Criei este Blog para minha Mãe Cigana Rainha do Oriente, sendo uma forma de homenageá-la, bem como postar assuntos atuais e de caráter edificante, lindas mensagens, poesias de luz, também aqui brindemos á amizade verdadeira e elevemos o principal em nós ou seja a essência Divina, Deus e a Espiritualidade em geral.

terça-feira, 26 de abril de 2016

AS ETAPAS PARA UMA TRANSFORMAÇÃO CONSCIENTE - PARTE 6






A salvaguarda do conhecimento sagrado: as escolas de ocultismo

O ensinamento sobre o relacionamento humano com o Divino sempre seguiu duas direções distintas: a religião exterior, exotérica, com ênfase na obediência à estrutura e ao dogma da igreja; e o ensinamento esotérico, oculto. Toda religião importante tem seu núcleo interno de ensinamentos místicos: o sufismo no Islã, a cabala no Judaísmo, o gnosticismo no Cristianismo, o zen no Budismo japonês e a linha tântrica, tanto no Hinduísmo como no Budismo tibetano, só para mencionar alguns. Seria necessária uma biblioteca inteira para apresentar as centenas de escolas e sociedades secretas que existem desde que a história começou a ser registrada e antes ainda. Mas estaríamos deixando de lado um ponto importante na nossa compreensão da mudança — e da iniciação — se não nos lembrássemos da continuidade dos ensinamentos sobre o renascimento espiritual. Basicamente, o ponto principal desses ensinamentos é libertar o Deus que há dentro de nós da armadilha da matéria. A Doutrina Secreta, ou os Mistérios, como sempre foram chamados esses ensinamentos, ofereceram a estrada estreita e direta para o autoconhecimento. Se o lento movimento da evolução acabará por nos recolocar a todos em contato com a nossa Origem, há um caminho mais curto no qual podemos assumir o controle de nossa jornada. Ele é muito mais difícil e mais intenso, mas o Caminho foi apontado — e vivido — por mestres e avatares iluminados através dos tempos. É o caminho da iniciação. O ensinamento dos Mistérios sempre foi transmitido de modo privativo a pessoas altamente treinadas, como preparação para assumir grandes iniciações e dar grandes passos no desenvolvimento espiritual. Essa informação nunca foi passada para um público sem treinamento. O conhecimento não é bom nem mau. Ele apenas é. Mas o conhecimento também é poder. Ele pode ser perigoso nas mãos erradas. Por isso, as seitas esotéricas protegiam esse conjunto de conhecimentos escondendo-o por meio de códigos, línguas e ciências só conhecidos por aqueles que haviam aprendido a ver os significados ocultos. Os adeptos, como são chamados esses praticantes, juravam manter segredo, geralmente perdendo suas vidas se revelassem os ensinamentos. Se caíssem na tentação de explorar o conhecimento para fins particulares, não poderiam completar a iniciação. Muitas das técnicas e habilidades que haviam sido concebidas para mostrar progresso na jornada espiritual foram adulteradas e reduzidas a instrumentos de feitiçaria e adivinhação.

