Criei este Blog para minha Mãe Cigana Rainha do Oriente, sendo uma forma de homenageá-la, bem como postar assuntos atuais e de caráter edificante, lindas mensagens, poesias de luz, também aqui brindemos á amizade verdadeira e elevemos o principal em nós ou seja a essência Divina, Deus e a Espiritualidade em geral.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

BRASIL: AJUDANDO OS PAÍSES MENOS DESENVOLVIDOS




A vocação natural do BRASIL e de nós brasileiros: Dar uma Mão, ajudar os Países Menos Desenvolvidos (uma atitude altamente cristã).

“Como um país multicultural e multi-étnico, é mais fácil para o Brasil ”dialogar com todos os povos“, ao mesmo tempo que tem a vantagem de não ter um passado colonialista ou imperialista, o que significa que outros países “não se sentem oprimidos” pela presença do Brasil e dos brasileiros”.

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

Fonte: http://www.ipsnews.net


Por Mario Osava

Rio de Janeiro, Brasil (IPS) - Os bancos de leite materno que estão ajudando a reduzir a mortalidade infantil na Guatemala, e estão começando a ser criados agora na África como parte formal das inúmeras tecnologias sociais desenvolvidas pelo Brasil que estão impulsionando o crescimento rápido de sua cooperação para o desenvolvimento internacional de países menos desenvolvidos.



O total de recursos destinados anualmente às organizações internacionais, de assistência técnica e humanitária, e bolsas de estudo para estudantes estrangeiros cresceu 129 por cento entre 2005 e 2009, de $ 158 milhões de dólares para $ 362 milhões de dólares, de acordo com o primeiro relatório sobre Cooperação Brasileira para o Desenvolvimento Internacional.

Que ainda não é muito, nem um por cento do PIB, apenas 0,02% , disse Guilherme Schmitz, um dos autores do estudo, realizado pelo Instituto Brasil de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

Mas o gigante da América do Sul só agora está ganhando estatura como um país doador. E como uma nação em desenvolvimento, não tem uma meta para aplicação até, disse à IPS – ao contrário dos países industrializados, que se comprometeram a dar 0,7 por cento do PIB à ajuda pública ao desenvolvimento.

Além disso, o cancelamento da dívida dos países pobres não foi levado em conta na estimativa de cooperação total do Brasil, apontou. Se foi, ele disse, como o foi nas contas de outros países, a quantidade total de cooperação do Brasil para o desenvolvimento seria significativamente maior.

Quando é contabilizado, a ajuda humanitária ao Haiti, após o devastador terremoto que matou cerca de 300.000 vidas há um ano, também irá expandir o total de 2010.

Mas as maiores contribuições vão para organismos internacionais, incluindo agências das Nações Unidas, como a Agência de Refugiados da ONU, e, a nível regional, os bancos de desenvolvimento e vários fundos. Esta categoria é responsável por 76 por cento de cooperação de desenvolvimento do Brasil.


O combate à fome deveria ser uma prioridade de todos os povos em todos os países.

Uma das maiores contribuições vai para o Fundo de Convergência Estrutural e Fortalecimento Institucional (Focem), criado pelo Mercosul (Mercado Comum do Sul). FOCEM recebe mais de 30 por cento dos fundos que o governo brasileiro contribui para organismos internacionais.

O FOCEM foi criado em 2004 para fortalecer o desenvolvimento dos parceiros menores do bloco, Paraguai e Uruguai, e nas áreas mais pobres em todos os países membros, para reduzir as assimetrias entre os parceiros. A assistência humanitária internacional do Brasil aumentou 90 vezes entre 2005 e 2009 – de $ 488 mil dólares para $ 43,5 milhões de dólares -, mas este país ainda representa apenas 5,5 por cento do total mundial, de acordo com o estudo apresentado em 12 de janeiro pelo governo de Dilma Rousseff.

Ultimamente o Brasil tem ajudado diretamente aos países atingidos por catástrofes, com apenas uma pequena parte ainda canalizada através de organismos multilaterais. A diplomacia do Brasil prefere evitar termos como “doação” ou “ajuda”, para diferenciar entre a ajuda ao desenvolvimento tradicional fornecido pelos países ricos e a cooperação Sul-Sul entre países em desenvolvimento, que ultimamente tem ganhado impulso.

“O termo doador implica uma hierarquia, enquanto que a nossa cooperação é diferente, horizontal, entre os parceiros, e com base em um compromisso de solidariedade”, disse Marco Farani, diretor da Agência Brasileira de Cooperação (ABC) do Ministério das Relações Exteriores.

Além disso, o Brasil tem “soluções que são adaptáveis a outros países em desenvolvimento”, sem as dificuldades que afligem o diálogo entre os países ricos e as nações menos desenvolvidas e, “sem a tentação de impor modelos”, disse Farani à IPS . A Cooperação do Brasil é gerenciada por funcionários públicos que não são remunerados especificamente para essa atividade, em contraste com a tendência nos países industrializados para contratar consultores e organizações não-governamentais para realizar tais tarefas, ressaltou.



