Criei este Blog para minha Mãe Cigana Rainha do Oriente, sendo uma forma de homenageá-la, bem como postar assuntos atuais e de caráter edificante, lindas mensagens, poesias de luz, também aqui brindemos á amizade verdadeira e elevemos o principal em nós ou seja a essência Divina, Deus e a Espiritualidade em geral.

domingo, 14 de julho de 2013

HISTÓRIAS FANTASMAGÓRICAS DA VIDA REAL QUE AINDA ASSUSTAM!!!


Zona Shue






O Fantasma do condado de Greenbrier na Virginia do Oeste é Zona Heaster Shue, uma mulher assassinada pelo marido cruel e abusivo, Erasmus Stribbling Trout Shue, em 1897.




Fingindo tristeza e cobrindo o pescoço machucado e quebrado de Zona com um vestido de gola rígida, ninguém suspeitava de Erasmus, exceto a mãe de Zona, Mary Jane Heaster, que depois de receber três visitas fantasmagóricas, apelou a um promotor local.




O caso foi reaberto e Erasmus foi considerado culpado. Foi a primeira vez na história legal americana que uma história de fantasmas contribuiu para um veredito.





Marie Laveau








Uma sacerdotisa vodu de Nova Orleans em meados de 1800, Laveau foi temida por sua magia poderosa na vida e após a morte.




Seu túmulo é considerado um dos lugares mais assombrados de Nova Orleans. Seu fantasma concede favores aos que batem três vezes em sua cripta mas exige pagamento para seus serviços na forma de milho, álcool, flores, ou estátuas de culto.






Kate Morgan







O fantasma de uma jovem mulher assombra o pitoresco Hotel del Coronado, à beira-mar, na Califórnia.




Em 1892, Kate Morgan foi encontrada morta com uma bala na cabeça e uma arma na mão, mas a bala não coincidia com a arma. Hoje, os hóspedes do hotel e funcionários dizem que veem o fantasma da jovem.



A evidência de sua presença fantasmagórica pode ser encontrada nos livros virados e banheiros molhados.




A bruxa de Bell







Base para o Projeto ficcional Bruxa de Blair, se acredita que a Bruxa de Bell têm assombrado a casa dos Bell no Tennessee desde o início de 1800.




O espírito irado puxou os lençóis dos filhos de Bell quando dormiam, sussurrou hinos em seus ouvidos, e bateu em todos os membros da família.




O fantasma atormentou tanto uma das filhas de Bell e seu noivo, que até o noivado foi rompido. Hoje, as pessoas ainda relatam evidências de que o fantasma ainda está na propriedade.





Dolly Madison







A esposa do quarto Presidente dos EUA, James Madison, era conhecida por ser a última a sair de uma festa - algo que acontece aparentemente após sua morte, pois se recusa a deixar a Casa Branca.




Quando a segunda esposa de Woodrow Wilson, Edith tentou reformar o jardim e rosas de Dolley, o fantasma apareceu e instruiu os jardineiros para pararem com aquilo de uma vez.




Hoje, Dolley ainda cuida de seu jardim e ocasionalmente é vista andando pelos corredores da Mansão da Avenida Pensilvânia.




Mary Resurrection






Viajar de carona é um modo perigoso de transporte, mas não se você já está morto.


Em um trecho da estrada perto do Cemitério Resurrection em Justice, Illinois, uma atraente loira de olhos azuis, jovem, às vezes pode ser vista com o polegar no vento, tentando pegar carona.




Quando um motorista bondoso para, ela pede para ser levada para o cemitério. Quando ele chega lá, ela desaparece.





Chloe da plantação Myrtles








A Plantação Myrtles na Louisiana, tem pelo menos 12 fantasmas como residentes permanentes, o mais infame é Chloe, uma escrava de propriedade de Clark e Sara Woodruff.




Diz-se que Chloe foi pega ouvindo os Woodruffs através de um buraco da fechadura e teve sua orelha decepada. (Ela também pode ter sido forçada a ser amante de Clark. )




Como vingança, Chloe fez um bolo de aniversário envenenado com extrato de folhas de oleandro, que matou Sara e suas duas filhas.




Chloe foi considerada culpada e enforcada. Agora, ela usa um turbante verde e percorre a plantação, dizem que mexe os móveis e rouba brincos de turistas.





Richard Miller








O Teatro Guthrie em Minneapolis tinha um empregado que nunca assinava o ponto na saída. Em 5 de fevereiro de 1967, o adolescente Richard Miller, solitário e deprimido, atirou em si mesmo no estacionamento da Sears.




Aparentemente, uma das poucas coisas relevantes na sua vida tinha sido o seu trabalho como um lanterninha no Guthrie; ele foi enterrado no seu uniforme do teatro.