Típicamente, quando uma civilização começava a entrar em colapso por sua própria fraqueza, os ensinamentos puros tornavam-se cada vez mais velados, a fim de proteger o sagrado do profano. Quando os candidatos ao ingresso nas escolas ocultistas passavam por todas as provas e tentações, tornavam-se iniciados e acabavam como adeptos altamente treinados que preservavam o conhecimento. Seu conhecimento lançava as sementes de tudo aquilo que hoje é ensinado nas universidades — química, matemática, astronomia, medicina, arquitetura, filosofia — bem como as ciências do espírito. Definitivamente, a ignorância não era equiparada à piedade, embora no mundo em geral, os ensinamentos ocultistas sempre tenham sido encarados como ameaças às poderosas instituições religiosas das várias culturas. Os adeptos geralmente sofriam terríveis perseguições a fim de preservar o conhecimento. Robert Macoy, um maçom de grau trinta e três, presta um tributo a essas antigas escolas ocultistas na sua General History of Freemasonry [História Geral da Franco-Maçonaria]: “Parece que toda a perfeição da civilização e todo o avanço conseguido pela filosofia, pela ciência e pela arte entre os antigos devem-se a essas instituições que, sob o véu do mistério, procuravam ilustrar as verdades sublimes da religião, da moralidade e da virtude e imprimi-las nos corações de seus discípulos. Seu principal objetivo era ensinar a doutrina do Deus único, a ressurreição do homem para a vida eterna, a dignidade da alma humana e levar as pessoas a ver a sombra da divindade na beleza, na magnificência e no esplendor do universo.” As antigas religiões cujos nomes foram esquecidos tinham suas contraposições nas escolas ocultistas do mundo todo. Muitos nomes que consideramos míticos talvez tenham sido conceitos simbólicos que formaram o núcleo de alguma escola ocultista: Ísis, Dionísio e Orfeu, Gaia ou Apolo, por exemplo. As histórias pitorescas em que deuses e deusas espelhavam todos os conflitos, defeitos e ambições dos humanos parecem, sob a ótica moderna, meras fantasias da superstição. Mas, fornecido o código simbólico da iniciação, cada uma das divindades e cada uma dessas histórias personificava o ensinamento das diversas etapas em direção ao autocontrole e à reunião.

O aparecimento do Eu

Preparar uma pessoa para transpor os “umbrais do Eterno” sempre foi e ainda é hoje — a missão dos ensinamentos ocultistas. Quer fossem transmitidos em disciplinas como o hermetismo, a alquimia, a Ordem Rosa-Cruz, a Franco-maçonaria ou a Teosofia, quer por meio das sociedades secretas de Ísis ou dos mosteiros do Tibete, o objeto era essencialmente o mesmo. Ingressar nas escolas ocultistas era muito difícil. Dizem que Pitágoras, o grande matemático e filósofo que fundou uma grande escola ocultista na Grécia Antiga, exigia anos de silêncio de seus candidatos antes mesmo que fossem levados em consideração. Mediante um rigoroso treino da mente, do corpo, das emoções e do espírito, os discípulos eram preparados para a “morte” do corpo que lhes permitiria renascer para a totalidade iniciática e ritualística da sua verdadeira natureza. A jornada que vai da morte de uma visão do eu limitada e egocêntrica até o nascimento na totalidade do Eu era clássicamente marcada por diferentes graus de compreensão. À medida que os iniciados progrediam na morte simbólica do antigo eu e das antigas fascinações, passavam do papel de aprendizes para o de aspirantes, no qual se iniciava o trabalho de abertura do eu. Com persistência, os aspirantes provavam sua dedicação através de um período de provação, tornando-se, com o tempo, adeptos maduros. À medida que passavam de uma fase para outra, os discípulos recebiam cada vez mais ensinamentos ocultistas. Além da mitologia exterior e das práticas rituais, os ensinamentos esotéricos no mundo todo transmitiam essencialmente a mesma linha de autoconhecimento e de responsabilidade pessoal. O caminho da iniciação consciente é o caminho da responsabilidade em relação ao eu. Ele é diferente do caminho fortuito do aspirante não-iniciado, que pode ter momentos de êxtase com o Espírito, mas ao sair deles retorna a uma vida caótica. O caminho da iniciação também pode ter seus momentos de êxtase, mas também é necessário que o iniciado aprenda a participar inteiramente das questões diárias enquanto retem a perspectiva mais ampla dos ensinamentos. Os aspirantes aprendiam técnicas de purificação do corpo para permitir que ele emitisse mais vibrações, e vibrações mais sutis, da energia universal. Esse regime incluía alterações na dieta, jejum, meditação e exigia o constante domínio dos apetites sensuais. Isso não significa que eles tivessem necessariamente de abrir mão do sexo. O que os aspirantes precisavam aprender, isto sim, era a não serem empurrados nesta ou naquela direção por impulsos momentâneos e a escolher com cuidado o que fazer com sua energia sexual, e com quem. Também aprendiam técnicas para converter energia sexual em energia espiritual. Assim como os aspirantes aprendiam a purificar os aspectos de suas vidas físicas que ainda eram inconscientes, também eram ensinados a limpar suas confusões e distorções emocionais e mentais. Eles se libertavam gradualmente do passado para se aproximar de cada novo passo na iniciação carregando cada vez menos bagagem. O objetivo era manter-se em contato com o amor puro — não o amor que amarra os outros a si, mas um amor marcado pela sua abrangência. Todo treinamento era cuidadosamente planejado para preparar o aprendiz no sentido de vivenciar a primeira iniciação importante, o nascimento do Divino interior. Esse era — e ainda é hoje — o passo espiritual mais significativo que podíamos dar, desde que primeiro mergulhássemos no esquecimento. Os ensinamentos de iniciação, quer transmitidos diretamente, quer por meio da metáfora, descrevem a nova vida da alma despertada quando ela começa a viver a consciência divina na forma humana. As histórias antigas mostram o caminho e advertem sobre seus perigos e tentações, suas alegrias e oportunidades de serviço.

