Criei este Blog para minha Mãe Cigana Rainha do Oriente, sendo uma forma de homenageá-la, bem como postar assuntos atuais e de caráter edificante, lindas mensagens, poesias de luz, também aqui brindemos á amizade verdadeira e elevemos o principal em nós ou seja a essência Divina, Deus e a Espiritualidade em geral.

quinta-feira, 2 de março de 2017

COMO USARMOS A ENERGIA DO ECLIPSE E NOS PREPARARMOS PARA O PRÓXIMO CICLO



COMO USARMOS A ENERGIA DO ECLIPSE
E NOS PREPARARMOS PARA O PRÓXIMO CICLO
Mensagem de Jennifer Hoffman
28 de Fevereiro de 2017

Estamos agora do outro lado da temporada do eclipse de Fevereiro e que jornada extraordinária tem sido! Este mês trouxe muita energia do passado para interagirmos e decidirmos sobre o que queríamos, para liberarmos ou repetirmos, para avançarmos para um novo futuro ou recuarmos no passado. E o forte foco espiritual agora torna isto tudo mais potente, poderoso e importante.


Este eclipse nos traz de volta a 26 de Fevereiro de 1998 e Setembro de 2016, onde tivemos um eclipse oposto ao grau do eclipse de 26 de Fevereiro de 2017.

O que fazemos, o que escolhemos, quais são os próximos passos?

E há outro eclipse começando em Agosto de 2017, que afeta Plutão no fim da geração de Leão (1955 a 1961), e o que fizermos agora afetará como experienciaremos o próximo eclipse de Agosto.

Eclipses são portais para um novo potencial que nos forçam a olhar na lupa e vermos o que estamos fazendo, reconhecermos o que estamos sendo e nos dão o potencial para fazermos novas escolhas.

Como lidar melhor com os eclipses?
Este é o tema deste artigo especial sobre os eclipses.

Eclipses são portais entre o passado e o futuro que nos mostram simultaneamente onde estivemos e a possibilidade de um novo potencial. Este portal para o futuro é breve, mas atraente, e quando o eclipse passar, teremos de decidir se iremos repetir o passado e o que sabemos, ou liberá-lo para o novo e desconhecido.

O vislumbre do passado está cercado de mistério, especialmente com Netuno em Peixes agora, mas é uma oportunidade para explorarmos novos potenciais, mas nem sempre é um fluxo agradável de informações. E as energias do eclipse geralmente duram 6 meses ou mais, embora os efeitos de longo prazo nem sempre sejam tão fortes quanto o eclipse atual.

Podemos aproveitar ao máximo a energia do eclipse se formos flexíveis e equilibrarmos as nossas expectativas com a nossa intenção.

Tivemos alguns eclipses poderosos em Fevereiro, especialmente aquele em 26 de Fevereiro, que estava no mesmo grau, 8 graus de Peixes, daquele de 26 de Fevereiro de 1998, e em um grau que foi, historicamente, um catalisador para a mudança global, embora nem sempre de forma benéfica.

O que torna especial o eclipse desta semana é que pela primeira vez desde 1847, Netuno está em Peixes, e é unido por Mercúrio, o planeta que governa nossos ciclos Kármicos, e que lança uma luz completamente diferente sobre este eclipse.

Este eclipse caracteriza um equilíbrio dos planetas em Áries, o primeiro signo do zodíaco, e Peixes, o último signo do zodíaco, um chamado para os términos e inícios. Com a sua conjunção com o nosso nodo sul Kármico, com o Karma, com os ciclos Kármicos, grupos de alma, as promessas de alma e a nossa jornada kármica são chamadas para revisão.

Desde 2004, estive escrevendo que esta é a vida em que viemos concluir o Karma e é por isto que as nossas vidas têm sido tão desafiadoras. Este eclipse e o seu ponto final no fim deste ciclo de 19 anos, abre o portal para que possamos completar esta missão.

Além disto, Marte está ativando a quadratura Urano/Plutão de 2012 a 2015, a atual conjunção Urano/Eris e em oposição à Júpiter, em Libra. Com Marte em Áries e Netuno em Peixes, temos alfa e o ômega no lugar; o humano e o divino estão prontos para a ação congruente, inspirada. Mas não a ação de fluxo livre que pensamos que a nossa divindade nos traz, esta ação é mais agitada, sem muito fluxo livre e pode parecer como uma luz estroboscópica.

Você se lembra das luzes estroboscópicas? Elas faziam um movimento agitado e imprevisível, onde você via alguém em um lugar, e, então, quando você olhava novamente ela estava em outro lugar. É assim que pode parecer o período de eclipses