Criei este Blog para minha Mãe Cigana Rainha do Oriente, sendo uma forma de homenageá-la, bem como postar assuntos atuais e de caráter edificante, lindas mensagens, poesias de luz, também aqui brindemos á amizade verdadeira e elevemos o principal em nós ou seja a essência Divina, Deus e a Espiritualidade em geral.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

CHAVES PARA O AUTOCONHECIMENTO E A CURA-Descubra seus Potenciais







Autodescobrir-se é conhecer seus próprios potenciais internos, perceber a capacidade de realização pessoal e enfrentar os processos de que a Vida exige envolvimento e solução. Quando nos conscientizamos que somos feitos da matéria prima de Deus, o espírito imortal, adquirimos a consciência de nosso poder interno. A consciência da indestrutibilidade do espírito, isto é, de si mesmo, é fator fundamental para a descoberta e desenvolvimento dos potenciais interiores. Nossos potenciais são capacidades internas não utilizadas face ao desvio de energia psíquica para os desejos egóicos. Tais desejos, calcados no egoísmo atávico, resultante do nível de evolução da maioria dos habitantes do planeta, impedem que enxerguemos as habilidades já conquistadas em vidas passadas, bem como aquelas que podemos desenvolver na atual. O desenvolvimento dessas habilidades pode ser impulsionado pelos pais, principalmente por aqueles que demonstraram capacidade de realização frente ao mundo, nas várias dimensões da Vida. Quando não são os pais que impulsionam, são os exemplos de familiares mais destacados no grupo, de professores, de mestres, de figuras religiosas, de heróis, bem como daqueles que constróem uma boa relação produtiva com a sociedade. Para desenvolver e fazer desabrochar os potenciais do espírito, devemos acreditar em nossa criatividade e impulsioná-la para além dos limites impostos pela consciência racional, buscando penetrar nos meandros da mente, à maneira dos artistas, poetas e místicos da humanidade. Não há limites quando, através da oração sincera a Deus, e integrados nos Seus propósitos, usamos a inspiração, a intuição e a criatividade. Além da oração pode-se descobrir o próprio mundo interior através de meditações e de processos analíticos terapêuticos. A Vida deve se tornar disponível para o Self, visto que nele se encontra a matriz diretora gerada pelo espírito.

Futuro

Não podemos esquecer de que o funcionamento da mente humana só é possível graças à consciência da existência de um futuro. A forma como o configuramos psicológicamente é fator importante, não só para o nosso destino como também para a manutenção do equilíbrio psíquico. No processo de autodescobrimento devemos pensar e idealizar nosso futuro, tentando antevê-lo como forma de não se pensar estar à deriva ou mesmo de viver apenas do conhecimento do passado e de suas conseqüências. O futuro é uma função onde interferem fatores externos e internos. Sua realização dependerá da nossa vontade e de circunstâncias coletivas às quais todos estamos sujeitos. Todos queremos prognosticar nosso futuro. E queremos que ele seja promissor e venha a nos trazer felicidade. O autodescobrimento permite que interfiramos na parcela do futuro que depende de nossa exclusiva vontade, que estará mais fortalecida com as descobertas de nossos potenciais interiores. Para muita gente ele se constitui numa incógnita que pertenceria unicamente a Deus. Porém, à criatura mais amadurecida no processo evolutivo, ele deixa de ser algo desconhecido que induziria ao medo e à angústia. A visão do futuro, como algo que se constrói a cada momento, permite que o indivíduo se tranqüilize em relação às adversidades que porventura venha a enfrentar, visto que a felicidade é conquista certa acessível a todos.