O feminino divino

Nas verdadeiras escolas ocultistas, o feminino não era sobrepujado pelo masculino ou vice-versa. Na verdade, a progressão só era possível quando a pessoa compreendia as duas energias do indivíduo e trabalhava com ambas. Como seres feitos à imagem de Deus, temos, dentro de nós, todas as características da totalidade. A totalidade abrange a energia masculina e a feminina como forças criativas dentro do Espírito. Até mesmo quando encarnamos como homens ou mulheres a fim de cumprir as leis da criatividade no plano físico somos, em essência, as duas coisas. Como dizia São Paulo, “em Cristo não há masculino ou feminino”. O sexo é apenas a expressão física da polaridade; as energias são femininas ou masculinas em muitos níveis não visíveis, como o pensamento e o sentimento. Mas no nosso estado de vigília — o nível da consciência crística — estamos equilibrados além da dualidade e somos capazes de empregar à vontade tanto a energia masculina como a feminina. Os taoístas descrevem os movimentos dentro da totalidade como Yin (feminino) e Yang (masculino). Um está sempre em vias de transformar-se no outro. Não somos um ou outro; ao contrário, somos ambos. O yin e o yang são movimentos de energia, não identidades. Posso ser emocionalmente yin no relacionamento com uma pessoa ou situação e muito yang no relacionamento com outra. Meu corpo pode ser yin, mas outros aspectos de minha personalidade podem ser muito yang. Ficamos seriamente desequilibrados quando tentamos polarizar o movimento livre dessas energias para a estabilidade. Fazemos isso quando dizemos: “Esta é uma mulher; portanto, um ser yin e passivo” ou “Este é um homem; portanto, um ser yang e positivo.” A pessoa toda é ao mesmo tempo passiva e positiva, abrangente e específica, receptora e doadora. Na concepção, cada um de nós começa a reinterpretar todo o drama evolutivo da nossa espécie.

