios espirituais.

_________________________________________________________________________________

A coluna O Pergaminho Mágico é de autoria de Frater Hefestos, Espiritualista, estudante e praticante de Religiões Comparadas. 

Abraço a todos