Minha Sombra

O conhecimento da sombra é outro fator importante no processo de autodescobrimento, pois possibilita a percepção dos aspectos desconhecidos da personalidade e daqueles que não são desejados, portanto negados. Por muito tempo aprendemos que devemos reprimir o mal e evitar exteriorizar nossa agressividade, bem como policiar nossas atitudes. Porém o mal sempre foi algo que sofreu modificações de acordo com a época e com a cultura das sociedades, não sendo um ente muito bem compreendido. Ao invés de negar o mau e de evitar agressividade, seria mais adequado conhecer sua natureza em mim e utilizá-lo de forma produtiva no meu processo existencial. O mal em mim, quando trabalhado equilibradamente se transforma em bem para mim. A agressividade quando dirigida se transforma em ferramenta construtiva do nosso progresso. Tudo que existe no ser humano como motivo inconsciente que o incomoda, pode ser redirecionado adequadamente para sua felicidade. Negar ou acreditar que tais aspectos não têm importância é subestimar seus poderes de ação. Tudo que desconheço em mim se torna condutor de meu destino, visto que age à minha surdina sem que lhe direcione o sentido ou lhe dê uma função útil. Muitas vezes, por força da cultura, o que chamo de mal é apenas minha visão equivocada do que poderia ser um bem. Por este motivo, existem dois tipos de sombra: a negativa e a positiva. A sombra negativa contém aquilo que nego que sou ou não aceito em mim. Muitas vezes ela é projetada nas pessoas que nos parecem apresentar aquela característica que, inconscientemente, não aceitamos em nós mesmos. Geralmente desenvolvemos sentimentos negativos por essas pessoas. A sombra positiva ou dourada contém aquilo que desconheço existir em mim ou que não sabia que já havia conquistado, ou que sou capaz de realizar. Contém aspectos positivos da personalidade, mas que, por motivos diversos, não consigo reconhecer. Também projetamos esses aspectos em pessoas que admiramos. As duas formas de sombra são aspectos da personalidade que se alicerçam em função das experiências adquiridas nas vidas sucessivas, ligadas às questões morais e que não são fáceis de serem desconectadas do conceito que temos de mal. São componentes da personalidade que, se negligenciados ou reprimidos, continuam influenciando sobremaneira a vida relacional dos indivíduos. É fundamental, portanto, reconhecer sua existência, integrar a face positiva e buscar uma forma de expressar a face negativa, de tal modo que não se constitua num obstáculo à manifestação da personalidade, nem traga sofrimentos insuportáveis. Devemos nos conscientizar de que, sempre que trazemos aspectos de nossa sombra para a consciência, não nos sentimos bem. A sombra traz coisas negadas e reprimidas por muito tempo, daí termos dificuldades em lidar com elas. A manifestação da sombra é um trabalho delicado que deve ser feito com cautela a fim de não nos deixarmos possuir por ela. Constelar a sombra é acreditar que aquele lado obscuro, considerado negativo da personalidade, é que deve prevalecer. É um equívoco. Minha sombra é minha companheira, da qual devo tomar ciência de seus traços e de suas características. É a parte de mim mesmo que devo tornar consciente e colocá-la a serviço de minha evolução espiritual, sem que seus aspectos aversivos me tomem.

Minhas Virtudes

No processo de autodescoberta devo conscientizar-me de minhas virtudes, mesmo que apenas reconheça que sejam embrionárias. Não se trata de aderir à vaidade ou ao orgulho acreditando ser algo que não se conquistou. É positivo afirmar ter virtudes, porém é negativo se deixar envolver demasiadamente por elas, acreditando-se superior. Faz parte de ter uma auto-imagem positiva, bem como gostar de si mesmo, descobrir essas qualidades interiores iniciadas ou já conquistadas Pelo mecanismo inconsciente da projeção, o bem que você enxerga em alguém possivelmente existe em você, mesmo que de forma rudimentar. As qualidades superlativas observadas em certas pessoas, podem ser por você desenvolvidas, já que é capaz de percebê-las em outrem. Verifique em que grau você já vivencia as virtudes abaixo. Se, em pelos menos uma oportunidade você conseguiu reconhecer que exerceu alguma delas, é sinal de que ela existe e pode ser desenvolvida e ampliado o seu exercício.

Paciência.

Capacidade de perceber o ritmo do outro compreendendo o momento adequado para atuar. Persistência tranqüila de quem sabe suportar. Serenidade e resignação diante de provas. Saber adiar recompensas.

Bondade.

Capacidade para renunciar em favor do outro de forma a lhe trazer felicidade. Brandura, doçura e benevolência para com o próximo. Doar sem desejar retribuição.

Amorosidade.

Capacidade de colocar a energia do amor no pensamento, na fala e nas ações. Propensão ao amor. Envolver-se pela energia divina da paz interior.

Empatia.

Capacidade de se colocar no lugar do outro, percebendo o que ele sente. Sentir como o outro. Ser tolerante e compreensivo com o outro.