Em eras passadas, vivíamos despreocupados num paraíso primordial, sem nenhuma dualidade, nenhuma identidade individualizada, nenhuma separação em relação à Fonte. Com o dom da vontade divina, optamos pela existência no plano terrestre e nos individualizamos. Comemos da Árvore do Bem e do Mal e aprendemos o que é dualidade e separação. Revivemos a unidade-primordial durante as primeiras semanas que se seguem à concepção. É apenas na quinta semana, com o concurso dos hormônios, que aparece a diferenciação sexual no zigoto. Antes disso, todos os zigotos são “femininos”. A divisão da totalidade, a separação de masculino e feminino dentro de nós começa no ventre materno. Nós ansiamos pela outra metade de nós mesmos. Ansiamos pela ligação espiritual, pela consciência do Cristo, que irá restaurar a totalidade além da dualidade. Até restaurarmos essa conexão interior, projetamos esse anseio para fora, para nossas sociedades, conferindo autoridade, primeiro a uma polaridade, depois à outra. Quando éramos um povo matriarcal, vivíamos na consciência tribal da unidade e da conexão com a Terra. Essa era a época da Grande Deusa Mãe, o princípio de conexão, de síntese. A etapa seguinte na nossa evolução psicoespiritual é aprender mais a respeito da nossa singularidade como indivíduos; por isso começamos a explorar o princípio masculino. Assim como o bebê em crescimento que consegue reconhecer que é um ser único, separado da mãe, começamos a nos ver, e ao mundo, como algo feito de coisas distintas e separadas. Aprendemos a identificar, a catalogar, a examinar. Nossas ciências e indústrias nasceram da nossa perspectiva masculina. Porém, no desenvolvimento do nosso impulso masculino, perdemos, como espécie, a noção daquilo que essas “coisas” individualizadas tinham que ver umas com as outras. Perdemos a noção do relacionamento, do parentesco. Enquanto o masculino está ocupado, identificando e catalogando, o feminino está preocupado em querer saber como tudo se relaciona. O masculino traz o conhecimento para o mundo; mas, sem a sabedoria do feminino para guiar o uso desse conhecimento, ele se torna perigoso e sem relação com o bem do todo. Quando os aspectos masculinos da nossa natureza começaram a dominar, eles eram acompanhados por um medo crescente do feminino. Talvez um pouco desse medo se deva a uma ameaça primordial à individualidade, o medo de sermos absorvidos de volta ao ventre materno. Muitos de nossos mitos globais dos últimos três mil anos refletem esse medo do feminino, sendo que esses mitos foram manifestados em termos relativos à sexualidade humana. Nos primeiros anos da Igreja cristã organizada, construída sobre bases judaicas, o aspecto feminino de Deus ficou praticamente esquecido. Apenas no quinto século depois de Cristo é que a Virgem Maria recebeu um lugar de honra na hierarquia da Igreja. É provável que tenha havido muita pressão acumulando-se entre a população e que tenha sido necessário externar e equilibrar as energias da Mãe Divina interior. As pessoas estavam começando a voltar novamente para os templos das antigas deusas. Por isso, a Igreja acabou com os ícones, os templos e os títulos das antigas deusas “pagãs” e atribuiu-os a Maria, muitas vezes mudando apenas o nome. Nos tempos antigos, entendíamos a Terra como nossa Mãe. Mas, à medida que o nosso conhecimento científico aumentou, ingenuamente começamos a pensar que poderíamos conquistá-la para os nossos próprios fins. Essa consciência patriarcal desequilibrada começou a considerar a Grande Mãe como a força que mantinha o nosso espírito aprisionado pela carne, separando-nos do Deus Pai. Nós A culpamos pela Queda, e Suas filhas de carne e osso na Terra começaram a ser encaradas como armadilhas potencialmente perigosas para o espírito masculino que busca a união com o Pai Celestial. A luta para equilibrar nossa natureza dual de carne e espírito foi narrada em mitos e alegorias em todo o mundo.