“E, como um país multicultural e multi-étnico, é mais fácil para o Brasil “dialogar com todos”, ao mesmo tempo que tem a vantagem de não ter um “passado colonialista ou imperialista”, o que significa que outros países “não se sentem oprimidos“ pela presença do Brasil e dos brasileiros”, disse ele.

“Tanto na realização dos ODM (Objetivos de Desenvolvimento do Milênio) e promoção do desenvolvimento sustentável em geral, o intercâmbio sul-sul de conhecimentos e lições aprendidas é vital para o sucesso” dos planos das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), disse Helen Clark, administradora à IPS.

Os ODM, acordados pela comunidade internacional em 2000, incluem uma redução de 50 por cento em pobreza e da fome, a educação primária universal, redução da mortalidade infantil em dois terços; cortes na mortalidade materna em três quartos, a promoção da igualdade de gênero, assegurando sustentabilidade ambiental; reversão da disseminação de HIV / AIDS, a malária e outras doenças, e uma parceria global para o desenvolvimento entre os ricos e os pobres, até 2015, tomando 1990 como base.

“As contribuições de monta do Brasil para o desenvolvimento global representam o compromisso do país em ajudar a resolver os desafios do mundo em desenvolvimento”, acrescentou, enquanto reafirmando o compromisso do PNUD para procura de novas formas de apoio Sul-Sul de cooperação.

“Hoje a cooperação Sul-Sul não é uma forma alternativa de abordar os desafios do desenvolvimento”, Rathin Roy, diretor do Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG), disse à IPS. ”Ele É a corrente principal. Isto porque a história do desenvolvimento contemporâneo do século 21 é sobre o desenvolvimento de países que fizeram avanços significativos no crescimento e desenvolvimento humano, e forjaram o seu próprio caminho para a frente neste esforço, ao invés de seguir o histórico mantra de “melhores práticas”.


O Brasil e o povo brasileiro tem em sua alma a marca impressa da SOLIDARIEDADE.

O IPC-IG baseado em Brasília é um programa conjunto entre o PNUD e o governo brasileiro, criado para facilitar a aprendizagem Sul-Sul relacionada à política de desenvolvimento. A cooperação ”Sul – Sul não é uma questão tecnocrática”, disse Roy. ”É multilateral na concepção”, e ”é sobre não aceitar as “regras do jogo “como elas são dadas” (pelos países ricos). É “uma parceria em que o conhecimento e experiência, ao invés de recursos e poder, formam a base para a cooperação”, acrescentou.

Cooperação técnica, científica e tecnológica cresceram aos trancos e barrancos durante os dois mandatos do presidente socialista Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2011), que viu a cooperação internacional como “um instrumento da política externa e de prestígio nacional”, bem como “uma das responsabilidades do país”, disse Farani.

O Brasil, que tem a mais ampla rede de banco de leite materno do mundo, ampliou essa tecnologia de baixo custo pela América Latina. Os bancos obtêm o excedentes de leite materno de mães que estão dispostas a fazer o esforço de coletar seu leite para doá-lo a crianças que não são capazes de serem amamentadas por um motivo ou outro.

A Guatemala é um dos países da região, que agora têm redes próprias de bancos de leite materno. As equipes médicas lá foram treinados para processar e controlar a qualidade do leite doado. A tecnologia, que tem se mostrado eficaz na redução da mortalidade infantil, também está sendo empregada agora em Angola, Cabo Verde e Moçambique, ex-colônias portuguesas como o Brasil.

A maioria do apoio do Brasil para os países pobres é nas áreas de saúde, agricultura e formação profissional e vocacional. A ideia é compartilhar o conhecimento que o país tem acumulado na agricultura tropical – especialmente na empresa de pesquisa do governo brasileiro, a Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuária (Embrapa) – e na prevenção e tratamento do HIV / AIDS.


O terremoto do Haiti de 2010 foi uma catástrofe de magnitude 7,0 com epicentro perto da cidade de Léogâne ( Ouest Departamento ), a cerca de 25 km a oeste de Port-au-Prince, a capital. O terremoto ocorreu às 16:53 hora local (21:53 UTC ) na terça-feira, 12 janeiro de 2010 e matou cerca de 300 mil pessoas.

África e América Latina são as principais áreas de envolvimento, especialmente os países membros do Mercosul, o Haiti, o país mais pobre das Américas, e outras nações de língua portuguesa . O sucesso tem sido visto, por exemplo, no aumento da safra de soja em Cuba e nos rendimentos mais elevados e na qualidade do algodão em quatro grandes produtores dessa cultura na África: Benin, Burkina Faso, Chade e o Mali.

O relatório sobre a cooperação internacional, realizada pela ABC e pelo IPEA, procura sistematizar, pela primeira vez, as atividades de cooperação de 65 instituições públicas. É um esforço “pioneiro” entre os países em desenvolvimento, disse Schmitz.

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br