Até ser demolido em 2006, os funcionários do teatro diziam que viam Miller passeando para cima e para baixo no corredor 18, nas passarelas, e no Box da Rainha.




Elizabeth Pratt








Alguns relatos afirmam que Elizabeth Pratt do Forte Mifflin, Filadélfia, era a esposa de um sargento que perdeu seu filho recém-nascido e uma filha jovem para a febre amarela (Pratt perturbada sucumbiu à doença e morreu pouco depois de gritar).




Outras histórias dizem que Pratt era a esposa de um oficial que se recusou a deixar sua filha casar com um soldado, as duas mulheres brigaram e a filha morreu de febre amarela antes que elas pudessem se reconciliar.




Com remorso, Pratt gritou e gemeu durante semanas, e enforcou-se na varanda do alojamento dos oficiais. Hoje, o som de seus gritos é tão arrepiante que os vizinhos chamam a polícia, pensando que um assassinato está ocorrendo no forte.



Toni Jo Henry







Em 1942, Toni Jo Henry, a prostituta que virou assassina tornou-se a primeira mulher da Louisiana a morrer na cadeira elétrica.




Depois de libertar seu marido, Harold "Arkie" Burks da prisão, os dois pegaram uma carona em um carro que passava, dirigido por Joseph P. Calloway. Toni Jo ordenou com uma arma que Calloway saisse do carro, mandou que tirasse a roupa e fizesse suas orações, em seguida deu um tiro em sua cabeça.




Hoje dizem que ela assombra o tribunal Calcasieu em Lake Charles, Louisiana. Trabalhadores relatam ouvir seus gritos, sentirem a sua presença, e o cheiro de cabelo queimado.





Príncipe Suleyman







No Bairro Francês de Nova Orleans , uma bela casa de quatro andares com varandas foi a casa do príncipe Suleyman em 1808 - Um turco também conhecido como o Sultão - que amava o ópio, manteve um harém de mulheres escravas e meninos, e regularmente torturava seus cativos.




Uma noite, agressores desconhecidos invadiram sua casa, mataram sua família, e enterraram-no vivo no pátio.




Agora as pessoas relatam ouvir música alta e cheiro de incenso que emana da casa onde o sultão continua com suas festas estranhas na vida após a morte.




Mickey O Marinheiro






O Ear Inn é um dos mais antigos bares de Nova York operando continuamente ainda em funcionamento.




É também a casa de Mickey, o fantasma de um marinheiro que viveu encima do bar na década de 1950 e morreu em frente ao bar quando foi atropelado por um carro.




Agora se diz que o espírito zombeteiro belisca as nádegas de garçonetes e clientes do sexo feminino. Ele também é conhecido por drenar baterias de telefones celulares e focos de fogo, às vezes na lareira, outras vezes não.




Alegam que um incêndio inexplicável que quase tomou conta do edifício em 1996 foi iniciado por ele.



William Sketoe







Nos anos finais da Guerra Civil, o reverendo Sketoe foi acusado por seus colegas do Alabama de ser um traidor da Confederação.




Embora Sketoe negasse essas acusações, uma multidão enfurecida pendurou-o na forca perto do rio Choctawhatchee.




O tronco em que a multidão pendurou a corda era fraco e Sketoe foi capaz de manter seus pés no chão, depois, alguém decidiu cavar um buraco nos pés de Sketoe, que acabou morto.




Desde este dia, o buraco continua perto do Rio Choctawhatchee apesar de numerosas tentativas de preenchê-lo.





Theodosia Burr







A filha do famoso duelista Aaron Burr embarcou no Patriot, uma escuna de New York em setembro de 1812 e nunca mais foi vista novamente.




Entre as possíveis explicações: o navio afundou e ela se afogou; piratas mataram todos a bordo; Theodosia sobreviveu a viagem, mas optou por negar a sua família e o pai que matou Alexander Hamilton.




O espírito de Theodosia supostamente nunca deixou as praias de Outer Banks , onde foi visto pela última vez, caminhando na areia, uma figura triste de branco.




Joseph Forepaugh







Este bem sucedido comerciante de secos e molhados contratou uma empregada doméstica, Molly, para ajudar a cuidar de sua mansão em 1880. Joseph e Molly começaram um caso amoroso que terminou quando a esposa de Joseph pegou os dois na cama.




Logo depois, Molly descobriu que estava grávida e se enforcou no lustre do terceiro andar. Joseph, então, levou sua família para a Europa, mas acabou retornando para a casa e se matou no piso térreo.





Hoje dizem que a propriedade, agora um restaurante, é assombrada pelos fantasmas dos infelizes amantes. Na morte, como na vida, Molly está confinada ao andar de cima, os quartos dos criados, enquanto Joseph assombra o primeiro andar.






Tradução: Carlos de Castro







Fonte: Huffington Post