Esses mitos são realmente a respeito de uma pessoa — o Homem, a Mulher. As batalhas e triunfos contam-nos sobre as lutas do homem interior e da mulher interior, primeiro para descobrir nossas próprias identidades, depois para vencer o inimigo das ilusões interiores e, finalmente, para celebrar o conúbio dessas duas energias duais. Infelizmente, na época em que esses ensinamentos através de alegorias foram se tornando acessíveis ao povo, os princípios universais que eles transmitiam haviam se perdido ou haviam sido distorcidos. A orientação interior disse-nos certa vez que “apenas uma virgem pode dar à luz o Cristo” — afirmação essa que deixaria a maioria de nós bem para trás, se fosse interpretada literalmente. Mas, quando entendemos que a alma tem sido tradicionalmente retratada nas simbologias do mundo como feminina, a afirmação assume um novo significado. É a alma feminina dentro de nós, o princípio receptivo, que deve ser purificado no seu desejo de receber, antes que possa ser locupletado pelo Cristo Universal. As teologias apoiadas na interpretação literal de alegorias foram então primorosamente racionalizadas e programadas para um sacerdócio que, por sua vez, mantinha-as junto ao povo como a palavra sagrada de Deus. Muitos símbolos das antigas alegorias — assim como a serpente, que tem significado simbólico profundo relacionado com a sabedoria e a cura na jornada pessoal da transformação — também vêm sendo distorcidos, e essas distorções têm sido repetidas com tanta freqüência que acabam se mascarando como poderosas verdades no inconsciente coletivo. A serpente até hoje aparece em anúncios de perfume e roupa íntima, reforçando sutilmente a velha imagem da mulher como sedutora; mas essa imagem representa algo mais do que apenas a tentação sexual. Aos olhos patriarcais, a mulher representa o anseio de abandonar o paraíso pela atração da Terra. Ela é a tentadora arquetípica que afasta o homem de sua busca espiritual. É a irmã das sereias de Ulisses, a Rainha da Noite de Mozart, o Anjo Azul, a Rusaka russa que arrasta os homens imprudentes para sua morada dentro das águas e se faz presente em centenas de histórias semelhantes no mundo todo. Jovenzinhas virginais que mantêm “perigosas” ligações mediúnicas com as forças naturais são periodicamente transportadas para fora do inconsciente coletivo e atraídas para enredos cinematográficos. Há, por exemplo, Carrie com seu poder incendiário; Jennifer e sua capacidade de conjurar serpentes quando fica zangada; e Regan, a possessa de O Exorcista. Esses arquétipos não estão muito distantes das contraposições medievais, pois não foi só o folclore que conseguiu transmitir que as mulheres eram sujeitas à possessão demoníaca; foram também os ensinamentos da Igreja. E isso levou à obsessão da caça às bruxas do século XIV ao século XVI, durante os quais literalmente milhões de mulheres foram mortas. É demasiado complexo discutir os muitos indícios do fim do reinado exclusivo do patriarcado.

Nos domínios físico, emocional e mental, temos criado coletivamente formas-pensamento muito densas e escuras que impedem que uma alma num corpo feminino busque a auto-realização. Naturalmente, há almas que se viram livres dessas formaspensamento, mas a maioria não escapou. Quando uma alma num corpo feminino ansiava pela união dentro da totalidade do eu, era-lhe permitido chegar exatamente até esse ponto, porém, não mais adiante. Quando ela se deparava com aqueles impedimentos obscuros e difundidos em toda parte — os quais ultrapassam de longe as meras regras e regulamentos e fazem parte do próprio ar que respiramos — era possível que cedesse à frustração. Freqüentemente, ela preferia ligar-se a um homem, pois os homens têm permissão para vivenciar o estado cristianizado. Talvez ela conseguisse obter um gostinho substitutivo da totalidade espiritual. A mensagem continuou dizendo que essas formas-pensamento devem ser dissolvidas agora, porque, enquanto permanecem intactas, nenhum de nós pode entrar na próxima etapa da nossa evolução. Também me foi dito que milhares de almas que possuíam muito treino espiritual em encarnações anteriores agora estão preferindo encarnar em corpos femininos, particularmente no Ocidente. Elas estão fazendo isso não só para prosseguir no seu próprio desenvolvimento, mas para participar da destruição das antigas formas-pensamento para nós todos. Como não só se permite mas também se estimula que as mulheres (o símbolo terrestre da Mãe) procurem auto-realizar-se; como elas são aceitas para exercer a função de professoras e líderes lado a lado com os homens, teremos novos modelos de totalidade que nos ajudarão a nos libertar da tirania da polarização. Contudo, também não podemos nos voltar inteiramente para a direção oposta, pois o nosso objetivo é a totalidade. Polarizar em direção à Mãe com a exclusão do Pai é perder o alvo, tanto como na situação contrária. Mas, antes que possamos sintetizar e integrar a totalidade, temos de recuperar e remediar o que foi perdido. Essa cura é uma das iniciações mais importantes que faremos coletivamente nas próximas décadas.