Harmonia (estar em).

Capacidade de se sentir em equilíbrio interior, independente das circunstâncias externas. Sentir a suavidade da Vida. Estar de bem com a Vida e com as pessoas. Ter espírito conciliador. Harmonia é equilíbrio, é amor, é centração e descentração simultâneas, é ser e estar, é agir e calar, é dar e receber.

Determinação.

Capacidade de ser perseverante e de concluir o que inicia. Ter senso de decisão e oportunidade. Ser persistente em seus objetivos.

Seriedade.

Capacidade de agir com fidelidade a seus propósitos sem perder o endereço de seus objetivos. Coerência nas ações e inteireza de caráter. Senso de percepção das finalidades de suas atitudes.

Alegria.

Capacidade de se sentir bem e disponível para viver os processos da Vida com satisfação. Contentamento e júbilo com a Vida. Estado interno e externo de completude.

Sinceridade.

Capacidade de objetivar pensamentos e atitudes sem trair seus propósitos nem ferir o outro. Franqueza e lealdade diante do outro. Ação com lisura e sem dissimulação. Objetividade nas relações com o outro.

Humildade.

Capacidade de reconhecer seus limites e possibilidades. Percepção de igualdade com o próximo. Respeito e reverência pelo outro. Ação com respeito e simplicidade.

Gratidão.

Capacidade de reconhecer o valor do outro e de sua influência positiva, buscando retribuí-lo. Estar disponível para doar. Capacidade de saber remunerar e premiar.

Disposição de servir.

Capacidade de se permitir tempo e espaço para a ação em favor de outrem. Condição de quem se encontra centrado. Percepção da necessidade de agir em favor dos objetivos de Deus.

Paz.

Estado de equilíbrio interior em consonância com Deus. Administração equilibrada de conflitos íntimos. Plenitude interna.

Autotransformação

A autotransformação é o processo de retomada da própria vida a partir do referencial do Self, dispondo-se o indivíduo a atuar nela com o conhecimento de si mesmo e com a descoberta e utilização adequada dos próprios potenciais interiores. É um processo de relação com o mundo e que deve ser feito na convivência social, no contato com o que se lhe opõe, internalizando as experiências. A autotransformação ocorre quando nos dispomos a por em prova o que somos e verificando se o que acreditamos já ter conquistado pode ser posto em prática. Nessa fase do processo evolutivo descobrimos se os valores alicerçados na caminhada evolutiva de fato funcionam e se são consistentes em nossa personalidade. Muitas vezes pensamos já possuir determinadas virtudes, porém não as colocamos em prática não só diante das adversidades como também quando nos relacionamos com pessoas que nos opõem na forma de pensar e agir. Equivale a dizer que, entre os bons é fácil ser bom, porém entre os maus é que se prova a virtude do bem. É no processo de autotransformação que se torna possível esse embate. A percepção de que não conquistamos o que pensávamos possuir servirá de estímulo à real aquisição. Os campos de prova onde poderemos verificar se já estamos colocando em ação nossas virtudes se situam no ambiente da família originária e da gerada, nos grupos sociais de que fazemos parte, no ambiente profissional, nas relações amorosas e nas relações com os sistemas de controle da sociedade. A família originária é aquela na qual renascemos, e a gerada é a que constituímos. Muitas vezes elas se confundem face à convivência e afinidades entre seus membros. O processo de transformação interior decorre da necessidade da reforma íntima de pensamentos e emoções. É uma decisão interna de mudar, face à necessidade de se desligar de situações e conflitos que não mais favorecem o crescimento evolutivo. É uma exigência interna em se submeter às exigências do mundo sem se deixar sucumbir por ele. É um processo que nos permite viver no coletivo da sociedade, de acordo com nossos princípios morais, pondo-os em prática para avaliá-los e reavaliá-los.