A repressão da Mãe Divina nos últimos trezentos anos acarretou o aparecimento de um eu dividido num mundo dividido. Toda vida provém do ventre materno, e toda vida retorna à Mãe para ser reciclada. É Ela que nos mostra a nossa conexão com a vida em todas as formas. E também é Ela que impõe disciplina e que nos mostra o preço da nossa arrogância na tentativa de conquistar a natureza e abusar das formas de vida na Terra.

*****************************************************************************************************************

CONCLUSÃO E NOTA DO BLOG

Não é apenas deselegante enganar a Mãe Natureza; é fatal também. O Céu e a Terra só podem se encontrar no Espírito, que une a Mãe Divina e o Pai Divino. Quando não honramos os dois, ficamos totalmente desequilibrados e solitários em relação à nossa outra metade. A repressão, o ódio, o ressentimento e o medo do “outro” têm sua raiz no medo que sentimos do outro dentro de nós mesmos. O medo fica encurralado nos becos sem saída do corpo, das emoções e da mente. O treinamento psico-espiritual trata de limpar esses becos sem saída, de modo que nossas energias possam seguir seu curso natural em direção à união. Vivenciamos o enlace interior, o “casamento místico”, quando as energias masculinas e femininas dentro de nós são, em primeiro lugar, reivindicadas e depois purificadas de todas as distorções e, finalmente, fundidas na totalidade. Os textos de Ioga, a Cabala, a Bíblia, o Bhagavad Gita, o I Ching e o Tarô — são todos métodos de ensino que nos ajudam a equilibrar o nosso eu dividido. O Cristo Universal nasce dessa união.

EQUIPE DA LUZ É INVENCÍVEL

****************************************************************************************************************

Posts relacionados; EVOLUÇÃO DA RAÇA HUMANAequilibrio-a-principal-ferramenta-da-ascencao-para-uma-consciencia-unificada/”chaves-para-o-autoconhecimento-e-a-cura-o-estudo-do-eu-superior-parte-1/”a-abertura-aos-sentidos-superiores-experiencias-no-caminho-da-ascencao/”academia-de-ascensao-energia-criadora/”o-que-realmente-significa-ascender-a-quinta-dimensao/”James Redfield e a metafísica do caminho espiritual-A Profecia Celestina-Nível Vibratório e AlimentaçãoAmit Goswami: O Universo Autoconsciente, Como a Consciência Cria o Mundo MaterialWayne Dyer: O Poder da Manifestação, Consciência e Espiritualidade, O Propósito de vida, Vivendo a Sabedoria do Tao


Bibliografia para consulta
1-O despertar de uma nova consciência
Eckhart Tolle
2-Momento de despertar
Shakti Gawain
3-Psicologia da Alma
Dr Joshua David Stone
4-Um Curso em Milagres
Foundation for de Inner Peace
5-Ascenção Cósmica-roteiro para os reinos desconhecidos da luz
Dr Joshua David Stone
6-Sua missão ascencional-O seu papel no Plano Maior
Dr Joshua David Stone
7-Ascenção Cósmica
James Tyberonn
8- O processo da Iluminação Espiritual
Judith Blackstone
9-Modern Physics and Vedanta
Swami Jitatmananda
10-Vedanta Monthly
Vedanta Center
11-Manuscritos
Acervo pessoal

Nota; Alguns livros estão disponíveis em nossa Biblioteca Virtual

CONSULTE NOSSO CANAL DE VÍDEOS

Divulgação: A Luz é Invencível