Não é necessário atrito das relações humanas para estarmos atuando e transformando nossos valores. O ego, então conhecedor de si mesmo e após ter descoberto seus mecanismos de defesa e as potencialidades latentes, permitirá que o Self possa verdadeiramente dirigir o processo de desenvolvimento pessoal, alicerçando as aquisições do espírito. A autotransformação é a aplicação de uma filosofia de vida harmoniosa consigo mesmo, com o próximo e com a Vida. É a aplicação da harmonia interna no mundo externo, com todas as dificuldades inerentes ao convívio social. Nesse estado tornar-se-á possível colocar em ação a paz interior que já se conquistou, testando-a nos momentos difíceis e entre pessoas que nos pareciam problemáticas e com quem não tínhamos boas relações. Nessa fase do crescimento pessoal, o indivíduo deve também por em prática sua coragem de atuar na vida como pensa e sente, pois suas idéias, já buriladas no autoconhecimento e seus sentimentos já trabalhados no autodescobrimento, não serão inferiores àquelas que estejam sendo percebidas externamente. Isso significa ser mais verdadeiro e autêntico na vida, tendo o cuidado de não expor em demasia sua sombra. A autotransformação nos permite a condição flexível de assumir o que fazemos e fizemos sem receio de censuras e críticas. Nessa fase não é incômodo admitir os equívocos nem os defeitos, pois que se encontram devidamente percebidos e sendo trabalhados, isto é, em processo de reformulação. A mentira, antes utilizada de forma explícita ou velada, e, muitas vezes, encoberta pelos mecanismos de defesa, deixa de ser instrumento nas relações interpessoais. O que pensa e sente, devidamente depurado pelo conhecimento de si mesmo, pode ser expresso tendo em vista o grau de maturidade do indivíduo, bem como o conteúdo superior de seus propósitos. No processo de autotransformação nós nos conscientizamos da capacidade de alterar a vida à nossa volta. Percebemos que o mundo chega até nós como reflexo de nossa transformação interior.

*******************************************************************************************************************

CONCLUSÃO E NOTA DO BLOG

Parece que são as pessoas que mudam, que se transformam. E de fato elas se modificam interiormente e no trato conosco, porém a grande mudança está ocorrendo em nós. O universo conspira a favor de nossa transformação, pois que o progresso espiritual é um processo arquetípico. A flexibilidade do espírito é marca característica do processo de autotransformação. Não há lugar para a rigidez e inflexibilidade. O ser que se transforma consegue ter a visão de totalidade, onde coexistem possibilidades de percepção de posições antagônicas, com características completamente distintas entre si. Há aspectos contraditórios em todas as coisas, pois em tudo está seu oposto. Essa flexibilidade na percepção da realidade nos permite voltar atrás quando percebemos os equívocos que cometemos, sem que isso nos torne uma pessoa incoerente. Não se trata apenas de reconhecer os erros, o que é sempre desejável, mas, também, conseguir enxergar a vida sob vários ângulos, inclusive aqueles que se opõem ao nosso. No processo de autotransformação deveremos entrar em contato com as formas com que nos envolvemos com as famílias (originária e gerada), com a escolha e o desempenho profissional, com nossa vida sexual, com nossa ligação com o dinheiro, bem como com a forma como lidamos com a afetividade, além de todos os aspectos que envolvem as dimensões da Vida. No processo de autodescobrimento analisamos as diversas dimensões da Vida, visando reconhecer o estágio em que nos encontramos em relação à forma de lidarmos com elas. Nessa nova fase deveremos colocar em prática, em cada dimensão, o que acreditamos e desejamos para nós, à luz de novos valores e de perspectivas positivas, sem receio da possibilidade de não termos êxito. Nessa fase não é problema sofrer, visto que a dor é encarada de outra forma. Ela é sinalizadora da necessidade de mudanças.

EQUIPE DA LUZ É INVENCÍVEL

******************************************************************************************************************


Bibliografia para consulta
1-O despertar de uma nova consciência
Eckhart Tolle
2-Momento de despertar
Shakti Gawain
3-Psicologia da Alma
Dr Joshua David Stone
4-Um Curso em Milagres
Foundation for de Inner Peace
5-Ascenção Cósmica-roteiro para os reinos desconhecidos da luz
Dr Joshua David Stone
6-Sua missão ascencional-O seu papel no Plano Maior
Dr Joshua David Stone
7-Ascenção Cósmica
James Tyberonn
8- O processo da Iluminação Espiritual
Judith Blackstone
9-Modern Physics and Vedanta
Swami Jitatmananda
10-Vedanta Monthly
Vedanta Center
11-Manuscritos -acervo pessoal
Nota:Biblioteca VirtualCONSULTE NOSSO CANAL DE VÍDEOS

Divulgação: A Luz é Invencível